2015 novembro

Bring to the table win-win survival strategies to ensure proactive domination. At the end of the day, going forward, a new normal that has evolved from generation.
aGNELO-1.jpg

Ricardo Callado30/11/20156min

aGNELO 1

Por Redação Radar – Depois de ter o nome citado junto com outros políticos que teriam se beneficiados com o esquema de propinas da construtora Andrade Gutierrez, em notícias publicadas pela imprensa neste final de semana, o ex-governador Agnelo Queiroz já não dorme mais direito e não sabe o que fazer se o juiz Sérgio Moro decretar a sua prisão temporária como vem fazendo com todos os que aparecem no bojo das deleções premiadas da lava-jato.

Do portal Radar Condomínios – O ex-governador Agnelo Queiroz (PT) até que pensou botar a cabeça de fora com o “volta Agnelo”, estimulado pela má gestão do Governo Rollemberg, porém resolveu embernar de vez e ficar com a barba de molho após a construtora Andrade Gutierrez ter iniciado as tratativas para um acordo de leniência admitindo crimes de corrupção em contratos em obras da Petrobras e na construção do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília.

Sede de sete jogos durante o Mundial, a arena custou R$ 1,6 bilhão, mais do que o dobro do valor inicial, previsto em R$ 670 milhões. Seria ainda o segundo estádio mais caro do mundo, perdendo somente para Wembley, em Londres.

No acordo de delação premiada, a Andrade Gutierrez aceitou falar tudo o que sabe, bem como pagar uma multa de 1 bilhões de reais. O presidente da Gutierrez e o executivo Elton Negrão foram presos pela 14ª fase da operação lava-jato deflagrada em julho por agirem de forma mais sofisticada no esquema de corrupção e fraudes de licitações da Petrobras.

O acordo de delação foi feito em conjunto com a Procuradoria-Geral da República (PGR), por envolver políticos com foro privilegiado, como ministros, deputados e senadores, com a Procuradoria da República no Paraná e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Em troca, a Andrade Gutierrez pretende sobreviver ao não ser proibida de fechar contratos com a administração pública caso seja considerada inidônea, julgamento que já asfixiou financeiramente outras concorrentes no passado, como a Delta Construções.

A construtora que integrou o consórcio responsável pela construção da arena mais cara da Copa do Mundo de 2014, o Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, confessou um esquema de propina para conseguir obras federais, incluindo as do Mundial de futebol. O reconhecimento de irregularidades por parte da Andrade Gutierrez reforça as suspeitas de que as obras do Mané Garrincha foram superfaturadas.

O Mané Garrincha foi construído pelo Consórcio Brasília, formado pela Andrade Gutierrez e pela Via Engenharia. A empresa também fez parceria para a reforma do estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro; do Beira-Rio, em Porto Alegre e na construção da Arena Amazonas, em Manaus. Todos foram utilizados na Copa do Mundo do ano passado.

Na quinta-feira (27), os executivos presos da Gutierrez saíram do Complexo Médico Penal de Pinhais (PR), na região metropolitana de Curitiba, e foram levados para a Superintendência da Polícia Federal no Paraná. Lá, reuniram-se com advogados e investigadores. Um dos objetivos era delinear quais temas serão tratados em cada anexo da delação premiada que eles farão para complementar o acordo de leniência da empresa.

A notícia dando conta de que o nome de Agnelo Queiroz fora citado pela Andrade Gutierrez deixou o ex-governador do Distrito Federal assustado com o pior que pode acontecer. A prisão é a sua maior preocupação, já que tem sido uma prática do juiz Sergio Moro ao lidar com os envolvidos que aparecem nas delações premiadas. Como candidato à reeleição pelo PT, o ex-governador não chegou ao segundo turno, mas foi o candidato que mais arrecadou dinheiro para a campanha eleitoral, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Foram R$ 16.651.626 em doações de empresas, pessoas físicas e do próprio partido. Dentre os maiores doadores para a campanha petista foi à empreiteira OAS (enroscada na Lava-jato), com R$ 2,1 milhões, e a construtora Andrade Gutierrez, com R$ 2,4 milhões. Agnelo temem que na delação premiada possa aparecer o que foi dado por fora. Agora lascou.

Da Redação Radar


image_gallery.jpg

Ricardo Callado30/11/201511min
Foto: Carlos Gandra/CLDF
Foto: Carlos Gandra/CLDF

Propostas que o GDF diz serem necessárias para assegurar o aumento nos contracheques estão à espera de votação. Ao todo, são 11 proposições do Executivo

Por Manoela Alcântara, do Metrópoles – Faltam pouco mais de duas semanas para o fim das atividades legislativas de 2015, e os 11 projetos apresentados pelo governo para aumentar a arrecadação e pagar o reajuste dos servidores ainda não foram votados. Alguns até têm consenso entre os parlamentares, mas foram retirados pelo GDF por terem a redação ruim ou apresentarem algum vício.

O Projeto de Lei nº 738, que prevê a venda de 32 terrenos da Terracap, por exemplo, será desmembrado em três e ainda não retornou à Câmara para ser apreciado. Proposições que aumentam impostos ou pesam diretamente no bolso da população terão resistência entre os parlamentares.

No início de outubro, os servidores públicos do DF entraram em greve para pedir que a última parcela do reajuste concedido ainda no governo de Agnelo Queiroz (PT) a 32 categorias fosse pago. O GDF alegou não ter dinheiro, e se comprometeu a pagar os aumentos em outubro de 2016. No entanto, os condicionou à aprovação de 11 projetos de lei, citados em diversas negociações.

Na época, um grupo de deputados distritais acertou com o governo que aprovaria as medidas para que os empregados públicos voltassem ao trabalho.

No entanto, o deputado Wellington Luiz (PMDB) afirma não reconhecer esse acordo. “Ele (Rollemberg) sentou com alguns deputados e negociou. Ele tem que conceder o reajuste, porque é lei. A Câmara aprovou diversos projetos que geram receita ao GDF. Além disso, teve o dinheiro do Iprev”, disse. O peemedebista faz outra crítica: “Ainda não votamos porque os projetos estão mal formulados. Ele manda para a Câmara, tem que retirar e enviar de novo. Estamos aguardando que as propostas cheguem com as novas redações”, afirmou.

Além do PL nº 738, o governo  precisa reenviar à Câmara com PLC nº 35. Ele previa o taxamento de áreas verdes invadidas com o cálculo baseado no Imposto de Transmissão de Bens Imóveis Inter Vivos (ITBI), mas terá que manter o IPTU como referência, pois os valores a serem pagos seriam inviáveis para a população. Em alguns casos, um morador que pagava R$ 1 mil de IPTU teria de pagar R$ 3 mil. Mas, chegando à Câmara, esse não será o maior entrave do Executivo.

Os problemas estarão nos aumentos de impostos ou nas medidas que oneram a população. O Projeto de Lei nº 743, que aumenta a taxa de licenciamento de veículos, de R$ 58 para R$ 81,20, por exemplo, está longe do consenso. “Os projetos que não prejudicarem a população, a Câmara vai aprovar. Os que oneram serão mais difíceis de passar”, acredita o líder de bloco Amor por Brasília, Rodrigo Delmasso (PTN).

Chico Vigilante, líder do bloco do Partido dos Trabalhadores, disse que, se depender dele, o PL n° 743 não passa, por ser abusivo. “Nos comprometemos em aprovar aquela questão dos terrenos. Se tem uma coisa que vale é a palavra da gente. O governo só precisa acertar a redação”, lembrou.

Já o líder da Rede Sustentabilidade, deputado Chico Leite, disse que vai analisar um a um antes de emitir opinião.

Servidores

A diretora do Sindicato dos Professores (Sinpro) Rosilene Corrêa, afirma que essa não é uma preocupação das entidades representativas.

“O governador Rodrigo Rollemberg tem que buscar o que for preciso para manter o acordado. Só o que não pode fazer é responsabilizar o servidor por medidas que façam a população pagar mais impostos e nos culpem por isso. Também somos cidadãos e pagamos impostos”, diz Rosilene Corrêa.

Para o secretário adjunto de Relações Institucionais, Igor Tokarski, projetos importantes já foram aprovados, mas a venda dos terrenos é o mais relevante na busca por recursos. “Estamos conversando com os parlamentares, um a um, com as equipes técnicas, tirando questões que tragam dúvidas. As negociações têm evoluído. Estamos construindo uma relação interessante com os deputados”, disse.

 

Confira os projetos enviados pelo governo à Câmara

1 — O Projeto de Lei Complementar nº 24 altera a poligonal do Parque Ecológico Ezechias Heringer, no Guará. A proposta consiste em vender uma área degradada e incorporar outra ao terreno do parque. Estima-se que a venda arrecade em torno de R$ 300 milhões para os cofres públicos.

Situação: é um projeto que gera especulação sobre a destinação do terreno. Pode ter dificuldades para ser aprovado

2 — O Projeto de Lei Complementar nº 28 determina que o montante que vai para o Fundo de Desenvolvimento do Distrito Federal seja aplicado até atingir o saldo de 0,5% da receita corrente líquida. O que ultrapassar deve ser usado para a construção e a manutenção da infraestrutura de transporte.O governo deixa de perder R$ 180 milhões com a medida.

Situação: há consenso

3 — Com valor estimado de R$ 89,7 milhões para o Executivo, o Projeto de Lei nº 646 dispõe sobre o processo de venda de 13 imóveis da antiga Sociedade de Abastecimento de Brasília. As propriedades serão doadas ao Distrito Federal e, posteriormente, transferidas para a Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap).

Situação: há consenso

4 — O Projeto de Lei nº 668 estabelece elevação da Taxa de Limpeza Pública do DF para grandes geradores de resíduos sólidos, como centro comerciais, hospitais particulares e supermercados. A previsão de arrecadação é de R$ 50 milhões anuais.

Situação: está parado, não há consenso

5 — O Projeto de Lei nº 694 sugere alteração de 2% nas alíquotas dos produtos destinados ao Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza. A proposta acresce embarcações de lazer, perfumes e cosméticos nacionais, cerveja sem álcool e aeronaves não propulsadas. A expectativa é de que, em um ano, arrecadem-se R$ 34 milhões.

Situação: as taxas sobre os refrigerantes eram um ponto de discussão. Mas, com a retirada da bebida do projeto, há consenso entre os parlamentares

6 — Alteração no texto das leis que regulamentam as outorgas onerosas desburocratizará o processo e facilitará o pagamento e, consequentemente, a aquisição do habite-se.

Situação: foi retirado para ser corrigido e volta à plenário na próxima semana

7 — O Projeto de Lei nº 738 propõe a venda de 32 imóveis da Terracap, que poderá trazer a arrecadação de R$ 800 milhões aos caixas do governo.

Situação: foi retirado para correções. Será desmembrado em três e deve ter dificuldades na aprovação quando a venda se tratar de terrenos para escolas, creches e postos de saúde

8 — O Projeto de Lei Complementar nº 34 prevê o fortalecimento da Procuradoria-Geral do Distrito Federal na cobrança de créditos da dívida ativa.

Situação: havia uma briga entre auditores e procuradores sobre o projeto, mas o GDF garantiu que a situação está resolvida

9 — O Projeto de Lei nº 743 altera a Lei nº 3.932, de 2006, e determina o aumento na cobrança da taxa de licenciamento de veículos no Distrito Federal, de R$ 58 para R$ 81,20. O objetivo do Departamento de Trânsito com a medida é equiparar o valor praticado ao de outras unidades da Federação.

Situação: os deputados não devem aprovar porque onera o contribuinte. O governo diz que não é uma prioridade

10 — O Projeto de Lei Complementar nº 35 define taxas para residências que invadem áreas verdes.

Situação: foi retirado pelo governo para alterações e deve ser devolvido à Câmara na próxima semana

11 — O Projeto de Lei nº 744 sugere o reajuste do Imposto Sobre Serviço de Cartórios. Com a aprovação, a alíquota passará de 2% para 5%, resultando em R$ 6,6 milhões ao ano para o caixa do Executivo.

Situação: não faz parte das prioridades. Ainda há diálogo sobre o assunto. A probabilidade de ser aprovado é alta


poliglota.jpg

Ricardo Callado30/11/20153min
Poliglota ao lado do presidente do DEM, Alberto Fraga
Poliglota ao lado do presidente do DEM, Alberto Fraga

 

Num clima de festa, foi escolhida no sábado a nova Diretoria Executiva do Partido Democratas do Distrito Federal (DEM-DF) e implantado o DEM Mulher, projeto trabalhado durante esses dois últimos anos. A presidente é Mirtha Fraga, que vem com muita vontade de alavancar o partido e colocá-lo num patamar de respeito dentro do cenário político feminino do Distrito Federal.

Na mesma convenção foi referendado o atual presidente, o deputado federal Alberto Fraga, para mais um triênio de mandato. Para a vice-presidência foi aclamado o ex-candidato a deputado distrital nas eleições de 2014, com cerca de 6 mil votos, o policial militar Poliglota.

É de três anos o mandato dos membros dos órgãos partidários, cuja eleição se dará de forma conjunta e simultânea em cada esfera de administração, sendo permitida a reeleição. A Comissão Executiva Nacional poderá prorrogar em até um ano o mandato dos órgãos partidários.

A eleição do policial militar, jornalista e blogueiro Poliglota para a vice-presidência, abre um canal de representação bastante promissor entre os interesses da classe policial com o Congresso Nacional, já que o diálogo com a esfera federal se tornará mais direta tendo como interlocutor o deputado Fraga, remanescente das fileiras da Corporação PMDF e atuante dentro do parlamento.

Carentes de uma representação Distrital (a corporação não teve nenhum representante eleito), a eleição do Deputado Federal Alberto Fraga acabou por gerar expectativas positivas no seio da classe. O Deputado não se furta de afirmar que ficou bastante orgulhoso e otimista quando seu nome passou a ser um dos prováveis concorrentes ao governo do Distrito Federal para 2018. Para isso vem trabalhando em vários projetos com vistas aos pleitos, porém, sempre com os pés no chão e atento a todas as movimentações do atual governo do DF. “Somos hoje o segundo maior partido em filiações dentro do Distrito Federal e ao longo dos próximos 3 anos vamos intensificar as filiações para alcançarmos o primeiro lugar. Nomes de peso do cenário político da capital já estão alinhados com a nova filosofia a ser implantada pelo Democratas e com certeza vamos vir com muita força em 2018”, disse Fraga.


delcidio_familia_.jpg

Ricardo Callado30/11/20151min
delcidio_familia_
Senador Delcídio do Amaral com a esposa e as filhas

Qualquer tentativa de estabelecer pontes será dinamitada

Por Vera Magalhães – A família e a defesa de Delcídio do Amaral estão decididas a barrar qualquer tentativa por parte do PT, do governo e do ex-presidente Lula de estabelecer “pontes” e tentar acalmar o senador petista, preso na semana passada na Lava Jato.

A avaliação é que “não há como consertar” o estrago causado pela nota oficial do presidente do PT, Rui Falcão, negando solidariedade ao senador horas antes de o Senado decidir se ele continuaria ou não preso.

 

“Qualquer tentativa de estabelecer pontes será dinamitada, e não vai nem chegar nele”, diz uma pessoa que faz parte do grupo restrito que tem acesso a Delcídio e acompanha a estratégia de defesa. (Coluna Radar)


rollemberg1.jpg

Ricardo Callado28/11/20154min
Foto: Toninho Tavares
Foto: Toninho Tavares

Indícios de incêndio criminoso em terreiro de candomblé motivaram a decisão do governador

Por Mariana Damaceno – O governador Rodrigo Rollemberg determinará ao diretor-geral da Polícia Civil, Eric Seba, que crie uma delegacia especializada em crimes de racismo e de intolerância. O chefe do Executivo comunicou a proposta durante visita ao terreiro de candomblé Axé Oyá Bagan, no Paranoá, na tarde deste sábado (28). O galpão do local foi destruído por um incêndio na sexta-feira (27) e há indícios de ação criminosa. “Não podemos admitir que, na capital da República, tenhamos demonstrações de intolerância religiosa.”

Rollemberg solicitou ao diretor-geral da Polícia Civil e ao comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, coronel Hamilton Santos Esteves Junior, que as investigações sobre as causas do incêndio e a identificação dos responsáveis sejam tratadas como prioridade. Segundo o coronel Hamilton, o laudo da perícia deve sair em até 30 dias.

Sem vítimas, o incêndio foi verificado por volta das 5h30, no galpão do terreiro, que fica no Núcleo Rural Córrego do Tamanduá. O espaço recebia por semana cerca de 50 pessoas. Tudo havia sido construído pelos religiosos.

Emocionada, Adna Santos de Araújo (Mãe Baiana), que vive no terreno onde foi construído o galpão, espera que, se houver responsáveis, eles sejam punidos. “Isso demonstra uma intolerância muito grande e cruel, é desamor com o próximo.”

Acompanharam o governador no terreiro de candomblé o secretário de Cultura, Guilherme Reis, e o coronel Hamilton.

Denúncias

Dossiê da Subsecretaria de Igualdade Racial soma, com esta, 13 denúncias de ataques a templos de religiões de matriz africana — 11 em municípios do Entorno, fora da área de atuação do governo de Brasília. Além do incêndio dessa sexta-feira (27) em um terreiro de candomblé da cidade, há registro de depredações na Praça dos Orixás, na Prainha do Lago Paranoá. Parte das 16 imagens expostas no local foram roubadas, vandalizadas e até queimadas.

Especializadas

Em Brasília, a população conta com 10 delegacias especializadas, entre elas a de Atendimento à Mulher e a da Criança e do Adolescente. Em São Paulo, há nove anos existe a Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Raciais e Delitos de Intolerância.


fercal.jpg

Ricardo Callado28/11/20153min

fercal

Foram oferecidos atendimento médico e odontológico, consultoria jurídica e psicossocial, oficina de prevenção a obesidade, orientações sobre alimentação saudável e emissão de documentos

Neste sábado (28) aconteceu a terceira edição do Mutirão da Cidadania. O evento foi realizado na Escola Classe Engenho Velho, na Fercal, e ofereceu atendimento médico e odontológico, consultoria jurídica e psicossocial, oficina de prevenção a obesidade, orientações sobre alimentação saudável e emissão de documentos, como carteira de trabalho e identidade. Participaram da abertura do evento o governador Rodrigo Rollemberg (PSB), o deputado Raimundo Ribeiro (PSDB), o secretário de Justiça e Cidadania, João Carlos Souto, e o administrador regional de Sobradinho, Divino Sales.

Assim como nas duas primeiras edições, uma em Sol Nascente e outra em Arapoanga, o objetivo foi conscientizar a população sobre os direitos e deveres do cidadão e informar onde e de que forma são prestados os serviços públicos.

O Mutirão conta com a participação de secretarias e órgãos do Governo de Brasília e tem apoio do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, do Tribunal Regional Eleitoral e da Marinha do Brasil.

A atividade era prevista para um dia, mas o trabalho na Fercal continua. “A escola está pronta para receber seus alunos e, durante os dias de preparo do evento, iniciaram a reforma do CRAS que continua na próxima terça ” , relatou Raimundo Ribeiro que levou a sugestão da Fercal para a ação da Secretaria de Justiça e Cidadania.


mane-garrincha.jpg

Ricardo Callado28/11/20151min

mane garrincha

Por Lauro Jardim – Além dos nomes de Sérgio Cabral e Edison Lobão, conforme publicado pela Folha de S. Paulo de hoje, outros dois políticos têm que botar as barbas de molho agora que os onze executivos (e ex-executivos) da Andrade Gutierrez fecharam suas delações premiadas na Lava-Jato. São eles, o atual ministro das Minas e Energia, ex-senador e governador pelo Amazonas, Eduardo Braga; e o ex-governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. A assessoria do ministro Eduardo Braga entrou em contato para afirmar que ele não fez, como governador, qualquer pagamento para a Andrade Gutierrez. Apenas aprovou a construção do estádio.



Ricardo Callado27/11/20155min

banner_opinião

O governo Rodrigo Rollemberg (PSB) vem “sofrendo” com o Complexo de Poliana e tenta incutir no inconsciente popular o mesmo sentimento, levando o brasiliense à ilusão de achar que está tudo bem.

A expressão “Complexo de Poliana” surgiu com o livro “Poliana Moça”, onde a protagonista só via o lado bom e humano das coisas. Ela era incapaz de ver maldade nas pessoas.

Lançado em 1915, a autora Eleanor H. Porter conta a história de uma garota que criou com seu pai o jogo do contente (uma brincadeira na qual sempre se deve ver o lado bom de tudo que acontece).

A estratégia não vem dando certo porque não é fácil produzir notícias positivas num mar de problemas estruturais e de administrativos. Por mais que o governo Rollemberg se esforce, o brasiliense vive de fato na mais dura realidade.

O dia a dia está aí para todos verem. É aumento de passagem de transporte coletivo, buracos na rua, greves em diversos setores essenciais do serviço público, IPTU e IPVA com valores maiores do que se devia, hospitais e postos de saúde com muitos problemas e uma letargia administrativa.

Além disso, a briga de egos e facções dentro do Executivo complica ainda mais a vida de Rollemberg. O primeiro escalão pode ser dividido em três categorias: os que possuem poder, os deslumbrados pelo poder e os que acham que têm poder.

Uma coisa em comum entre os três tipos: todos não levam a verdade nua e crua do descontentamento popular ao governador. Ou para isolá-lo da realidade ou por medo de ser portador de notícias ruins e terem seus cobiçados cargos ameaçados.

Há, ainda, uma eminência parda. Uma éminence grise (francês) é um poderoso assessor ou conselheiro que atua nos bastidores ou na qualidade não-pública ou não-oficial. E tem o controle do governo ou do governante. É alguém que não tem empregador e tenta diminuir quem tem.

O governo, isolado da realidade do que se passa nas ruas e nos gabinetes vizinhos ao seu, tenta pelo menos que a população ache que não existem problemas. Ou que a culpa é do anterior. Ou do Legislativo. Ou do Judiciário. Ou dos sindicatos. Ou da crise financeira. Ou da população. Mas nunca dele. Assim é orientado.

Eu também sofro de Complexo de Poliana, o que me leva a ver o lado bom das coisas. Esse conjunto de complicações que Rollemberg vem enfrentando pode servir para que, quem sabe um dia, acorde e tome as rédeas de seu governo.

Afinal, não estão todos cegos e surdos. Mas, muitos estão mudos e não relatam as causas e consequências que levariam a um triste rumo um governo que veio prometendo algo diferente.

Mas, segundo um assessor do Palácio do Buriti, Rollemberg estaria bem acordado e a única coisa que ainda tira o seu sono é a crise financeira. O resto vai bem. Assim são os conselhos que recebe. O governo não teria culpa.

Espero que o Complexo de Poliana possa servir para o governador receber as críticas pelo lado construtivo. Em meu Complexo de Poliana, acredito que Rollemberg irá, de verdade, tornar Brasília uma cidade melhor. E vencer a guerra da comunicação. Ele, o governador, e não prepostos.

 


OAB-fachada-1.jpg

Ricardo Callado27/11/20152min

OAB-fachada

Reunido nesta quinta-feira (26), o Conselho Pleno da Seccional da OAB do Distrito Federal, nos termos do Regulamento Geral da entidade, aprovou a proposta orçamentária referente ao exercício do próximo ano, fixando o valor da Anuidade de 2016 cobrada aos advogados do Distrito Federal em R$ 740,00, para pagamento parcelado em até cinco vezes, ou R$ 700,00 no caso de pagamento à vista.

Ao advogado iniciante (nos cinco primeiros anos de atividade) será concedido desconto de 50%, ficando o valor em R$ 370,00 parcelado em cinco vezes (R$ 74,00 cada parcela) ou cota única de 350,00. Para o estagiário, o valor fixado da anuidade é de R$ 300,00, que pode ser parcelado em cinco vezes (R$ 60,00 cada parcela).

Relator da matéria, o conselheiro Carlos Augusto Lima Bezerra justificou a necessidade do reajuste frente à realidade inflacionária e ampliação das despesas decorrentes dos serviços prestados pela entidade. Destacou o relator que, ainda assim, o novo valor não corresponde sequer à aplicação do menor índice inflacionário do período em que a anuidade esteve congelada, e que segue como uma das mais baixas dentre as Seccionais de todo o país. A proposta orçamentária foi aprovada à unanimidade pelos conselheiros, em sessão que contou com a presença de toda a Diretoria da entidade.


delcidio.jpg

Ricardo Callado27/11/20151min
Líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS)
Líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS)

Senador começou conversas com procuradores, mas vai ter que ‘atirar para cima’ para conseguir um acordo

Por Murilo Ramos – O senador Delcídio do Amaral, preso pela Polícia Federal por tentar obstruir a Lava Jato, começou a negociar uma delação premiada com a Procuradoria-Geral da República. Os procuradores, no entanto, só vão topar se ele entregar mais do que malfeitos de Nestor Cerveró. Já avisaram: se quiser conversa, Delcídio vai ter que atirar para cima. (Do Expresso Epoca)



Sobre o Blog

Aos 14 anos, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar



Enquete
Qual o melhor critério para escolha dos administradores regionais: