Autor: Callado
Os novos equipamentos vão ampliar a capacidade de exames e garantir resultados mais precisos | Foto: Divulgação / SES

hospital-base-gabriel-jabur-agencia-brasilia-1024x683.jpg

Callado4 de abril de 20203min

Aparelhos são usados para tratamento para auxiliar no tratamento de casos graves da Covid-19

Peças de ventiladores pulmonares que são utilizadas para tratar pacientes com Covid-19 poderão ser fabricadas em impressora 3D, em breve, pela Universidade de Brasília (UnB), em parceria com o Instituto de Gestão Estratégica de de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF). A meta é garantir a disponibilidade dessas peças, que precisam ser substituídas periodicamente.

Nesta sexta-feira (3), foi entregue a primeira prova dos materiais fabricados em impressora 3D. Inicialmente, foram reproduzidos em estudo os conectores e as válvulas, fundamentais para o funcionamento dos ventiladores mecânicos.

“Eles receberam um modelo de peças já utilizadas no Hospital de Base. Agora, vamos realizar testes pré-clínicos para verificar se o padrão está de acordo com o modelo utilizado usualmente. A ideia é que essa seja uma segunda alternativa para garantir esses insumos”, disse o diretor de Inovação, Pesquisa e Ensino do Iges-DF, Everton Macêdo.

O professor Olexiy Shynkarenko, da Faculdade de Engenharia do Gama, explicou que a UnB dispõe de várias impressoras 3D, mas também poderão ser usadas outras, particulares, de pessoas que têm interesse nessa fabricação.

Foram avaliados dois tipos de matéria para reprodução das peças, mas também poderão ser trabalhados outros materiais biocompatíveis com os equipamentos médicos.

“Temos muitas pessoas envolvidas nesse projeto, metade de 50% dos alunos e a outra de professores. Trabalhamos numa equipe que desenvolve vários materiais”, ressaltou o professor.

A  Três Eixos, que já atua com impressões 3D, também contribuirá voluntariamente com a expertise nessa área. “Nós vamos auxiliar com o conhecimento na produção das peças, em como viabilizar essa produção de forma mais eficiente”, contou o sócio-fundador da empresa, Rodrigo Franco.


Tomógrafos.jpg

Callado4 de abril de 20205min
Os novos equipamentos vão ampliar a capacidade de exames e garantir resultados mais precisos | Foto: Divulgação / SES

Secretaria de Saúde investiu R$ 13,5 milhões na aquisição desses equipamentos, que permitirão maior agilidade e resultados mais precisos nos exames

Três tomógrafos e três aparelhos de raios-X telecomandados, de última geração, foram adquiridos pela Secretaria de Saúde (SES), ao custo total de R$ 13,5 milhões.  Os equipamentos já começaram a ser instalados nos hospitais do Gama, Taguatinga, Paranoá, Asa Norte e Materno Infantil de Brasília. A previsão inicial é que estejam à disposição da população no início do segundo semestre deste ano, para ofertar mais exames.

A estimativa dos gestores é que os hospitais que receberem os tomógrafos aumentem a capacidade média dos serviços para até 400 atendimentos por mês. No caso dos raios-X telecomandados, podem ofertar até 100 atendimentos mensais. Esse último equipamento é diferente do convencional, pois processa exames específicos, com necessidade de preparos especiais na pré-realização, tendo alta definição das imagens.

“Há mais de 15 anos não se fazia investimento para esses aparelhos”, informa o secretário de Saúde, Francisco Araújo. “Agora, a população e os profissionais de saúde terão acesso a equipamentos de última geração e alta tecnologia. É um ganho de qualidade, tanto para a rede quanto para os pacientes.”

“Há mais de 15 anos não se fazia investimento para esses aparelhos. Agora, a população e os profissionais de saúde terão acesso a equipamentos de última geração e alta tecnologia”Francisco Araújo, secretário de Saúde

“Estamos ampliando o parque tecnológico da Secretaria de Saúde”, complementa o gerente de Física Médica da Subsecretaria de Infraestrutura, Marcélio Ribeiro. “O objetivo é aumentar a gama de exames disponíveis e diminuir a fila de espera”. Ele lembra que, a partir dessa aquisição, será possível entregar resultados mais precisos e confiáveis.

Instalações
No momento, as instalações estão mais avançadas no Hospital Regional do Gama (HRG). No local, já foram feitas as adequações necessárias para receber o novo tomógrafo, faltando apenas finalizar a montagem e capacitar a equipe técnica na utilização do equipamento.

O Núcleo de Radiologia do HRG já possui um aparelho desse tipo. Com o reforço de outro mais moderno, a equipe, formada por médicos e técnicos de radiologia, espera atender o maior número possível de pessoas, oferecendo novos tipos de exames.

“Esse é um equipamento superior ao que temos atualmente no hospital”, ressalta a chefe do Núcleo de Radiologia do Hospital do Gama, Tatiana Monteiro. “Possibilitará a realização de angiotomografias, para visualizar as artérias e veias do corpo e diagnosticar problemas no sistema circulatório. Quando a equipe estiver capacitada, será um grande benefício.”

Adequações

O processo de instalação também está a todo vapor no Hospital Regional de Taguatinga (HRT). O local tem passado por adequações para comportar o novo aparelho de raios-X telecomandado. Ajustes na estrutura física e nas redes elétrica, lógica e de refrigeração estão sendo feitos em uma sala localizada no núcleo de radiologia, que receberá o equipamento.

O mesmo processo começou no Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib), que também receberá um equipamento de raios-X telecomandado de última geração. O aparelho já chegou à unidade e aguarda, selado, em caixas, até o início da instalação. Da mesma forma, o Hospital da Região Leste (HRL, antigo hospital do Paranoá) receberá um tomógrafo nos próximos dias.

O Hospital Regional da Asa Norte (Hran) será a única unidade a receber dois equipamentos: tomógrafo e raios-X por sistema de telecomando. Como o hospital é referência para o atendimento a pacientes com a Covid-19, a demanda tem aumentado exponencialmente.


Coronavírus--1280x720.jpg

Callado3 de abril de 20203min

Parceria entre a empresa e o BIOTIC vai permitir mais máscaras cirúrgicas e um sistema para auxiliar no diagnóstico da doença

A partir da próxima segunda-feira (6), o Governo do Distrito Federal contará com o reforço de 12 mil máscaras cirúrgicas e um sistema de Inteligência Artificial capaz de produzir diagnóstico com imagens de tomografia computadorizada. Os materiais serão doados pela multinacional chinesa Huawei para auxiliar no combate à pandemia do coronavírus na capital do país. A parceria foi possibilitada a partir de negociações entre a multinacional e o BIOTIC S/A – Parque Tecnológico de Brasília.

As máscaras terão como destino o hospital de crise do DF que será montado no Estádio Mané Garrincha. Já o sistema de Inteligência Artificial ficará à disposição do GDF. O Governador Ibaneis Rocha destaca que, “nesse momento de grave crise, a Huwaei fortalece seus laços com o povo do Distrito Federal e nos ajuda com um gesto de suprema generosidade, revelando seu elevado compromisso social e seu destacado papel de utilizar a tecnologia para salvar vidas”.

Para o presidente do BIOTIC, Gustavo Dias Henrique, o momento requer união e parceria de todos, por isso, a empresa tem buscado soluções para ajudar de alguma forma na prevenção e no combate à COVID-19. “Cabe a cada um de nós, especialmente ao Parque Tecnológico, a busca de inovações em prol do combate à pandemia. Precisamos trabalhar juntos para atender aos anseios da sociedade”, ressalta.

Gustavo Dias Henrique destaca que a parceria entre a empresa e a multinacional chinesa teve início em junho do ano passado, quando foi firmado um acordo de cooperação para a implantação do primeiro ambiente de teste 5G permanente no Brasil. “Essa ação com a Huawei demonstra a força da nossa parceria neste momento, mas também quando ele passar, pois retomaremos o laboratório 5G e discutiremos as perspectivas para o futuro pós crise”, complementa o presidente do BIOTIC.

A parceria para a doação da próxima segunda-feira foi feita pelo BIOTIC, a partir do Comitê de Crise do Palácio do Buriti. Além dessa iniciativa, o GDF lançou, no mês passado, uma campanha de doações para ajudar no combate à COVID-19. O objetivo é que a população em geral contribua com as medidas de enfrentamento à disseminação do novo coronavírus na capital.


GDF_Coronavirus_BlogDoCallado_300x600.gif

Callado3 de abril de 20205min

O projeto piloto já está em andamento com o cadastro de 300 pessoas com 60 anos ou mais

O Governo do Distrito Federal oferecerá aos idosos que vivem em condições inadequadas acesso à moradia provisória em hotéis do DF durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), com a coordenação da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus). O projeto piloto já está em andamento com o cadastro de 300 pessoas com 60 anos ou mais que serão encaminhadas para o Brasília Palace. Os idosos serão recebidos com toda segurança e atenção. A Secretaria de Saúde realizará exames, testes e oferecerá cuidados médicos, garantindo a eficácia do isolamento.

A  ação “Hotelaria Solidária” faz parte do programa “Sua Vida Vale Muito”, desenvolvido pela Sejus para proteger a população idosa da Covid-19. A primeira-dama, Mayara Noronha Rocha, é madrinha dessa iniciativa, que conta com o apoio da Secretaria de Segurança Pública, responsável pelo cadastro dos idosos, e da Secretaria de Saúde, que fará o protocolo de triagem dos atendidos pelo programa.

De acordo com a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, o DF tem 14 mil idosos com moradia inadequada, identificados em levantamento feito pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) a pedido da Sejus. “São idosos que vivem sem condições de isolamento social dentro da própria casa”, explicou.

O objetivo é oferecer estratégias efetivas de distanciamento social para este público, considerado o mais vulnerável nesta pandemia do coronavírus.  No entanto, os idosos identificados não são obrigados a aderir à moradia temporária.

No projeto piloto, serão utilizados 150 apartamentos com serviços por três meses. Como se trata de uma parceria do GDF com a iniciativa privada, o governo pagará ao hotel uma tarifa solidária que não corresponde a diária cobrada de hóspedes.

Hotéis

A Sejus está em tratativa com a rede hoteleira para identificar outros estabelecimentos com interesse e condições de ingressar no programa. Segundo Marcela Passamani, poderão  participar os hotéis que estejam dispostos a abrigar exclusivamente esses idosos, ou seja, não podem ter outros hóspedes no local como forma de garantir o isolamento social desse público. Também deverão seguir os protocolos de saúde e segurança definidos pelo governo.

Adote um Idoso

Outra ação do programa  “Sua Vida Vale Muito” é a campanha “Adote um Idoso”, idealizada pela primeira-dama para mobilizar jovens e adultos a exercerem atividades do dia a dia para os idosos, como ir ao mercado e à farmácia. A ideia é dar condições para que eles não precisem sair de casa, principalmente os idosos que moram sozinhos, com outros idosos ou somente com crianças.

A iniciativa será executada em conjunto com a Sejus por meio do Programa Voluntariado em Ação, que será utilizado para estimular as pessoas a participarem do projeto. Os voluntários poderão se cadastrar no portal www.portaldovoluntariado.df.gov.br, que  já tem 26 mil inscritos.


estrada-rural.jpg

Callado3 de abril de 20204min

Gerenciado pela Seagri, o Polo Rural do programa conserta manilhas de escoamento que sofreram os impactos provocados pela chuva acima da média

Por Jéssica Antrunes

O Governo do Distrito Federal trabalha para recuperar prejuízos provocados pela intensidade das precipitações do período chuvoso na capital. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os índices se mantiveram acima da média em quatro dos últimos cinco meses. Gerenciado pela Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Seagri), o Polo Rural do GDF Presente ataca os principais problemas dessas áreas.

Uma delas é a Colônia Agrícola Aguilhada, em São Sebastião, à margem direita da BR-251. Ali, uma barragem quase se rompeu, ameaçando propriedades e a comunidade. “Nesta semana, junto com a administração regional, começamos o plano de ação para recuperar tanto a bacia quanto as estradas”, conta o titular da Seagri, Luciano Mendes.

O caso foi o primeiro atendimento realizado pela Administração Regional de São Sebastião partir do protocolo digital no órgão, para evitar que os moradores precisem se deslocar à sede para fazer solicitações de serviços em meio à pandemia. O administrador Alan Valim garante que todos os cuidados foram tomados, com sinalização do local e reuniões para definir as ações.

“Com a chuva muito forte, as três manilhas de escoamento não deram conta e a água transbordou. Passou por cima da estrada, houve desmoronamento e um vão de mais de dez metros de profundidade. É preciso fazer o desbarrancamento”, relata. Na próxima semana, os trabalhos serão concentrados na recuperação de contenção. Em seguida, as estradas serão reparadas.

Máquinas e pessoal à disposição
“Tivemos um ano atípico, com prorrogação das chuvas e com mais intensidade que a média. Nossas  estradas feitas com cascalho não têm resistido a esse fenômeno, que é natural. Por isso, estamos colocando nossas máquinas e equipes para recuperar, em parceria com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e a administração”, explica Luciano Mendes.

Por enquanto, a ação emergencial é concentrada nos pontos mais críticos em todo o DF: lugares onde as pessoas não conseguem transitar, com atoleiros. As ações são feitas com recursos e maquinários próprios. Moradores de áreas com grandes danos podem solicitar atendimento pela ouvidoria do GDF, no telefone 162. “Na hora que a estiagem chegar, vamos recupera todo o conjunto de estradas rurais”, diz.

Heráclio Alves, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), revela que o atual período chuvoso, contabilizado de novembro de 2019 a março de 2020, foi mais intenso que o anterior. Agora, abril marca o início do período mais seco. “Ainda pode ter chuvas, mas a tendência é passar longos períodos sem, com temperatura elevada”, avisa.


3.4.-Marcela-Passamani-secretária-de-Justiça-e-Cidadania..jpeg

Callado3 de abril de 202012min
(Foto: Divulgação / José Vieira)

A secretária de Justiça e Cidadania fala sobre as ações que, empreendidas por sua pasta, ganham destaque especialmente durante a crise ocasionada pelo coronavírus

Advogada especialista em direito processual civil e pós-graduada em arquitetura, Marcela Passamani assumiu recentemente a Secretaria de Justiça e Cidadania do Distrito Federal (Sejus-DF), integrando-se às forças de apoio ao governador Ibaneis Rocha nas ações dessa importante área do GDF. A atuação da Sejus nesse momento tem sido fundamental para conter a proliferação do coronavírus (Covid-19) e o agravamento da crise enfrentada nessa pandemia.

Em conversa com a Agência Brasília, Marcela Passamani fala mais sobre o trabalho que a Sejus vem desenvolvendo e que, desde o início de sua gestão, tem apresentado excelentes resultados. Confira, abaixo, os principais trechos da entrevista.

Secretária, como foi assumir o cargo diante desta pandemia do coronavírus?  Como a Sejus tem atuado para ajudar a população?

Assumimos a pasta em meio ao turbilhão mundial de uma pandemia jamais vista no mundo contemporâneo e que afeta toda a população brasileira, inclusive os brasilienses e o Entorno. A nossa principal preocupação é com a população mais vulnerável. Por isso, a primeira ação que fizemos foi a visita às instituições de longa permanência para idosos [ILPIs].  Levamos álcool em gel para reforçar seus estoques e um protocolo com orientações específicas de como devem ser os cuidados com essa população, que está no grupo de risco e merece uma atenção maior do poder público. O trabalho não acabou por aí. A Sejus vem realizando o acompanhamento atento a todas as instituições, e, até o momento, não temos o registro de nenhum caso de contaminação dentro delas. E agora estamos lançando um programa que oferecerá moradia temporária para os idosos que vivem em locais sem condições adequadas de proteção. Para colocar esse projeto em prática, utilizaremos a rede hoteleira do DF.

A senhora citou que a maior preocupação nesse momento é com as pessoas vulneráveis. Nesse caso, entram também as famílias carentes? O que a Sejus tem feito para atender esse público?

Esse é um momento delicado para toda a população. Precisamos garantir o isolamento social. Isso significa, entre outras coisas, permitir que famílias carentes possam ficar em casa, mas com acesso à alimentação, produtos de higiene e o que mais for necessário para que se protejam do coronavírus. O GDF está fazendo a sua parte, mas precisa do apoio da sociedade civil, do setor produtivo e de todos os cidadãos. Por isso, o governo criou o Comitê de Emergência Covid-19, que reúne as instituições públicas e privadas, além da sociedade civil, com interesse em fazer campanhas para arrecadar doações. As pessoas e empresas já estão aderindo a esta iniciativa, que é coordenada pela Secretaria de Economia e tem o nosso apoio, mostrando como é forte o espírito de solidariedade dos brasilienses.

“Precisamos garantir o isolamento social. Isso significa, entre outras coisas, permitir que famílias carentes possam ficar em casa, mas com acesso à alimentação, produtos de higiene e o que mais for necessário para que se protejam do coronavírus”

Onde os cidadãos podem encontrar mais informações sobre a campanha?  

São diversos canais de divulgação. Além do site da Secretaria de Economia [www.economia.df.gov.br] e da Central de Atendimento 156, publicamos um link específico para a campanha no site www.portaldovoluntariado.df.gov.br. Também disponibilizamos o telefone (61) 99173-6071, para que a população possa enviar mensagens via whatsapp e obter informações sobre todas as possibilidades de trabalho voluntário no âmbito do DF e também sobre quais ações e campanhas de doação estão disponíveis pelo Portal do Voluntariado.

Como funciona a ação do voluntariado? 

Temos o Programa Voluntariado em Ação, que já conta com quase 26 mil voluntários inscritos. São 428 projetos e iniciativas envolvendo esse contingente e 84 campanhas realizadas. Já registramos 124.922 oportunidades de trabalho voluntário. Essa ferramenta tem sido de grande importância neste momento em que precisamos estimular ainda mais a solidariedade e o engajamento dos brasilienses, tanto nas campanhas para arrecadar doações quanto [nas] de apoio aos idosos.

A Sejus lançou recentemente uma plataforma com cursos on-line. Qual o objetivo dessa nova ferramenta?

Queremos oferecer novas opções de qualificação e entretenimento para quem está em isolamento social. Qualquer pessoa pode utilizar o conteúdo do site http://escola.sejus.df.gov.br. No entanto, ele foi pensado principalmente para atender os participantes dos cursos profissionalizantes oferecidos presencialmente nos CEUs [Centros de Esportes Unificados] das Artes e para os atendidos pelo Pró-Vítima, o Programa de Atendimento a Vítimas de Violência. A medida é para que o público continue seu processo de qualificação nesse período em que os espaços estão fechados. As aulas são gravadas por professores voluntários. Aproveito esta oportunidade para agradecer aos professores que já enviaram material e convidar outros a participarem desse projeto. Quem tiver interesse em ser professor voluntário pode enviar uma proposta de curso ou oficina para o e-mail escolasejusonline@gmail.com

E em relação aos consumidores? De que forma o Procon tem atuado durante essa crise?

Aumentamos rigorosamente a fiscalização nas farmácias, assim como estamos atentos aos mercados, para evitar abuso de preços e falta dos produtos utilizados no combate ao coronavírus, principalmente do álcool em gel. Essa ação já resultou em mais de 700 notificações a estabelecimentos comerciais até esta data e no fechamento de uma farmácia, em Sobradinho 1, que vendia álcool em gel irregular. A ação foi realizada em parceria com a Vigilância Sanitária e a Polícia Civil. Essa força-tarefa tem a participação do DF Legal e da Secretaria de Economia, que cedeu os fiscais da Receita Federal para trabalharem em conjunto com os agentes do Procon nas ações de fiscalização.

“Aumentamos rigorosamente a fiscalização nas farmácias, assim como estamos atentos aos mercados, para evitar abuso de preços e falta dos produtos utilizados no combate ao coronavírus, principalmente do álcool em gel”

A Sejus contribuirá para ampliar a produção de máscaras descartáveis no DF? Como isso será feito?

Sim! A nossa expectativa é contribuir com 30 mil máscaras descartáveis por semana, que já estão sendo fabricadas pelos internos da Penitenciária do Distrito Federal, e para isso foi importante a parceria com a Secretaria de Segurança Pública. O material está sendo confeccionado por 40 detentos da oficina de profissionalização em costura, assistidos pela Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso [Funap], vinculada à Sejus.  No âmbito da Sejus, as máscaras serão destinadas, por exemplo, às unidades socioeducativas e comunidades terapêuticas. Outras instituições públicas e privadas poderão comprar os materiais abaixo do preço de mercado: R$ 0,45 cada item.

A Sejus também atua para atender vítimas de violência. Alguma ação está em pauta nesse momento?

O atendimento a vítimas de violência não pode parar. Estamos atentos aos casos e em busca de maior interação com as pessoas, principalmente neste momento.  Por isso, os núcleos do Pró-Vítima estão de plantão, prestando atendimento emergencial por telefone. A secretaria disponibilizou números para contato em cada um dos seis núcleos. São os seguintes os canais de atendimento: Ceilândia: 99245-5207; Guará: 99276-3453; Taguatinga: 99108-1274; Planaltina: 99276-5279; Paranoá: 99288-5585 e Sede: 99960-1892.

E como está o atendimento nos conselhos tutelares?

O atendimento presencial nos conselhos tutelares também está suspenso para evitar a disseminação do coronavírus, mas é importante ressaltar que a proteção aos direitos de crianças e adolescentes continua. Os conselheiros estão de plantão para atender aos casos emergenciais denunciados no Disque 100, no Centro 18 de Maio e na Coordenação do Sistema de Denúncias de Violação de Direitos da Criança e do Adolescente [Cisdeca], nos telefones 3213-0657 e 3213-0763 ou pelo e-mail cisdeca@sejus.df.gov.br. Os casos emergenciais são os que apresentem risco de morte, aqueles nos quais os responsáveis legais sejam os autores da violação e quando não for identificado um agente de proteção.

“O atendimento presencial nos conselhos tutelares também está suspenso para evitar a disseminação do coronavírus, mas é importante ressaltar que a proteção aos direitos de crianças e adolescentes continua”


1-internet.jpg

Callado3 de abril de 20205min

Forças de segurança do DF orientam aos brasilienses para seguir alertas das instituições financeiras, por conta do aumento de delivery, orientar porteiros de prédios e condomínios

Desde a identificação do novo coronavírus no Distrito Federal, algumas tentativas de golpe foram identificadas pelas polícias locais. Com o aumento de solicitação de serviços delivery e utilização de plataformas digitais para pagamentos, a atenção da população deve ser redobrada. Confirmar informações com instituições oficiais é uma das orientações a ser seguida.

“Verificamos tentativas de golpes antigos, mas motivados pela atual situação endêmica por conta do coronavírus. O excesso de cuidado é sempre mais eficaz que a falta dele”, orientou o chefe do Centro de Comunicação Social da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), coronel Souza Lima.

De acordo com o coronel, é importante seguir alertas das instituições financeiras.  “Alguns bancos, de forma preventiva, estão mandando mensagens alertando os clientes a não informarem dados e nem entregarem cartões antigos para terceiros, que se apresentam como prestadores de serviço”.

O excesso de cuidado é sempre mais eficaz que a falta delecoronel Souza Lima, chefe do Centro de Comunicação Social da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF)

Uma outra orientação, principalmente por conta do aumento de delivery, é orientar porteiros em prédios e condomínios. “A maior parte já segue um protocolo, mas é importante dar ainda mais atenção neste período, pois, com as pessoas em casa, a quantidade de entregas é maior”, disse Souza.

Em situações de emergência ou tentativa de crime, a corporação deve ser acionada pelo  190. “Guardar características da pessoa que tentou cometer o crime ou qualquer outra informação, como placa de carro, pode contribuir com o trabalho da polícia”, finalizou o coronel.

Crimes cibernéticos

O delegado-chefe da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), Giancarlos Zuliani, alerta que os crimes cometidos pela internet neste período ocorrem por meio do envio de links falsos para serem preenchidos.

“Neste período, tivemos acesso a muitas denúncias de pessoas que receberam links para se cadastrarem e terem acesso a benefícios do governo, por exemplo. É imprescindível que o cidadão, antes de abrir uma mensagem com uma promessa dessas, entre em contato com os órgãos oficiais e confirme a veracidade da informação antes de preencher qualquer formulário com dados pessoais”, explicou o delegado.

De acordo com Giancarlo, o objetivo deste tipo de golpe é obter os dados e cometer outros crimes, como abertura de contas ou compras virtuais.

Uma outra situação, de acordo com o delegado, é que esses links também podem ser enviados para enviar vírus para celulares ou computadores. “Desconfie de situações e propostas muito fáceis, com promessas de dinheiro ou emprego”.

A PCDF disponibiliza canais de denúncia para estas situações, que podem ser feitas pelo 197, pela delegacia eletrônica e pelo e-mail.


izabel-prospera-credito-pedro-ventura-agencia-brasilia-640x427.jpg

Callado3 de abril de 20207min

Programa de crédito para empreendedores das áreas urbanas e rurais, que possuem atividades produtivas de pequeno porte, é aperfeiçoado por conta da pandemia de Covid-19. Saiba como obtê-lo

A crise econômica causada pela pandemia do coronavírus exige bom senso e criatividade dos gestores públicos. Por isso, o Prospera, que é um crédito especial concedido para o atendimento das necessidades financeiras de empreendedores em geral, está passando por reformulações temporárias.

O programa é direcionado a pessoas físicas ou jurídicas, das áreas urbanas e rurais, que possuem atividades produtivas de pequeno porte. Hoje, os valores cedidos variam de R$ 4,2 mil a  R$ 83.000,00 – e parcelas divididas em 36 vezes mensais para quitação.

Agora, o Governo Distrito Federal decidiu melhorar ainda mais as condições do programa: suspende todos os pagamentos das parcelas dos empréstimos em vigor durante a vigência do Decreto 40.583/2020 – e por mais dois meses após o período do Decreto.

O GDF também decidiu cortar em 50% os juros – que já eram o menor do mercado, (aproximadamente de 0,7 % ao mês). Eles passam a ser, em média, de 3% ao ano, sem cobrança de IOF ou de qualquer outra taxa.


Como adquirir o Prospera?  

Requisitos para obtenção do empréstimo

  1. a) Ter mais de 18 anos;
  2. b) Não ter restrições junto a Fazenda Pública do Distrito Federal. Verificar no endereço eletrônico:
  3. c) Não ter restrições na Serasa, exceto para empreendedores cadastrados no bolsa família e grupo solidário conforme legislação vigente.
  4. d) Empreendedores iniciantes e recém formados devem apresentar Plano de negócios, bem como certificado de participação em cursos de gestão de negócios;

Qual é a documentação a ser apresentada?

Pessoa Física

  1. a) CPF e RG (original e cópia)
  2. b) Se for casado: RG e CPF do cônjuge + certidão de casamento (original e cópia)
  3. c) Comprovante de Residência mês atual ou Anterior: Conta de água, luz ou telefone fixo (original e cópia)
  4. d) Duas referências pessoais (nome, endereço e telefone)
  5. e) Duas referências profissionais/comerciais (nome, endereço e telefone)
  6. f) Imprimir Certidão Negativa de Débito junto à Fazenda Pública do DF do CPF:

Pessoa Jurídica

  1. a) Cadastro do CNPJ
  2. b) Alvará de Funcionamento (Se tiver)
  3. c) Contrato Social (Original e Cópia); MEI ou Requerimento de empresário
  4. d) Inscrição Estadual – DIF do CNPJ

Sócio (se houver) 

  1. a) CPF e RG (Original e Cópia)
  2. b) Se for casado: RG e CPF do Cônjuge + Certidão de Casamento (Original e Cópia)
  3. c) Comprovante de Residência mês atual ou Anterior: Conta de água, luz ou telefone fixo (Original e Cópia)
  4. d) Certidão Negativa de Débito junto a Fazenda Pública do DF do CPF:

Garantias

Aval de Terceiro

  1. a) CPF e RG (original e cópia)
  2. b) Comprovante de Residência, Mês atual ou Anterior: Conta de água, luz ou telefone fixo (original e cópia)
  3. c) Se for casado: RG e CPF do cônjuge + Certidão de casamento (original e cópia)
  4. d) Comprovante de renda

–  Se servidor público ou aposentado: último contracheque

– Se empregado de empresa privada: Os três últimos contracheques + Carteira de Trabalho e cópia frente e verso da foto, último contrato e alterações se houver.

– Se pessoa jurídica: Pró-labore (somente original feito pelo contador) acompanhado do Contrato Social ou Declaração de Firma Individual e Declaração de Imposto de Renda do exercício anterior

– Se autônomo: Decore atualizado (Somente Original feito pelo Contador) e Declaração de Imposto de Renda do exercício anterior

Grupo solidário
Mínimo de três e o máximo de cinco participantes (todos contraem empréstimo e avalizam mutuamente)

  1. a) CPF e RG (original e cópia)
  2. b) Comprovante de Residência, Mês atual ou Anterior: Conta de água, luz ou telefone fixo (original e cópia)
  3. c) Se for casado: RG e CPF do Cônjuge + Certidão de casamento (original e cópia)
  4. d) Imprimir Certidão Negativa de Débito junto à Fazenda Pública do DF do CPF:

Para a aquisição de equipamentos são exigidos
– Dois orçamentos emitidos em papel timbrado, com CNPJ  da empresa, assinados pelo vendedor, especificando marca, modelo, data e prazo de validade.


Com os documentos originais, dirija-se ao endereço mais próximo para efetivar sua proposta de empréstimos

Áreas urbanas

Agência Taguatinga:  3255-3790 / 3255-3791 – C4 Lote 3 Avenida das Palmeiras

Agência Plano Piloto: 3255-3789 ou 3255-3725 – SCS QD. 6 LT 10 e 11 ED. Guanabara Sobreloja


loja-material-construção-1280x853.jpg

Callado3 de abril de 20204min

Decreto nº 40.583/2020 mantém aberto o setor que garante fornecimento de produtos necessários para a realização de reparos
emergenciais em casas e apartamentos
 

As empresas do setor de material de construção do Distrito Federal seguem autorizadas a funcionar, sob o argumento de que oferecem à sociedade gêneros de primeira necessidade para a manutenção das condições de funcionamento, como, por exemplo, o fornecimento de itens necessários para a realização de reparos emergenciais nos lares, sobretudo, o funcionamento da construção civil e da indústria neste momento de calamidade pública.

A determinação se deu por meio do decreto nº 40.583/2020, de 1º de abril de 2020, que dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional, decorrente do novo coronavírus.

Pela medida, vários segmentos ficam proibidos de funcionar no DF até o dia 3 de maio, com exceção de “clínicas médicas, odontológicas e veterinárias; laboratórios; farmácias; supermercados e lojas de materiais de construção e produtos para casa atacadistas e varejistas; minimercados; mercearias e afins; padarias (exclusivamente para venda de produtos); açougues; peixarias; feiras; lotéricas; postos de combustíveis; funerárias, lojas de conveniência; operações de delivery, entre outros”.

Para Janine Brito, CEO da Pinheiro Ferragens, uma das mais tradicionais empresas do ramo de material de construção da cidade, que completa 60 anos em setembro próximo, o momento é importante para que o poder público não inviabilize o funcionamento de segmentos fundamentais para a manutenção das condições básicas de sobrevivência da sociedade.

“Neste momento, a população precisa muito do nosso esforço empresarial coletivo para tornar viável a assistência prestada pelos principais pontos de atendimento à população, além do isolamento domiciliar. Por exemplo: um hospital não tem como atender um número crescente de pessoas se sua estrutura estiver comprometida. Estamos aqui, na retaguarda, para oferecer o que for preciso. As pessoas também não têm condições de ficar em casa, se houver uma necessidade de reparo emergencial, que dependa dos nossos produtos”, exemplifica a empresária.

Para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Material de Construção do DF (Sindmac-DF), Carlos Aguiar, o decreto nº 40.583/2020 foi uma medida acertada do governo, que entendeu a relevância do setor para a manutenção das condições de combate à pandemia. Segundo ele, o acordo entre os sindicatos patronal e laboral da categoria, que estabeleceu novos combinados para evitar o desemprego em massa no segmento, também foi importante, como a possibilidade de férias coletivas, utilização de banco de horas, entre outras medidas.

“Além disso, nossas empresas tornaram-se ponto de arrecadação de produtos de higiene e limpeza para populações menos privilegiadas, o que evidencia nossa empatia com o outro e nossa preocupação com o momento pelo qual estamos vivendo”, defende o líder sindical.


saúde-mental-de-jovens.jpg

Callado3 de abril de 20209min

Famílias e instituições de ensino devem trabalhar mais em conjunto, estimulando o senso de coletividade

Ansiedade, compulsão alimentar, sensação de abandono, depressão, insegurança e a dificuldade de adaptação, são alguns dos problemas mais comuns em tempos de quarentena pelo coronavírus. Manter uma rotina saudável e produtiva, sobretudo regular, é de longe o maior dilema das famílias brasileiras. Afinal, os jovens não estão afastados somente das salas de aula, mas também de atividades de cunho social e lúdico — isto é, música, esporte, dança, entre outros.

Para Lorena de Almeida Cavalcante, psicóloga do Colégio Seriös, é preciso, antes de tudo, instruir o jovem a dissociar o período de quarentena das férias escolares, conscientizando, portanto, sobre a decisão de isolamento pelo bem comum.

“Os pais são como um espelho para os filhos, logo, eles devem ser exemplo dentro de casa. De nada adianta pedir que a criança acompanhe as aulas e siga com os estudos, se você ocupar o seu tempo com cochilos ou séries, por exemplo. Antes de exigir algo dos filhos, seja honesto e organize a sua própria rotina. Lembre-se que o isolamento é uma medida de saúde pública e não anula responsabilidades do dia a dia”, orienta Lorena.

As famílias e instituições de ensino devem trabalhar mais em conjunto, estimulando o senso de coletividade. Dessa forma, os pais podem contribuir com diálogos abertos e francos, negociando, inclusive, um horário para lazer, depois as obrigações tenham sido cumpridas pelos filhos.

Já as escolas podem aproveitar a oportunidade para lançar novas ferramentas de aprendizagem e, também, fazer uso de técnicas diferenciadas, que visem potencializar o engajamento dos alunos.

“Os pais podem, e devem, auxiliar os filhos na escolha do local mais adequado para estudar em casa, preferencialmente longe de estímulos distratores, e que não seja o mesmo em que o jovem realize atividades opostas, tais como assistir filmes e séries, jogar ou mesmo dormir”, explica a psicóloga escolar.

De acordo com a psicóloga do Seriös, uma forma de fazer os jovens entenderem, inclusive aceitarem, que os dias de “confinamento” não são férias, pode ser trabalhado por meio da comunicação assertiva, empatia e trabalho em equipe.

Confira as dicas da psicóloga do Seriös:

– Atividades lúdicas para entreter crianças e adolescentes

Segundo Lorena, não há uma receita padrão. Ela recomenda, no entanto, que a escolha das atividades seja pautada nos interesses pessoais de cada pessoa.

Na infância, as atividades lúdicas têm alto grau de eficácia, pois permitem o desenvolvimento moral – especialmente ao lançar jogos de regras ou até atividades que envolvam desempenho fictício de papeis sociais – e a evolução das chamadas funções psicológicas superiores – em particular, a criatividade e imaginação.

Para adolescentes, o lúdico costuma não ser tão atrativo, daí a importância de tarefas que possibilitem o exercício de dois princípios – utilidade e pertencimento. Deve-se priorizar atividades em que seja possível aplicar conhecimentos previamente construídos, o que tem sido bastante observado entre alunos do Colégio Seriös – eles têm aproveitado o isolamento social para fazer receitas aprendidas nas aulas de gastronomia, por exemplo.

Outro ponto importante é a facilitação – por meio do uso das tecnologias – do diálogo e da interação social. Isso pode, inclusive, ser utilizado no processo de ensino-aprendizagem, de modo que os estudantes sejam estimulados a discutirem conteúdos entre si.

– Dicas para manter a rotina de estudos em casa

Primeiramente, faz-se ainda mais necessário o planejamento do tempo. É preciso determinar horários específicos para cada atividade. Por exemplo: acordar, tomar banho, comer, estudar e se divertir. Feito isso, é importante estabelecer metas diárias e semanais, que podem ser ajustadas ao longo da semana. Desse modo, o aluno terá maior clareza sobre seu próprio ritmo de produção.

“Os pais podem começar a trabalhar o autoconhecimento com os filhos, que, dentre inúmeras questões, identifica o que tira o foco e atrapalha no desenvolvimento. Conscientes dessas armadilhas, é possível evitar a procrastinação, que pode se tornar um gatilho para a ansiedade”, defende Lorena.

– Lado emocional das crianças e dos adolescentes

 Cabe aos pais fazer um filtro das notícias que serão compartilhadas com os filhos. O ideal é que o contato com informações sobre a pandemia se dê de uma a duas vezes por dia, sempre por meio de fontes confiáveis. É importante, ainda, que possíveis notícias negativas sejam contrapostas com positivas.

“No início do ano, recebemos, na Semana Pedagógica do Colégio Seriös, o jornalista Rinaldo Oliveira, responsável pelo Portal Só Notícia Boa. Este, inclusive, é um dos canais que podem ser mais consumidos pelas famílias e pelos estudantes”, indica.

Por fim, é importante lembrarmos que o desenvolvimento humano não é feito apenas de grandes avanços, as crises acabam sendo uma oportunidade de crescimento. O momento atual possibilita o exercício de inúmeras habilidades e competências, que crianças e adolescentes desenvolveram em seus lares ou mesmo na escola – empatia, criatividade, flexibilidade, autonomia, entre outras.

“Estamos entrando em contato com situações que, muitas vezes, são tratadas como tabus, mas se fazem extremamente necessárias para o amadurecimento psicológico e, portanto, precisam ser abordadas com ênfase, tais como adoecimento e morte”, reforça a profissional.

– Papel da psicologia

Na escola, o papel da psicologia é contribuir para os processos de aprendizagem e desenvolvimento, sendo realizadas ações institucionais, a exemplo da formação continuada de professores; e as exclusivas para estudantes, como a orientação profissional dos que se encontram no ensino médio.

Quando surgem demandas relacionadas à saúde mental, há um primeiro acolhimento e, posteriormente, recomendamos o acompanhamento com psicólogos clínicos ou psiquiatras – profissionais com os quais buscamos sempre parcerias, a fim de acompanhar melhor o desenvolvimento integral de estudantes.



Sobre o Blog

Com 16 de existência, o Blog do Callado é o 1º Blog Político de Brasília, um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


ricardocallado@gmail.com

55 61 98417 3487


Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial