Ricardo Callado, Autor em Blog do Callado

Palacio-do-Buriti-1024x680.jpg

Ricardo Callado14/09/20197min

Em 2019, GDF inova ao ampliar as possibilidades de participação popular na elaboração da peça orçamentária

O projeto de lei orçamentária (Ploa) para o próximo ano estima a receita do Distrito Federal em R$ 27,359 bilhões e fixa a despesa em igual valor. A proposta compreende os orçamentos das esferas Fiscal (referente aos Poderes do DF, a seus órgãos e entidades da administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo poder público), da Seguridade Social e de Investimento das Empresas Estatais. O texto foi encaminhado nesta sexta-feira (13) pelo governador Ibaneis Rocha à Câmara Legislativa.

Para 2020, a receita do Distrito Federal relativa às esferas Fiscal e de Seguridade Social é de R$ 25,775 bilhões, dos quais R$ 17,212 bilhões são de origem tributária (impostos, taxas e contribuições). Já as despesas estão organizadas em sete grandes grupos: gastos de R$ 14,712 bilhões com Pessoal e Encargos Sociais (57,08%); de R$ 301,385 milhões com Juros e Encargos da Dívida (1,17%); de R$ 7,914 bilhões com Outras Despesas Correntes (30,70%); de R$ 1,440 bilhão com Investimentos (5,59%); de R$ 29,522 milhões com Inversões Financeiras (0,11%); de R$ 349,449 milhões com Amortização da dívida (1,36%); e de R$ 1,028 bilhão para Reserva de Contingência (3,99%). Por sua vez, as receitas previstas no orçamento de Investimento das Empresas Estatais totalizam R$ 1,583 bilhão.

Neste ano o GDF inovou ao ampliar as possibilidades de participação popular na elaboração do orçamento de 2020. Além de realizar a tradicional audiência pública presencial, pela primeira vez na história do orçamento local, cidadãos puderam enviar suas sugestões, entre 2 e 18 de julho, pelas ouvidorias dos órgãos do DF, pela Central 162, e pelo site www.ouv.df.gov.br.

Fundo Constitucional

Embora o aporte de recursos orçamentários do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF) não integre o projeto de lei encaminhado à Câmara Legislativa, o secretário de Economia, André Clemente, inseriu na Exposição de Motivos a informação de que o valor a ser repassado pela União em 2020 é de R$ 15.743.261.278,00 – montante que supera em R$ 747.478.450,00 a projeção disposta na Lei de Diretrizes Orçamentárias 2020.

O montante do FCDF é destinado exclusivamente para aplicação em três áreas prioritárias do governo. A primeira é a Segurança Pública, que receberá R$ 6,367 bilhões (40,4%) para pagamento de pessoal, R$ 1,593 bilhão para custeio (10,2%), e R$ 225,777 milhões (1,4%) para investimentos. Em seguida está a Saúde, com R$ 3,945 bilhões (25%) para pessoal e R$ 200 milhões para custeio (1,3%). A terceira contemplada é a Educação, cujo montante chegará a R$ 3,076 bilhões (19,5%) com pessoal e R$ 335 milhões (2,2%) com custeio.

Somando-se, portanto, a receita total do Distrito Federal com os recursos do FCDF, o Governo do Distrito Federal disporá para 2020 de um montante de R$ 43,102 bilhões.

Total de investimentos

Considerando-se os orçamentos das três esferas (Fiscal, Seguridade Social e Investimento das Empresas Estatais), mais os recursos do FCDF, das operações de crédito e das inversões financeiras, o montante destinado a investimentos em 2020 será de R$ 3,280 bilhões, conforme prevê o projeto de lei que estabelece o Plano Plurianual (PPA) para o período 2020-2023, e que também foi encaminhado nesta sexta-feira à Câmara Legislativa.

O PPA 2020-2023 contempla o planejamento dos órgãos e entidades da administração pública distrital direta e indireta, da Câmara Legislativa e do Tribunal de Contas do DF, A proposição apresenta, de forma regionalizada, os objetivos e metas do governo para o período, com uma carteira de investimentos estimada em R$ 12,495 bilhões – média de R$ 3,123 bilhões por ano, provenientes da arrecadação própria, das transferências constitucionais, do Fundo Constitucional do DF, do orçamento de investimento das estatais e de receitas de outras fontes como operações de crédito e convênios.

Confira na tabela:

Distribuição do Orçamento por Esfera Orçamentária

ESFERA VALOR (R$)
FISCAL 17.518.830.945
SEGURIDADE SOCIAL 8.256.907.992
INVESTIMENTO DAS ESTATAIS 1.583.413.250
TOTAL 27.359.152.187

 

Distribuição das Despesas por Categoria de Gasto (FISCAL e SEGURIDADE)

GRUPO DE NATUREZA DE DESPESA R$ %
1 – Pessoal e Encargos Sociais 14.712.347.278 57,08
2 – Juros e Encargos da Dívida 301.385.000 1,17
3 – Outras Despesas Correntes 7.914.042.403 30,70
4 – Investimento 1.440.120.027 5,59
5 – Inversões Financeiras 29.522.965 0,11
6 – Amortização da Dívida 349.449.070 1,36
9 – Reserva de Contingência 1.028.872.194 3,99
TOTAL 25.775.738.937 100

 

* Com informações da Secretaria de Economia


seca-em-brasilia2.jpg

Ricardo Callado14/09/20197min
A Defesa Civil declarou estado de alerta no Distrito Federal por causa da baixa umidade do ar que ficou entre 12 e 20% esta semana.

A estimativa do Inmet é de que a temperatura baixe para a casa dos 30 graus Celsius (ºC) no fim-de-semana, em Brasília, mas continue alta na próxima semana

Por Jonas Valente

O período de seca que acomete a região central do Brasil não tem previsão para amenizar, segundo o Instituo Nacional de Meteorologia (Inmet). Há dois dias, na quinta-feira (12), a Defesa Civil do Distrito Federal declarou estado de emergência na capital, pela segunda vez, após dois dias consecutivos de umidade relativa abaixo do limite, fixado em 12%.
A estimativa do Inmet é de que a temperatura baixe para a casa dos 30 graus Celsius (ºC) no fim-de-semana, em Brasília, mas continue alta na próxima semana. As máximas devem atingir 31ºC na segunda-feira (16) e 32ºC na terça-feira (17). Já a umidade não deve ter elevação significativa mas deve sair da casa dos 10% e chegar a cerca de 20%.

Conforme o meteorologista do Instituto Olívio Bahia, normalmente as primeiras gotas caem no DF em setembro, mas o mês vem sido marcado por altas temperaturas e forte seca. Ele acrescenta que os estudos de projeção das mudanças no clima realizados pela entidade ainda não indicaram a chegada da chuva.

À Agência Brasil, o técnico não arriscou uma previsão, recorrendo ao histórico de comportamento do clima na região. “A gente está imaginando que a massa [de ar seco] vá perder força. Historicamente chuvas são mais frequentes a partir da segunda quinzena de outubro”, afirmou.

Segundo Bahia, o calor e a seca deste ano não se devem a nenhum fator específico. Eles seriam resultado do que chama de “variabilidade anual”. O que já é uma massa de ar seco mais intensa na região central – que abrange Distrito Federal, Goiás, Tocantins, Centro-leste do Mato Grosso, Nordeste do Mato Grosso do Sul, Norte e Oeste de São Paulo e Centro-oeste da Bahia – está se prolongando e deve se manter por mais dias.

“Estava chovendo no hemisfério Sul e passa a chover no Norte neste período. O padrão de vento não traz umidade, e aí fica seco. É comum termos temperaturas elevadas no Brasil neste período, quando o sol está baixando no movimento aparente. O sol vem do hemisfério Norte, a gente tem muita radiação solar chegando e não tem nuvem, que serve como filtro”, explica o meteorologista do Inmet.

Esse fenômeno, entretanto, se manifesta de forma diferente em regiões e biomas distintos. Embora os dois sejam secos, Cerrado e Caatinga têm aspectos próprios, a exemplo da vegetação ou até mesmo da disponibilidade, bem menor no sertão do Nordeste. Olívio Bahia comenta que muitas vezes há confusão de também comparar as secas com outros locais do mundo, como o deserto, quando são situações bastante diferentes.

Impactos

Esse clima pode ter impactos importantes na saúde. A Organização Mundial da Saúde (OMS) fixa como mínimo razoável o índice de 30% de umidade. A seca pode gerar baixa da pressão arterial, com sensação de cansaço.

Mas para o pneumologista e membro da Sociedade Brasileira de Pneumonia e Tisiologia (SBPT), Carlos Viegas, a maior preocupação deve ser com as doenças respiratórias. “Rinite, sinusite, pneumonia e outras enfermidades decorrentes do processo inflamatório nas vias aéreas são comuns. Além deste ar muito seco, temos presença de fumaça o que possibilita desenvolvimento de problemas alérgicos respiratórios”, ressalta Viegas.

Cuidados

Uma sugestão do médico para que as pessoas verifiquem se estão com a hidratação adequada é a observação da urina. Quanto mais próxima a coloração estiver da água, mais hidratada uma pessoa está. Já se a cor da urina estiver próxima de amarelada forte é importante reforçar o consumo de água ao longo do dia. A sugestão é beber, pelo menos, 3 litros de água por dia.

Segundo o subsecretário da Subsecretaria da Defesa Civil do DF, Coronel Sérgio Bezerra, para quem não costuma tomar muita água é adequado aumentar o consumo gradativamente. Ele sugere não esperar o corpo demandar, mas procurar beber um copo por hora.

Mas o cuidado com o excesso também é importante. “Não precisa exagerar. Quem bebe muita água pode ter baixa de pressão”, alerta o subsecretário da Defesa Civil do DF.

Além disso, é importante evitar atividades físicas entre 11h e 16h e se proteger do sol, evitando ficar em ambiente aberto durante muito tempo e sempre lembrando de passar o protetor. Em momentos de baixa umidade, o uso do umidificador também é recomendável.


loteria-1.jpg

Ricardo Callado14/09/20191min

A Mega-Sena vai sortear neste sábado (14) o prêmio de R$ 100 milhões, acumulado há 11 concursos.

O sorteio das seis dezenas do concurso 2.188 será feito às 20h (horário de Brasília) no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário Tietê, em São Paulo.

De acordo com a Caixa, caso aplicado na poupança, o valor do prêmio poderia render mais de R$ 340 mil por mês.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa em todo o país. O bilhete simples, com seis dezenas, custa R$ 3,50.

A Quina sorteia hoje prêmio de R$ 4,4 milhões, a Lotofácil oferece prêmio de R$ 2 milhões e a Lotomania, de R$ 1,7 milhão


Caixa-economica.jpg

Ricardo Callado14/09/20193min
Brasília – Pessoas enfrentam filas no primeiro dia de saque do FGTS de contas inativas (Antonio Cruz/Agência Brasil)

As agências da Caixa Econômica Federal estarão abertas neste sábado (14), das 9h às 15h, para liberação do saque de até R$ 500 em contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A Caixa também vai trabalhar com horário estendido por duas horas nas próximas segunda (16) e terça-feiras (17).

Assim, as agências, que normalmente abrem às 11h, vão iniciar o atendimento às 9h. Já as que abrem às 10h iniciarão os trabalhos às 8h e as que abrem às 9h atenderão a partir das 8h e terão uma hora a mais ao final do expediente. No caso de agências que abrem às 8h, serão duas horas a mais ao final do expediente normal.

O pagamento dos recursos começou ontem (13). O banco fará o depósito automático para quem tem conta poupança na Caixa, seguindo calendário de mês de nascimento.

Quem nasceu em janeiro, fevereiro, março e abril recebe primeiro. Os próximos a ter acesso ao saque são os nascidos em maio, junho, julho e agosto, no dia 27 deste mês. Em seguida, no dia 9 de outubro, será a vez os nascidos em setembro, outubro, novembro e dezembro.

Pagamento de dívidas

Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que quase 10 milhões de brasileiros, cerca de 38% dos que têm direito ao recurso do FGTS, vão usar o dinheiro para quitar dívidas.

Segundo a Caixa, cerca de 33 milhões de trabalhadores receberão o crédito automático na conta poupança. Os clientes do banco que não quiserem retirar o dinheiro têm até 30 de abril de 2020 para informar a decisão em um dos canais divulgados pela Caixa: site, Internet Banking ou aplicativo no celular.

Os clientes da Caixa que têm conta corrente podem fazer o pedido de crédito em conta por meio dos canais de atendimento

Para aqueles que não têm conta poupança na Caixa, aberta até o dia 24 de julho de 2019, ou conta-corrente, o calendário começa no dia 18 de outubro, para os nascidos em janeiro, e vai até 6 de março de 2020, para os nascidos em dezembro.

*Com informações das repórter Kelly Oliveira, da Agência Brasil


WhatsApp-Image-2019-09-13-at-17.40.03.jpeg

Ricardo Callado14/09/20195min

Estimativa consta do Plano Plurianual 2020-2023 encaminhado à Câmara Legislativa

O governador Ibaneis Rocha enviou nesta sexta-feira (13) à Câmara Legislativa o projeto de lei que dispõe sobre o Plano Plurianual (PPA) do Distrito Federal para o período 2020-2023. O documento contempla o planejamento dos órgãos e entidades da administração pública distrital direta e indireta, da Câmara Legislativa e do Tribunal de Contas do DF; e apresenta de forma regionalizada os objetivos e metas do governo para o período, com uma carteira de investimentos estimada em R$ 12,495 bilhões – média de R$ 3,123 bilhões por ano, provenientes da arrecadação própria, das transferências constitucionais, do Fundo Constitucional do DF, do orçamento de investimento das estatais e de receitas de outras fontes como operações de crédito e convênios.

O PPA declara as escolhas do Governo e da sociedade, indica os meios para a implementação das políticas públicas, orienta taticamente a ação do Estado para a consecução dos objetivos pretendidos. Está em conformidade com o Plano Estratégico do Distrito Federal 2019-2060 e com os objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), definidos pela ONU.

“Para 2020, foram considerados os valores estimados no Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa 2020). E para os exercícios de 2021 a 2023, levou-se em consideração os valores estabelecidos para o ano imediatamente anterior corrigidos pela inflação (IPCA) e as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) que constam do Anexo de Metas Fiscais da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO 2020)”, explica o secretário de Economia, André Clemente.

A alocação dos recursos e implementação e gestão das políticas públicas serão orientadas pelos oito eixos temáticos constantes do Plano Estratégico 2019-2060: Segurança; Educação; Desenvolvimento Econômico; Desenvolvimento Social; Desenvolvimento Territorial; Meio Ambiente; e Gestão e Estratégia.

Esses oito eixos reúnem 15 programas temáticos que retratam a agenda de governo, além de 17 programas de gestão, manutenção e serviços ao Estado, que agregam os gastos relacionados à área-meio. Os programas estão detalhados em ações orçamentárias que integram tanto o PPA quanto a Lei Orçamentária Anual (LOA).

As codificações e os títulos de programas e ações do PPA 2020-2023 são os mesmos que se aplicam às Leis de Diretrizes Orçamentárias, às Leis Orçamentárias Anuais e às leis que as modifiquem. Os valores financeiros e as metas físicas estabelecidos para as ações do 2020-2023 são estimativos, não constituindo limites à programação das despesas nas leis orçamentárias e em seus créditos adicionais.

Participação e regionalização

Com o objetivo de ampliar o diálogo entre Governo e sociedade e de aumentar a participação popular, entre 16 de junho e 8 de julho, foram realizadas audiências públicas voltadas para apresentar e discutir o Projeto de Lei do PPA 2020-2023 e disponibilizados os canais de atendimento da Ouvidoria Geral do Distrito Federal: postos de atendimento em cada órgão do GDF, telefone 162, e o portal www.ouv.df.gov.br para apresentação de sugestões.

O PPA apresenta as diretrizes, objetivos e as metas da administração pública do Distrito Federal de forma regionalizada, com base no disposto no Plano Diretor de Ordenamento Territorial – PDOT vigente. E, para evidenciar as ações realizadas pelas Administrações Regionais – RA, o Projeto de Lei PPA 2020-2023 estabelece oito Objetivos Regionais (cultura; esporte e lazer; infraestrutura; direitos humanos; desenvolvimento econômico; mobilidade urbana; agricultura; e meio ambiente) e o Programa de Gestão, Manutenção e Serviços aos Estado–Regional, destinado às ações de apoio a gestão das RAs.

 

* Com informações da Secretaria de Economia do DF


ericka-filippelli.jpg

Ricardo Callado14/09/20198min

Por Ericka Filippelli

Há muito tempo, fala-se sobre a importância do investimento do Estado em políticas públicas para melhorar a vida das mulheres vítimas de violência doméstica e no combate aos feminicídios.

Desde que assumimos a Secretaria da Mulher recebemos reiterados questionamentos sobre os casos de feminicídios, como o Estado deve trabalhar para evitá-los e quais são as principais ações a serem priorizadas. É preciso dizer que o governador Ibaneis Rocha reconhece a importância dessa temática e, nesse sentido, deu status de Secretaria de Estado para essa pasta que elabora e implementa políticas públicas para as mulheres do Distrito Federal.

Trabalhamos incansavelmente na formulação e execução de ações eficazes no cuidado com a vida das mulheres e esse é um ofício que nos faz refletir diariamente, pois, a cada dois segundos, uma mulher é vítima de violência doméstica, podendo levá-la à morte, tão somente por pertencer ao gênero feminino.

Esse tipo de violência não tem classe social, não tem raça, nem um padrão específico. Acontece em todas as camadas sociais e assusta pela crueldade. Nos equipamentos de atendimento da Secretaria da Mulher, nos deparamos com diversos casos de agressão e, em todos eles, a violência apresenta-se como fruto de uma cultura machista, sexista e misógina difundida durante anos e anos.

A Lei Maria da Penha, a Lei do Feminicídio, a Lei do Assédio Sexual e outros marcos existentes hoje na legislação trouxeram grandes avanços, pois o Estado buscou se organizar melhor, criando equipamentos para atender as mulheres de forma humanizada e célere.

Para que esse trabalho seja executado pela Secretaria da Mulher, no Distrito Federal, contamos com três Centros de Atendimento à Mulher, um deles, na Estação do Metrô da 102 Sul (revitalizado nessa gestão), nove núcleos de atendimento às famílias e aos autores de violência, Casa Abrigo, delegacias funcionando 24 horas. Instituímos a Rede Sou Mais Mulher, uma parceria com instituições públicas e privadas, visando à promoção de ações voltadas para igualdade entre mulheres e homens.

Nesse contexto, o programa Amor sem Violência foi criado para discutir violência contra a mulher nas escolas públicas, pois entendemos que esse tema deve ser abordado já na juventude em idade escolar. Também inauguramos o Espaço Empreende Mais Mulher, que tem como objetivo dar oportunidades para as mulheres em busca de sua autonomia econômica, um dos principais motivos para saída de uma relação dependente e abusiva. Em agosto, iniciamos uma campanha publicitária, com base no site relógios da violência, que está sendo divulgada em veículos de comunicação e nas ações diretas que estão acontecendo nas feiras, rodoviárias e eventos em geral.

A cada notícia de violência contra a mulher, a cada feminicídio, pensamos em quão perversa é a lógica machista e, exatamente por esse motivo, bastante desafiadora para a gestão pública.Ericka Filippelli, secretária da Mulher

Estamos conscientes de que políticas públicas eficazes propiciam melhores condições de vida para as mulheres e, sem sombra de dúvida, podemos dizer que, por determinação do governador Ibaneis, devemos atuar de forma transversal, envolvendo todas as secretarias de Estado.

A cada notícia de violência contra a mulher, a cada feminicídio, pensamos em quão perversa é a lógica machista e, exatamente por esse motivo, bastante desafiadora para a gestão pública.

Segundo a pesquisa da Secretaria de Segurança Pública, que detalha todos os casos de feminicídios ocorridos no DF, a maioria desses crimes se deu por sentimento de posse, que geralmente é o que tange a matriz moral nas relações de poder dos homens sobre as mulheres. Os homens ainda acham que as mulheres são propriedade deles, portanto, suas roupas, seu lar, os filhos, celular, o dinheiro, seus corpos, tudo está sob seu domínio. Este seria o pano de fundo para oprimi-las, agredi-las, matá-las.

Precisamos reeducar os homens contra o machismo, que deve ser combatido diariamente, mesmo estando presente nos mais variados ambientes. O combate ao machismo estrutural é uma luta de toda a sociedade, portanto, homens e mulheres precisam caminhar lado a lado.Ericka Filippelli, secretária da Mulher

Nosso trabalho é desafiador, pois diariamente lidamos com vidas de mulheres violentadas de diversas formas e essas vidas são preciosas para nós. Não queremos negar as diferenças entre homens e mulheres, mas diremos sempre: não às desigualdades.

As mulheres não devem ter medo de andar nas ruas, de serem livres. Elas não podem perder seu o direito de ir e vir, pois esse é um direito garantido constitucionalmente e nós, com apoio de todas as secretarias do Governo do Distrito Federal, vamos continuar trabalhando para lhes garantir o que determina a Constituição brasileira.

Precisamos reeducar os homens contra o machismo, que deve ser combatido diariamente, mesmo estando presente nos mais variados ambientes. O combate ao machismo estrutural é uma luta de toda a sociedade, portanto, homens e mulheres precisam caminhar lado a lado. Nas últimas semanas, fomos cercados pela palavra luto, mas não vamos nos calar nem nos desanimar. Luto para nós é verbo e lutaremos pela vida das mulheres do Distrito Federal.

  • Ericka Filippelli é secretária da Mulher do Distrito Federal

Marcapasso.jpg

Ricardo Callado13/09/20197min

ICTCor participa de campanha nacional com atividades gratuitas para ajudar a esclarecer principais dúvidas sobre o tema

Usar celular, viajar de avião, secar o cabelo, passar em portas com detector de metais e outras atividades comuns passam a ser grandes dúvidas na vida de quem recebe um implante de marcapasso. Para falar dos mitos e verdades, qualidade de vida e diversas questões que envolvem o dia a dia dos portadores do dispositivo e de seus familiares, no dia 23 de setembro é comemorado o Dia do Portador de Marcapasso no Brasil.

A campanha, que é uma iniciativa da ABEC/DECA – Associação Brasileira de Arritmia, Eletrofisiologia e Estimulação Cardíaca Artificial/Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV), mobiliza cardiologistas em todo o país com objetivo de desmistificar o assunto. Como parte do movimento, o Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor) vai realizar, no dia 20 de setembro, um evento educativo com ciclo de palestras, distribuição de cartilhas, demonstração de como os dispositivos funcionam, contação de histórias, entre outras atividades gratuitas no auditório do Hospital Anchieta a partir das 9h. Para participar basta acessar https://ictcor.com.br/marca-passo/ e fazer a inscrição.

De acordo com Dr. Candido Gomes, especialista em cirurgia cardiovascular do ICTCor, a falta de informação ainda é um grande problema. “Muitas pessoas necessitam de um marcapasso e nem sabem, pois não reconhecem os sintomas, que podem ser confundidos com outras doenças. Alguns deles são tonturas com escurecimento visual, desmaios, cansaço fácil, pulso irregular, entre outros. Para as pessoas que já têm o implante e seus familiares, também é preciso ter conhecimento sobre os cuidados”, explica o cardiologista.

O que é o marcapasso?

É um pequeno dispositivo eletrônico que serve para controlar o ritmo cardíaco.  Ele possui um gerador, uma bateria interna e cabos eletrodos. Estes cabos são conectados ao coração e ligados ao marcapasso depois que o médico se certifica que estão posicionados corretamente. O aparelho é implantado em uma espécie de “bolsa” sob a pele durante uma cirurgia considerada simples, que é feita com sedativo e anestesia local. “É um procedimento tranquilo, que dura de uma a duas horas. Geralmente, o paciente pode ir para casa no dia seguinte e retomar as atividades habituais após 30 dias”, afirma Dr. Candido.

Imediatamente após a cirurgia, pode-se observar o desaparecimento de sintomas como tonturas e falta de ar, causados pelo problema de ritmo cardíaco que diagnosticou a necessidade do implante. “Pode acontecer de o paciente sentir pequenas dores no local do implante logo após o procedimento, mas elas diminuem e, em pouco tempo, acabam desaparecendo por completo”, afirma o cardiologista.

Coloquei o marcapasso. E agora?

Os cuidados pós-operatórios específicos variam dependendo do caso e serão orientados pelo médico após a cirurgia, mas existem recomendações que devem ser seguidas. “É muito importante realizar acompanhamento cardiológico rotineiro com a frequência que seu médico indicar. Geralmente, as avaliações são marcadas após um, três e seis meses. Depois deste período, somente de seis em seis meses”, relata Dr. Ricardo Carranza, que também é cirurgião cardiovascular do corpo clínico ICTCor.
Além disso, é essencial ler com atenção o manual do marcapasso. Nele, terão todas as informações referentes à maioria das dúvidas que costumam afligir os pacientes. Confira algumas delas:

  • Telefones celulares podem ser usados, mas têm que ser mantidos a pelo menos 15 cm de distância do local do implante, sendo usados no ouvido que fica do lado contrário do marcapasso. Para evitar interferências, também é recomendado que o paciente mantenha uma distância de dois metros de eletrodomésticos que estejam em funcionamento.
  • Sistemas detectores de metais, como de aeroportos e portas giratórias de bancos, devem ser evitados. É importante andar sempre com o documento de identificação que atesta ser portador marcapasso. Nos sistemas antifurto de lojas, recomenda-se simplesmente passar, evitando ficar parado entre as placas.
  • É importante sempre consultar seu médico sobre ressonâncias magnéticas, pois a maior parte dos modelos de marcapasso têm restrições quanto ao exame, principalmente os mais antigos. O mesmo vale para procedimentos como radioterapia, litotripsia e eletroacupuntura, que devem seguir recomendações médicas específicas.
  • Atividades sexuais, exercícios físicos e condução de veículos são permitidos, a não ser que o portador possua outra patologia cardíaca limitante, pois o marcapasso, por si só, não o impede de nada disso. Na dúvida, é sempre bom consultar o médico.
  • Dentro do possível, é bom evitar dormir do lado do marcapasso implantado, principalmente durante os primeiros 10 dias.

BRBcard-777x437.jpg

Ricardo Callado13/09/20192min

Em linha com o mercado e na busca por oferecer aos seus clientes um Banco cada vez mais ágil, moderno e inovador, o Banco de Brasília deu início à liberação de crédito pelo meio digital. O processo nacionaliza o BRB, uma vez que recursos podem ser contratados sem a necessidade da presença em uma agência física do Banco.

O novo processo torna a Instituição cada vez mais digital e é um marco na história do BRB. “Pela primeira vez, o BRB realiza uma operação que o faz sair dos horizontes geográficos da sua área de atuação. Temos uma meta de avançar no Centro-Oeste e será inevitável nos tornarmos um banco nacional”, afirmou o presidente Paulo Henrique Costa.

A liberação das duas primeiras operações em open banking – contratação do produto BRB em um canal digital de Correspondente – foi realizada nesta quinta-feira (12).

O novo canal de contratação tem como expectativa dobrar o resultado do lucro líquido da Financeira BRB.


Meirelles-senado.jpg

Ricardo Callado13/09/20195min
Presidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), recebe representantes do Conselho Nacional de Secretários de Fazenda do Brasil (Comsefaz) e o secretário de Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles. Foto: Marcos Brandão/Senado Federal

Texto propõe dar liberdade às Unidades da Federação para estipularem alíquotas do imposto único (IBS), previsto para substituir tributos federais, estaduais e municipais

Por Cristiano Carlos (Da Agência do Rádio Mais)

Os secretários estaduais de Fazenda apresentaram uma Proposta de Emenda à Constituição de reforma tributária ao presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP). A sugestão do grupo é que os textos em análise atualmente no Senado (PEC 110/2019) e na Câmara (PEC 45/2019) sejam substituídos pela nova proposta.

A PEC dos secretários é semelhante às que estão em discussão no Congresso, ou seja, também cria imposto único sobre bens e serviços (IBS), que unificaria os atuais tributos federais (IPI, PIS e Cofins), o ICMS, dos estados, e o ISS, cobrado nos municípios. Além disso, a proposta cria o imposto seletivo (IS), com incidência nos produtos considerados perigosos à saúde da população, como cigarros e bebidas alcoólicas.

Os gestores, no entanto, não querem que a alíquota do IBS seja fixa, com valor único para estados e União, como preveem as redações da Câmara e do Senado.
A sugestão é criar uma alíquota mínima, que funcionaria como uma espécie de piso nacional, dando liberdade aos estados para estipularem as taxas que acharem mais conveniente.

Na prática, o IBS teria um valor mínimo que União, estados, municípios e o Distrito Federal seriam obrigados a respeitar, porém cada ente ficaria livre para aumentar a alíquota do tributo, desde que respeitado o piso.

Para o ex-ministro da Fazenda e atual secretário de Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles, estados e municípios precisam ter liberdade para fixar a alíquota do IBS para compensar eventuais perdas com o fim do ICMS e do ISS.

“O ICMS é a parte mais complexa do sistema tributário nacional, pois envolve os 26 estados e o DF, muitas vezes com regras diferentes, problemas com transações dentro do estado, entre os estados e exportação, por exemplo. É fundamental para a simplificação tributária que a reforma abranja o ICMS e abranja, também, o ISS”, explicou Meirelles.

A proposta de reforma tributária apresentada pelos secretários de Fazenda estaduais prevê tratamento tributário diferenciado para a Zona Franca de Manaus, para evitar que o polo industrial tenha prejuízos com a mudança do sistema tributário.

O texto ainda cria os fundos de Desenvolvimento Regional e o de Compensação da Desoneração das Exportações. O secretário de Fazenda do Piauí e presidente do Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados (Comsefaz), Rafael Fonteles, ressalta que o texto é a união de demandas dos estados.

“É muito importante que os estados, principalmente os menos desenvolvidos, continuem tendo uma política de atração de indústrias, de desenvolvimento regional”, pontua.

O documento entregue pelos secretários estaduais de Fazenda no Congresso Nacional é uma Proposta de Emenda à Constituição. O texto pode, entretanto, ser transformado em emendas parlamentares e serem incluídas nas propostas de reforma tributária que tramitam atualmente nas duas casas legislativas ou, até mesmo, ser redigido como leis complementares e ordinárias, como explica o relator da reforma na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

“Tem coisa que vai ser tratado aqui em Lei Complementar, por Lei Ordinária. Depende daquilo que se está propondo, nós vamos dar encaminhamento correto”, disse o relator da PEC 45/2019.


Sandra-Strauss.jpg

Ricardo Callado13/09/20197min

O encontro será ministrado pela escritora e terapeuta ambiental Sandra Strauss, autora da “Cabala da Casa”, no dia 28 de setembro, das 14h30 às 18h30, no Noroeste (CRNW 510)

O Espaço com Cavaná receberá a escritora e terapeuta ambiental Sandra Strauss no último sábado (28) do mês, no Noroeste (CRNW 510), das 14h30 às 18h30. A carioca, que estuda assuntos energéticos relacionados à Medicina da Casa há 19 anos, abordará conceitos da “Cabala da Casa”, cujo intuito é atrair energias benéficas para ambientes diversificados – residências, estabelecimentos comerciais e até mesmo escritórios. O workshop atende aos interesses dos profissionais da área de Arquitetura e Designer.

De forma prática, o participante terá a oportunidade de conhecer sobre o alinhamento das energias da sua casa e/ou local de trabalho ao aplicar técnicas de harmonização de ambientes na perspectiva da Cabala – conjunto de ensinamentos, estudos, compreensão da realidade e diversos outros aspectos espirituais. É fundamental que os inscritos levem as próprias plantas baixas juntamente com régua e transferidor para os exercícios no dia.

“Semelhante ao corpo humano, a casa tem uma parte física e uma parte metafísica, como se tivesse corpo e alma. Nós temos um fluxo energético incorporal, chamado de árvore da vida, que é medido pelos chacras. A casa também tem esses chacras energéticos, que formam um circuito, representado por símbolos. É como o desenho de um circuito elétrico ou hidráulico”, explica Strauss.

A terapeuta ambiental ainda pontua que cada chacra está relacionado a uma virtude e uma habilidade a ser desenvolvida e, ao conhecer o mapa formado por esses fatores, é possível trabalhar o fluxo energético dentro da casa, sempre associando-o ao morador.

Ao todo, é possível encontrar 72 combinações que constituem chaves de acesso a valores como amor, disciplina, beleza, paz, entre outros pontos importantes para o cotidiano de um local. “É como se fossem ímãs. Entramos em uma frequência para vibrar e atrair determinada coisa”, complementa.

Os interessados terão duas possibilidades de pagamento: R$ 306 à vista, com depósito bancário até quarta-feira (18); ou R$ 360 com opção de parcelamento em duas vezes no cartão de crédito (http://bit.ly/2MQW1qg).  Caso a primeira opção seja escolhida, os inscritos deverão encaminhar o comprovante para o número (61) 99602-4242, via Whatsapp.

Shabat

Para celebrar esse momento especial, onde haverá compartilhamento de ideias e ensinamentos, o Espaço com Cavaná ainda realizará, na sexta-feira (27) que antecede o workshop, um Shabat conduzido pela própria Sandra Strauss. O encontro será aberto ao público.

Além disso, a terapeuta ambiental, parceira do local, também concluirá o trabalho de harmonização no próprio Espaço com Cavaná, onde colocará as letras hebraicas para finalizar o processo.

“Toda energia precisa de algo físico para se manifestar. O mapa da árvore da vida já está na nossa casa e, agora, aguardamos as letras hebraicas para serem colocadas pela Sandra. No momento que forem inseridas, as energias serão ‘ajustadas’ para que a frequência do ambiente se equilibre e traga boas vibrações”, explica Enilce Versiani, sócia e idealizadora do ambiente.

Sobre o Espaço com Cavaná – De origem hebraica, Cavaná significa intenção consciente, foco do coração. Criar um ambiente cuja intenção fosse proporcionar o autoconhecimento e a conexão entre corpo e mente passou a ser o sonho de Enilce Versiani, após abrir as portas de sua casa, nos últimos quatro anos, para realização de palestras e atividades voltadas para a sabedoria milenar da Cabalá. Surgiu então o Espaço com Cavaná – Café e Bistrô, um local acolhedor, uma casa para compartilhar, ideal para prática de meditação, Theta Healing e Constelação Familiar; e para a realização de palestras com temas holísticos, debates sobre filmes e afins. Além disso, é possível desfrutar de uma gastronomia saudável e afetiva.

SERVIÇO:

ESPAÇO COM CAVANÁ
Endereço: CRNW 510 Bloco B Lote 2 Loja 9 – Noroeste, Brasília-DF

Telefone: (61) 99646-7242

Funcionamento: De terça a quinta, das 16h às 22h; sexta, das 16h às 23h; e sábados e domingos, das 9h às 16h.

O que: Cabala da casa, com Sandra Strauss
Quando: 
28/9 (sábado), das 14h30 às 18h30
Onde: 
Espaço com Cavaná (CRNW 510)
Quanto: 
R$ 306 à vista ou R$ 360 com opção de parcelamento em 2x


Sobre o Blog

Aos 14 anos, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Social LikeBox & Feed plugin Powered By Weblizar



Parcerias