Aplausos para os jovens atores

Ricardo Callado11/07/20198min
Cia Elefante Branco, formada por estudantes do CEMEB, completa um ano de atividades

Você sabia que o Centro de Ensino Médio Elefante Branco tem uma Cia de Teatro que completou um ano de existência? Ela foi criada a partir de atividades internas da instituição de ensino e se resumiu a um pequeno grupo. Agora, o cenário é outro: são dezenas de integrantes que têm recebido os aplausos não só dos colegas e professores, mas também do brasiliense, em vários palcos da cidade.

No elenco, estão estudantes do 2º ano do Ensino Médio com idades entre 15 e 18 anos e têm interesse em aprender artes cênicas com mais propriedade. “A primeira vez que você entra em cena é um choque, o coração parece estar na boca. Você não pode errar o texto, a marcação para não derrubar o cenário. É um compromisso muito grande. Eu estou adorando”, conta Sabrina Bastos, protagonista em uma das peças.

Em junho de 2018, época da criação, eram dez jovens e, hoje, são 30 integrantes que atuam nos palcos e nos bastidores em áreas indispensáveis como roteirização, cenário, iluminação, sonoplastia, figurino e maquiagem. Porém, o trabalho exige de todos estudo constante e intenso, visto que é preciso se debruçar em textos de variados estilos, épocas e abordagens, de escritores brasileiros e estrangeiros como Federico García Lorca, William Shakespeare e Nelson Rodrigues. Com isso, na prática, os meninos têm acesso a um material que, talvez, se não fosse a companhia, não teriam a oportunidade de conhecer.

Os ensaios ocorrem nos intervalos e no turno contrário das aulas. O esforço é coletivo, inclusive do professor que abre mão das folgas, para aproveitarem cada minuto. Com tanto empenho e persistência, eles já conseguiram concretizar espetáculos como “Romeu & Julieta em Cartas de Baralho”, “A casa de Bernarda Alba”, “Marat-Sade”, “Bang-Bang: Você Morreu” e “Valsa Número 6”. “É muito trabalho, é muita coisa para a gente fazer, mas é bom, dá muito prazer em mexer com teatro”, avalia Vitor Aderaldo, 16 anos, um dos integrantes.

Os convites não param. Quer saber de alguns mais recentes? No início deste mês, o elenco foi destaque na Mostra Dulcina de Moraes, no Teatro Dulcina (Conic). Em junho, os visitantes da 35ª Feira do Livro de Brasília conferiram o desempenho dos adolescentes e se encantaram com a atuação deles.

Origem

O Festival de Teatro foi o começo. O primeiro foi no começo 2018, quando o professor e diretor teatral, Marcello D’Lucas, decidiu que as encenações em sala poderiam ser compartilhadas. Com isso, cada turma passou a apresentar um espetáculo. O evento se repetiu semestralmente e, a cada edição, são 2.500 estudantes, no Auditório do Centro de Ensino Médio Elefante Branco, concentrados nas falas e na expressão facial dos atores.

O festival estimulou a reflexão e debate sobre temas polêmicos e atuais como bullying, suicídio e violência. O sucesso foi tanto que D’Lucas lançou a proposta de ciar uma companhia para tornar a prática uma constante. Logo de início, houve centenas de inscritos. Porém, para garantir melhores resultados, foi preciso estabelecer alguns critérios. Entre eles, estar matriculado no CEMEB, ter participado do festival e provar comprometimento para estar presente nas reuniões, ensaios e apresentações.

Efeito dominó

Os reflexos do projeto são visíveis não só no grupo. “Os colegas de outras disciplinas têm comentado que os meninos estão mais concentrados, maduros e comprometidos. O teatro tem esse poder de mexer com as pessoas e de estimular a criatividade, a sensibilidade e o senso crítico. Eu atribuo estas mudanças também ao fato de que eles são responsáveis pela cia, eu sou apenas um suporte. São eles que decidem, fazem e assumem compromissos entre eles e com o público”, avalia o professor D’Lucas.

Nicolas Gomes, 17 anos, é um dos que encara o trabalho com seriedade. “O teatro tem feito uma transformação. Participar da companhia tem sido um verdadeiro prazer para mim. Tem ensinado a trabalhar em grupo, a lidar com diferenças, tem feito muitas mudanças na minha vida”, comenta.

As histórias inusitadas são muitas. Pedro Almeida, 16 anos, que usa óculos, sabe bem o que é lidar com situações não previstas. Durante uma das peças, ele saiu de cena e, enquanto aguardava a hora de voltar colocou os óculos por alguns segundos. “O problema é que quando voltei ao palco eu esqueci de tirar os óculos, entrei com eles, e só me dei conta quando estava no meio da fala. Os óculos não combinavam nada com meu personagem, que era de uma outra época e jamais teria usado a minha armação. Mas, não pude fazer nada. Tive que terminar a fala como se nada estivesse errado’, relembra sorrindo.

Cia em família

A Cia de Teatro Elefante Branco é literalmente uma família. A prova disso é que o reconhecimento vem do corpo docente, dos estudantes do CEMEB e, também, dos parentes dos jovens atores, que sempre comparecem em peso às apresentações realizadas para o público em geral. Por mais que saibam da proposta, muitos se surpreendem com a desenvoltura que os adolescentes têm adquirido.

Lucas Aderaldo é um dos que aplaudem de pé cada vez que o filho e demais participantes da cia entram em cena. “Em casa, ele estuda teatro, peças, filmes, pesquisa sobre atores. Está até estudando inglês porque sonha em investir nesta área e ser ator nos Estados Unidos. Eu tenho que apoiar”, conclui.

Ricardo Callado

Jornalista, blogueiro, escritor e consultor político. Exerceu a função de secretário de Comunicação Social do Governo do Distrito Federal. Foi Diretor de Redação do Grupo Comunidade de Comunicação – responsável pelos jornais da Comunidade e O Coletivo. É autor do livro PANDORA – e outros fatos que abalaram a política de Brasília.


Comente esta publicação

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com (*) são obrigatórios.

 

Sobre o Blog

Com 15 de existência, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Social LikeBox & Feed plugin Powered By Weblizar



Parcerias