Empreendedorismo

micro.jpg

Ricardo Callado26/01/20182min

Os microempreendedores individuais (MEI) em atraso com o governo têm até hoje (26) para regularizar a situação. O prazo para quitar ou parcelar as dívidas estava previsto originalmente para acabar na terça-feira (23), mas foi adiado para esta sexta.

Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), os profissionais autônomos terão até as 23h59min59s de hoje para pagar os tributos devidos à Receita Federal ou aderir ao parcelamento dos débitos em até 60 meses (cinco anos) e pagar a primeira parcela. Após esse período, os microempreendedores terão o Cadastro Nacional Pessoa Jurídica (CNPJ) excluído do programa.

A relação dos CNPJ suspensos está no Portal do Empreendedor. De acordo com o MDIC, cerca de 1,4 milhão de microempreendedores estão ameaçados de serem excluídos do programa. Eles não pagaram os impostos nos últimos três anos e estão com as declarações anuais do Simples Nacional em atraso, o que equivale a 18,9% dos 7,574 milhões de CNPJ inscritos.

Regime especial de tributação instituído em 2011, o MEI permite o pagamento simplificado de tributos por profissionais autônomos que faturem até R$ 81 mil por ano e contratem no máximo um empregado. Nesse programa, o profissional recolhe mensalmente 5% de contribuição ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mais R$ 5 de Imposto sobre Serviços (ISS), no caso de prestadores de serviço, ou R$ 1 de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços, no caso de atividades ligadas ao comércio e à indústria. O carnê é emitido por meio do Portal do Empreendedor.


governador_almoco_empresarios_foto_Gabriel_Jabur-640x427.jpg

Ricardo Callado01/12/20172min

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, participou nesta sexta-feira (1º) de debate com representantes do setor atacadista. No Encontro Empresarial 2017, organizado pelo Sindicato do Comércio Atacadista do DF (Sindiatacadista) em um restaurante no Setor de Clubes Sul, eles discutiram oportunidades e desafios para a área.

Os temas foram divididos em quatro áreas: desenvolvimento, situação tributária, política e economia. Os empresários apresentaram demandas, como a criação de um polo atacadista no DF.

“Brasília tem vocação para ser um grande polo atacadista. Para isso, precisamos ter áreas e outros instrumentos”, disse o governador. Ele acrescentou que determinou à Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) e à Secretaria de Economia, Desenvolvimento, Inovação, Ciência e Tecnologia que identifiquem possíveis espaços que possam ser colocados à disposição do setor produtivo.

Rollemberg ainda destacou medidas que o governo tem tomado para garantir o desenvolvimento econômico do Distrito Federal, como a lei que permite ao DF conceder a organizações incentivos fiscais similares aos oferecidos por outras unidades da Federação.

“Sinto que estamos iniciando um novo momento na economia da cidade, que vai garantir a criação de empregos e de renda.”


afif.jpg

Ricardo Callado01/12/20173min

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o secretário estadual de Cultura de São Paulo, José Luiz Penna, e o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Guilherme Afif Domingos, acertaram nesta quinta (30) uma parceria para capacitação de profissionais da cultura, com cursos de gestão na área e ações de economia criativa.

A reunião ocorreu no recém-restaurado Palácio dos Campos Elísios, no centro de São Paulo, antiga sede do governo estadual e que foi concedido ao Sebrae. No local irá funcionar um Centro de Referência em Empreendedorismo, Tecnologia e Economia Criativa e também um espaço cultural.

“Este cluster [aglomerado de empresas que vai funcionar no Palácio] terá, basicamente, ações de capacitação de gestores, executivos e empreendedores em economia criativa e também será uma incubadora e aceleradora de empresas sobretudo startups no âmbito da economia criativa”, disse Sá Leitão.

Segundo o ministro, durante a reunião de hoje ficou definida a criação de um comitê gestor, formado pelas três instituições e pela sociedade civil, que “vai desenhar o projeto executivo do cluster [aglomerado de empresas] de economia criativa que vai surgir neste espaço”. O colegiado deve começar a funcionar no começo de 2018.

De acordo com Afif, o palácio vai destinar uma área para a economia de cultura ou criativa. “Por isso as startups poderiam conviver aqui nesse espaço em um coworking [espaço coletivo de trabalho], trabalhando e criando juntas para ser um centro explosivo de criação”, disse. “Por outro lado, o Sebrae, na área de cultura, vai se especializar formando gente para administração do processo de cultura, que é a nossa especialidade, a qualificação de gestores”, acrescentou.

Crowfunding na Lei Rouanet

Durante a reunião, Sá Leitão informou que o ministério estuda incluir o crowdfunding (financiamento coletivo) na Lei Rouanet. “Essa é uma das iniciativas que queremos introduzir na Lei Rouanet. Isso precisa ser feito por meio de uma mudança na lei, mas é um dos nossos focos. Fizemos agora a revisão da instrução normativa da Lei Rouanet. Partiremos para fazer a revisão do decreto de regulamentação e, em seguida, da própria Lei Federal de Incentivo à Cultura, em que iremos introduzir a possibilidade de uso de incentivo fiscal para projetos de crowdfunding”.

Segundo o ministro, a medida será “um estímulo para que mais pessoas participem de iniciativas de financiamento coletivo de projetos culturais”.


economia-solidaria-rollemberg-tony-winston-1024x683-1024x683.jpg

Ricardo Callado31/08/20174min

Espaço foi inaugurado nesta quinta-feira (31) pelo governador Rodrigo Rollemberg e funcionará de segunda a sexta-feira, das 9 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas

Foi inaugurado nesta quinta-feira (31) o Centro de Economia Popular e Solidária. A unidade fica na antiga Galeria do Trabalhador, ao lado do shopping Conjunto Nacional, e funcionará de segunda a sexta-feira, das 9 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas.

O local contribuirá para integrar o segmento, potencializar o crescimento da economia solidária como alternativa social e econômica e fazer o Cadastro Nacional de Empreendimentos Econômicos Solidários e Comércio Justo (Cadsol).

Interessados também poderão ir até a unidade para ter orientação e mais informações sobre o assunto e sobre programas como o Prospera, que neste ano já financiou mais de R$ 5 milhões para microempreendedores urbanos e rurais.

“Em um momento de crise econômica como este, milhares de pessoas sobrevivem da economia solidária. Ter um centro de formação e de comercialização desses produtos vai contribuir para produzir renda e criar empregos”, disse o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg.

O espaço — primeiro desse tipo no DF — é de responsabilidade da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direito Humanos.

Na cerimônia desta manhã, o chefe do Executivo local também assinou decreto que institui o Conselho Distrital de Economia Popular e Solidária do DF — órgão colegiado de caráter consultivo e deliberativo vinculado à Secretaria do Trabalho.

A norma ainda transfere as atribuições da economia solidária, previstas na Lei nº 4.899, de 2012, à pasta.

O governador ressaltou algumas outras ações do governo de estímulo à economia solidária, como:

  • Contratar quatro cooperativas de catadores de materiais recicláveis para fazer a coleta seletiva em quatro regiões administrativas
  • Pagar por tonelada de lixo separado para cadastrados nessas entidades
  • Promover programas de qualificação profissional na Fábrica Social

Ao ressaltar a queda consecutiva do desemprego no DF e como o segmento pode contribuir com essa estatística, o secretário do Trabalho, Gutemberg Gomes, destacou: “Esse centro é um marco, tira da invisibilidade nossos colaboradores que fazem a economia solidária”.

O secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour, reforçou que a unidade inaugurada hoje era uma demanda do segmento, assim como o decreto. “Temos poucos centros desse no País, e a ideia é que esse seja referência para os demais.”

Artesã da Rede Pequi e representante dos artesãos presentes, Patrícia Almeida discursou sobre a importância da nova unidade. “Essa é uma conquista que esperávamos há muito tempo”, disse.

Outra função do centro será, por meio de feiras, servir de espaço de incentivo e apoio à comercialização dos produtos feitos pelos empreendimentos econômicos solidários.

Um exemplo é o Circuito Ecosol, cujo calendário de atividades para os próximos quatro meses está definido. O evento ocorrerá em 14 e 15 de setembro; 9 e 10 de outubro; 9 e 10 de novembro; e 7, 8, 14, 15, 21 e 22 de dezembro.


Brasília-em-3-dias-com-crianças.jpg

Ricardo Callado14/08/20175min

Por Ricardo Caldas

A sanção do Projeto de Lei Complementar nº 160 pelo presidente da República, Michel Temer, é uma vitória que extrapola o âmbito empresarial. Não é exagero dizer que a qualidade de vida dos brasilienses é diretamente afetada pela equiparação dos impostos na Região Centro-Oeste. A visão neste aspecto tem que ser macro e estratégica. É preciso compreender todo o processo pelo qual a cadeia produtiva passa até que os itens sejam disponibilizados para compra.

Há mais de uma década, o Distrito Federal é considerado hub para todo o Brasil. A Capital da República, além de ostentar a credibilidade de ser a sede dos Poderes (possibilitando negócios também com o governo), é um polo empresarial pela facilidade de acesso – seja de investidores nacionais ou internacionais.

O Aeroporto Juscelino Kubitscheck é o terceiro mais movimentado do país. A localização privilegiada é um dos pontos chaves para os negócios. Por muitos anos, as grandes empresas se concentraram em São Paulo e Rio de Janeiro por conta na quantidade de voos que saem desses estados. As viagens “bate e volta’ são praticamente rotinas das companhias.

Um dos empecilhos que embarreirava a entrada do DF nessa escala é a resistência dos empreendedores em despender mais recursos com impostos. Em comparação as cidades vizinhas, do Goiás, por exemplo, a diferença de tributos chega a 3%. O percentual em grande volume faz diferença sim.

Ao longo dos anos, e por conta de um trabalho de convencimento delicado, os empresários de Brasília enxergaram a necessidade de empreender na cidade natal, privilegiar a população local com os benefícios da instalação das marcas na região, mas acabaram sendo levados pelas oportunidades financeiramente mais vantajosas.

Por conta desse impasse, centenas de empresas levaram milhares de postos de trabalho para outras cidades. As que ficaram, precisaram aumentar os preços dos produtos para compensar o que lhe era cobrado a mais.

Itens mais caros, falta de emprego, queda no poder de compra, circulação de mercadorias e de dinheiro em baixa. Esse é o cenário ideal para o caos econômico e consequente queda da qualidade de vida das pessoas.

A competição com o setor público torna ainda mais distante o sucesso do empreendedor, não só pela disputa por mão de obra qualificada, mas pelo estigma de que a matriz econômica do DF é quase exclusiva de serviços públicos.

Existe ainda um longo caminho para que o ambiente de negócios em Brasília se torne ideal. A desoneração fiscal é apenas um incentivo que começará a chamar a atenção da iniciativa privada. Outras questões deverão ser abordadas junto ao Poder Público. É o caso, por exemplo, do valor dos imóveis, investimentos em inovação, apropriação da matéria prima local, tratamento da imagem nacional e internacional e uma série de outros fatores.

A Indústria, no entanto, é otimista. É notório que a atual conjuntura econômica tem colaborado no convencimento do governo de que a iniciativa privada é aliada e não inimiga. A atratividade proposta pela iniciativa da Lei Complementar nº 160 é um facilitador para que os demais aspectos tenham possibilidade de mudanças.

A população precisa compreender que os incentivos dados ao empresariado são revertidos em benefícios coletivos. E o governo, que esta é a saída para fugir da margem tão rente ao descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal.


Ricardo de Figueiredo Caldas é presidente do Sinfor – DF. Engenheiro e Mestre em Engenharia Elétrica pela UnB. Fundador da Telemikro SA.

 


micro.jpg

Ricardo Callado02/08/20174min

Cerca de seis em cada 10 micro e pequenos empresários (59%) acreditam que a economia piorou nos últimos seis meses, aponta pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O dado faz parte do indicador que mede a confiança do empresariado de comércio e serviços. Ele é composto por percepções relacionadas ao último semestre – Indicador de Condições Gerais – e também de projeções dos próximos seis meses – Indicador de Expectativas.

Na composição geral, que considera os dois indicadores, houve melhora no índice. O Indicador de Confiança da Micro e Pequena Empresa chegou a 49 pontos, um acréscimo de 2,1 pontos percentuais na comparação com junho. Apesar da alta, no entanto, a pontuação segue em patamar de desconfiança com os negócios. O indicador varia de zero a 100, sendo que acima de 50 pontos reflete confiança. Em relação a julho do ano passado, a alta é de 4,3 pontos percentuais.

Na avaliação do presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a oscilação positiva mostra que a “tímida melhora do cenário econômico, com a queda da inflação e das taxas de juros, pode em alguma medida criar boas expectativas no empresariado”. Ele acrescenta, como mecanismos que contribuem para “injetar ânimo” nas empresas, a liberação dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a recuperação do crédito no primeiro semestre. “Impediram, por ora, que as incertezas políticas tivessem impacto maior na confiança”, avaliou Pinheiro.

Composição

O Indicador de Condições Gerais subiu de 32,2 pontos em junho para 37,3 pontos em julho deste ano. No mesmo mês do ano passado, o índice estava em 25,5 pontos. Segundo o SPC Brasil e a CNDL, a pontuação “permanece abaixo do nível neutro de 50 pontos, significa que para a maioria dos micro e pequenos empresários a situação econômica do país e de suas empresas vem piorando com o passar do tempo, embora em ritmo menos acelerado como no auge da crise”.

De acordo com as entidades responsáveis pela sondagem, a queda nas vendas é o sintoma mais perceptível para os que relatam piora nos negócios, tendo sido citada por 70% dos empresários. O aumento dos preços aparece em segundo lugar (14%) , “mesmo com a inflação bem controlada”, destacam os pesquisadores. O aumento da inadimplência como causa dos problemas é citado por 5% dos micro e pequenos empresários consultados.

O Indicador de Expectativas, por sua vez, apresentou recuo de 0,2 ponto percentual, passando de 58 em junho para 57,8 pontos em julho. No mesmo mês do ano passado, o índice maraca 59,1 pontos. “Desde o início da série, a avaliação acerca do passado tem ficado abaixo das expectativas para o futuro. Porém, com os resultados do último mês, a diferença entre os dois componentes do Indicador de Confiança reduziu-se ao seu menor valor”, diz nota de divulgação da pesquisa.

O levantamento mostra que 37% dos micro e pequenos empresários estão confiantes no futuro da economia. Os pessimistas somam 26%. Quando essa análise considera apenas a realidade da própria empresa do entrevistado, o índice chega a 55%. Os que manifestaram uma expectativa pessimista ao futuro dos seus negócios totaliza 15%.


prospera-carta-credito-ivania-neves-denio-simoes-1024x683-1024x683.jpg

Ricardo Callado19/07/20177min

Comércio lidera o número de operações contratadas pelo programa

Com 359 microempreendedores urbanos e rurais beneficiados, o Prospera acumula, desde o início do ano, R$ 4.048.254,96 em cartas de microcrédito. Ivânia Fernandes de Castro Neves, de 42 anos, está entre os que investirão na melhoria do próprio negócio. A carta por ela recebida é uma das 54 distribuídas nesta semana, no valor total de R$ 538.113,64.

Esse, que é o nono lote, traz R$ 341.574,53 para 42 microempreendedores urbanos e R$ 196.539,11 para 12 rurais. A entrega das urbanas ocorreu na manhã desta terça-feira (18), no Setor Comercial Sul, no auditório da Secretaria Adjunta do Trabalho, da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

Ivânia tem uma mercearia no Assentamento Bentinho, em Brazlândia, há três anos, e essa foi a segunda vez que pegou carta de crédito pelo Prospera. A primeira ocorreu em 2013, quando trabalhava com revenda de cosméticos.

O valor obtido será utilizado como capital de giro. “Minha intenção é comprar à vista e comprar mais barato”, explicou Ivânia, que estava acompanhada do marido, Jozias dos Santos Neves Souza, de 47 anos. “Os juros são bem mais em conta”, destacou ele, que é agricultor e já recorreu ao programa há cerca de cinco anos.

Comércio lidera o número de operações contratadas

De acordo com a Secretaria Adjunta do Trabalho, a meta é investir R$ 11 milhões neste ano. Até o momento, balanço da pasta aponta que, dos R$ 4 milhões já liberados, R$ 2,5 milhões foram para a área urbana e R$ 1,4, para a rural.

Por atividade, o comércio aparece com o maior número de operações contratadas: 173, seguido pela agricultura (79) e por serviços (64). Por gênero, 184 tomadores de crédito são do sexo feminino, e 175, masculino.

No auditório praticamente cheio durante a entrega das cartas de hoje, a maioria buscava o Prospera pela primeira vez. “É motivo de alegria saber que novas pessoas estão fazendo uso do programa”, ressaltou o secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour.

Entre muitos novatos, estava a veterana Maria das Graças Andrade Fernandes, de 52 anos, que já perdeu as contas de quantas vezes pegou o microcrédito produtivo orientado. Acredita que seja a oitava ou décima vez.

“Só tivemos crescimento ao longo desses 12 anos”, contou ela, sobre o tempo que está no ramo de armarinho, papelaria e venda de cosméticos.  “Se fôssemos trabalhar para os outros, na idade em que estou, que meu esposo está, a gente não conseguiria emprego. Lá é um emprego garantido para mim e para ele, e ainda pago uma funcionária para ajudar em casa, crio uma renda para outra pessoa”, completou.

O que é o Prospera

É um programa de microcrédito produtivo orientado da Secretaria do Trabalho, desenvolvido com o apoio do Banco de Brasília (BRB) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF).

O alcance é voltado para empreendedores urbanos do setor informal (autônomos), micro ou pequenas empresas, artesãos, cooperativas de trabalho e produção individual. Na área rural, o apoio vai para cooperativas e produtores familiares.

Os recursos saem do Fundo de Geração de Emprego e Renda do DF, e não há cobrança de taxa de abertura de crédito, de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) ou outros tributos.

Duas cartilhas produzidas pela Secretaria do Trabalho (uma para o público urbano e outra para o rural) auxiliam com mais informações sobre o programa.

Como solicitar o Prospera

Todas as agências do trabalhador podem auxiliar com informações, mas os pedidos de crédito do Prospera são feitos nas unidades do Plano Piloto (Setor Comercial Sul, Quadra 6, Lotes 10 e 11) e de Taguatinga (Avenida das Palmeiras, Quadra C4, Lote 3).

O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas.

No caso da área rural, deve-se procurar um dos postos da Emater-DF, que também atendem de segunda a sexta. O horário é diferente: das 8 horas ao meio-dia e das 13 às 17 horas.

Pedidos de crédito do Prospera DF

Para a área urbana

Nas Agências do Trabalhador do Plano Piloto (SCS, Quadra 6, Lotes 10 e 11) e de Taguatinga (Avenida das Palmeiras, Quadra C4, Lote 3)

De segunda a sexta-feira

Das 8 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas

 

Para a área rural

Nas unidades da Emater-DF

De segunda a sexta-feira

Das 8 horas ao meio-dia e das 13 às 17 horas


Balada-Teen.png

Ricardo Callado29/05/201710min

Nos dias 30 de junho e 1º de julho, a capital será invadida por atividades que despertarão as mais diversas expertises dos adolescentes

Um projeto para despertar nos jovens o feeling empreendedor e impulsioná-los em um mercado que não possui fronteiras. Este é o objetivo do Balada Teen Brasil, uma proposta recheada de ações que vai movimentar Brasília (DF). O start do projeto já tem data marcada! Nos dias 30 de junho e 1º de julho, será realizado o Teen Day Brasília, na Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC). Idealizado pela master coach e empresária Silvia Folha, o evento vai trazer um roteiro cheio de diversão, criatividade, tecnologia e motivação.

A programação será constituída de atividades que possam explorar as habilidades do jovens e trabalhar com a inteligência emocional para quem busca o foco  e a determinação. Além disso, o evento inclui atrações de dança, música, apresentação teatral, robótica, além de uma grande área gastronômica, com foodtrucks, que será aberta ao público. O time de palestrantes é composto por grandes craques da nova era tecnológica.

Veja a programação completa:

30 de junho

No dia 30 de junho, o evento começa com uma competição de games de arrepiar! A ideia é que os participantes virem a noite no duelo virtual.

1º de julho 

Já no dia 1º de julho, será tempo de aprender ! Os jovens poderão participar de várias atividades que envolverão interatividade, tecnologia e empreendedorismo. Davi Braga, o empreendedor mais jovem do Brasil; a youtuber Flávia Pavanelli; o mágico Beto Alencar; o game design Alex Leal;  o youtuber de games Zangado; e o fundador da Behold Studio completam o time de convidados do Teen Day Brasília. Já a parte musical ficará por conta das cantoras Bell Lins, Brícia Helen e Luísa Costa artistas que brilharam no programa da TV Globo, The Voice Brasil.  O humor inteligente ficará por conta da Companhia de Teatro Sete Belos, que há 12 anos, traz uma comédia versátil, com aguçado senso de improvisação e muita interatividade. Entre outras atrações do dia, também é destaque o “Conectando Gerações”, um momento cheio de música, teatro e competições de games para que as famílias possam interagir e criar momentos de descontração e bate papo.

Davi Braga, o empreendedor mais jovem do Brasil 

Entre as atrações, está a palestra de Davi Braga, 16 anos. Considerado o empreendedor mais jovem do Brasil, aos 13 anos, ele elaborou um aplicativo de celular para a venda de material escolar de forma on line. Só no primeiro ano da criação, Davi faturou mais de R$ 100 mil. De lá para cá, ele não parou mais. O projeto mais recente foi a participação no programa Shark Tank Brasil, do canal Sony Brasil. Uma versão brasileira do reality show norte-americano, com investidores interessados em dar apoio financeiro aos empreendedores com as melhores ideias. Davi roubou a cena pela sua pouca idade e pelo profundo conhecimento que tinha de seu negócio. “Eu estudo, eu paquero , eu me divirto e faço tudo que um adolescente da minha idade faz e ainda dá tempo de empreender. Você vai falhar várias vezes , mas não desista , assim como eu você vai conseguir”,  afirma o jovem.

Youtuber Flávia Pavanelli 

O time ainda conta com a youtuber Flávia Pavanelli, 19 anos. Um símbolo de referência online no universo feminino, ditando tendências e dando dicas aos seus seguidores e fãs que já somam mais de três milhões. A blogueira, considerada uma das mais influentes do país, começou a carreira aos 14 anos e, há dois anos, vem se destacando no mundo dos formadores de opinião. Carismática, ela consegue abordar os principais temas do mundo teen de forma divertida e inteligente.

Mágico Beto Alencar

Para completar o time, temos Beto Alencar. Mágico há 10 anos, ele é humorista de Stand Up Comedy e trabalha com Comedy Magic. Beto ainda é ator já dividiu palco com estrelas como Murilo Gun

Jornalista e game design Alex Leal 

Já o jornalista Alex Leal, colunista de tecnologia da Band News FM, vai conversar com os jovens sobre “como ser um desenvolvedor de game”. Profissional na área de comunicação, arte e tecnologia desde 1991, ele é o criador da Lizards Games. Além disso, é game design, game developer, animador, modelador 3D e ilustrador.

Empresário Saulo Camarotti

Formado em Ciência da Computação pela Universidade de Brasília, fundou a Behold Studios, pequeno estúdio de desenvolvimento de jogos com ampla representatividade no mundo. A Behold é a criadora do premiado Knights of Pen & Paper, que recebeu um dos maiores prêmios de jogos independentes do mundo, no Independent Games Festival 2013.

Youtuber Zangado, o “mascarado”

Engenheiro Civil, Thiago “Zangado” não revela o sobrenome e mantém anonimato com máscara. Para conseguir manter sua vida pessoal reservada, apesar da grande exposição que tem (o canal de Zangado tem mais de 3,3 milhões de fãs), o youtuber adotou uma máscara, companheira inseparável em sua carreira. Zangado cria vídeos sobre games para o YouTube e está entre os mais populares do Brasil. E como alcançar o sucesso e a proximidade de seus fãs mantendo esse sigilo? Zangado tem a receita: ouvir o público e falar sobre o que entende.

Conheça um pouco mais da programação! 

E não para por aí. Os jovens ganharão a oportunidade de conhecer o empreendedorismo internacional com o Teen Travel Disney, uma viagem que será sorteada aos participantes do Teen Day Brasília, incluindo 10 dias de um tour aos bastidores da Disney, Orlando City e restaurantes com características empreendedoras, além de uma palestra sobre educação financeira. O Balada Teen Brasil ainda inclui outra vertente-  o Balada Teen Mentory Brasília, um programa de três meses de mentoria individual, com encontros presenciais ou online a cada 15 dias.

A idealizadora do projeto diz que a ideia surgiu após uma pesquisa de campo realizada com cerca de mil pessoas. Em todos os questionamentos, a maioria dizia-se frustrada com as escolhas do futuro ou, quando adolescentes, inseguros sobre qual  caminho seguir. “E o meu ponta pé inicial foi dado quando lembrei de quando eu era adolescente e de como gostaria de ter alguém me ajudando a escolher um caminho e não fazendo disso uma imposição ou consequência da minha classe social. E nada mais desafiador e engrandecedor que o mundo do empreendedorismo. Um mercado que não possui fronteiras onde a criatividade é o grande start para o sucesso”, lembra Silvia.

Assim como o Pedro, de 19 anos, aluno de Administração do UniCeub, que está super feliz estudando Games, outros jovens podem descobrir sobre onde querem chegar. Explorar seus sonhos e ideias mostrando que é possível, sim, tirá-los do papel com confiança e credibilidade. “A criatividade é a chave para o sucesso. O Balada Teen Brasil é um projeto que possui o objetivo de mostrar aos jovens que eles podem mais do que se é imposto, trazendo cases de sucesso de quem apostou em suas ideias, além de técnicas e ferramentas para saber lidar e organizar a criatividade que floresce nessa época da vida tornando-a produtiva e uma porta para o sucesso”, ressalta Silvia Folha.

Em tempos de crise, o futuro das novas gerações é algo incerto e cada vez mais preocupante. Buscar alternativas socioeconômicas é um dever da sociedade. E o Balada Teen vem para mostrar que os adolescentes têm o poder de transformar o futuro a partir de suas inovações e criatividade.


prospera-santo-bispo-reis-denio-simoes-agencia-brasilia-1024x683-1024x683.jpg

Ricardo Callado03/05/20177min
Santo Bispo dos Reis, de 68 anos, trabalha com recicláveis e nesta terça-feira (2) obteve a 11ª carta de crédito do Prospera. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Nos quatro primeiros lotes de 2017, foram 114 contratos. Entre eles, o de Santo Bispo dos Reis, um dos 12 com mais de 60 anos a pegar cartas de crédito do programa

Com mais de R$ 1,2 milhão em cartas de crédito já entregues, o Prospera soma agora 114 contratos nos quatro primeiros lotes de 2017. Do total, 63 foram para mulheres e 51, para homens.

Os dados são da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, que este ano incluiu mais itens na lista que traça o perfil dos tomadores de microcrédito produtivo.

A partir de agora, é possível saber, por exemplo, a faixa etária dos microempreendedores, que são divididos em três classificações. Os jovens, de 18 a 29 anos, somam 21 beneficiados. Os adultos, de 30 a 59 anos, são 81.

Já o grupo dos idosos, que abrange aqueles acima de 60 anos, conta com 12 tomadores até o momento. Entre eles está Santo Bispo dos Reis, de 68 anos, que nesta terça-feira (2) obteve a 11ª carta de crédito por meio do Prospera.

Ele, que trabalha com compra e venda de recicláveis, usará o microcrédito para adquirir material para a atividade, como alumínio e vidro. “Não é lixo, é uma fonte de renda”, contou Santo, em meio a pilhas de garrafas, no espaço que mantém dedicado a esse tipo de negócio.

Estabelecido no Paranoá, ele trabalha sozinho. Todavia, mais de 200 pessoas dependem do serviço, entre as quais comerciantes e as famílias que juntam os materiais para lhe vender.

Assíduo nos pagamentos, Santo detalha que quitou antecipadamente as parcelas da última carta obtida. O que o faz permanecer no programa, diz, são as baixas taxas de juros.

No campo, as taxas são de 2% ao ano para custeio e de 3% para investimento. Na cidade, o índice é de aproximadamente 0,7% ao mês para capital de giro e para investimento.

“(Santo) é um exemplo de que o programa é um sucesso. Ele poderia buscar (financiamento) em outras praças, mas continua pagando em dia, ou antecipando, para continuar tendo a possibilidade de pegar crédito a um custo muito barato”, disse o subsecretário de Microcrédito e Empreendedorismo, João Carlos Martins Neto.

O subsecretário entregou as cartas de microcrédito nesta terça-feira (2), no auditório da Secretaria Adjunta do Trabalho, no Setor Comercial Sul.

Neste lote, são 27 cartas urbanas, no valor de R$ 272.624,72 e 5 rurais, que totalizam R$ 49.295,10. De acordo com João Carlos, são estudadas novidades para o programa, como cursos e distribuição de cartilha de educação financeira.

O que é

É um programa de microcrédito produtivo orientado da Secretaria do Trabalho, desenvolvido com o apoio do Banco de Brasília (BRB) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF).

O alcance é voltado para empreendedores urbanos do setor informal (autônomos), micro ou pequenas empresas, artesãos, cooperativas de trabalho e produção individual. Na área rural, o apoio vai para cooperativas e produtores familiares.

Os recursos saem do Fundo de Geração de Emprego e Renda do DF, e não há cobrança de taxa de abertura de crédito, de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) ou outros tributos.

Duas cartilhas produzidas pela Secretaria do Trabalho (uma para público urbano e outra para o público rural) trazem mais informações sobre o programa.

Como solicitar

Todas as agências do trabalhador podem auxiliar com informações, mas os pedidos de crédito são feitos nas unidades do Plano Piloto (Setor Comercial Sul, Quadra 6, Lotes 10 e 11) e de Taguatinga (Avenida das Palmeiras, Quadra C4, Lote 3).

Essas duas unidades centralizam a operação do programa de microcrédito do governo de Brasília. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia, e das 14 às 18 horas.

No caso da área rural, deve-se procurar um dos postos da Emater-DF. O atendimento também é de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia, e das 13 às 17 horas.

Pedidos de crédito do Prospera DF

Para a área urbana

Nas Agências do Trabalhador do Plano Piloto (SCS, Quadra 6, Lotes 10 e 11) e de Taguatinga (Avenida das Palmeiras, Quadra C4, Lote 3)

De segunda a sexta-feira

Das 8 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas

Para a área rural

Nas unidades da Emater-DF

De segunda a sexta-feira

Das 8 horas ao meio-dia e das 13 às 17 horas


Rodrigo-de-Oliveira-Sá.jpg

Ricardo Callado02/05/20171min

É o primeiro funcionário de carreira a assumir o cargo de superintendente

Por Eldo Gomes- O Conselho Deliberativo do Sebrae no Distrito Federal elegeu o novo diretor- superintendente da instituição, Rodrigo de Oliveira Sá, que assume o cargo até o final de 2018. Ele substitui Antônio Valdir Oliveira Filho, que deixou o cargo para assumir a Secretaria de Estado de Economia e Desenvolvimento Sustentável de Brasília.

Rodrigo Sá é o primeiro funcionário de carreira a assumir o cargo de superintendente do Sebrae no DF. O economista iniciou sua trajetória na instituição em 1984 e já exerceu funções de técnico, consultor empresarial, gerente administrativo e financeiro e da Unidade de Atendimento Coletivo de Comércio e Serviços (UACS).

Em 2009, assumiu a Diretoria Técnica da casa e, em 2010, foi reeleito para o cargo no quadriênio 2011-2014. Em 2015, foi nomeado secretário adjunto de Estado de Turismo do Distrito Federal, retornando ao Sebrae DF para exercer o cargo de gerente da Unidade de Gestão Estratégica, em abril de 2016.



Sobre o Blog

Aos 14 anos, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar



Enquete
Qual o melhor critério para escolha dos administradores regionais: