Arquivos Izalci Lucas - Blog do Callado

izalci-e1481205466370.jpg

Ricardo Callado09/10/20181min

Na noite desta terça-feira (09), às 19h, na sede do PSDB do Distrito Federal a Executiva Regional do partido anunciará o apoio à candidatura de Ibaneis Rocha (MDB) para o governo do DF.

Os tucanos no primeiro turno coligaram com o candidato do DEM, Alberto Fraga que ficou em sexto lugar na disputa com 5,88%.

No Distrito Federal, o PSDB elegeu o deputado federal Izalci Lucas para o Senado.

Senado eleito, Izalci obteve mais de 400 mil votos. O tucano declarou que se aliaria ao emedebista pela afinidade de propostas. Os dois se encontraram ainda na segunda e selaram o acordo.

Izalci Lucas criticou a atuação do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) e disse que o alto índice de rejeição do chefe do Executivo local não o credencia a permanecer no comando do GDF.

“Não podemos estar ao lado de um político que promete e não cumpre”, pontuou, numa referência ao reajuste da Polícia Civil.


izalci-cristovam-e-rosso.jpg

Ricardo Callado25/07/20183min

Durante toda a terça-feira (24), integrantes da terceira via cogitaram possibilidades para encabeçar a chapa após Frejat (PR) deixar disputa

 Por Manoela Alcântara e Isadora Teixeira

O deputado federal Rogério Rosso (PSD) não será candidato ao Palácio do Buriti em outubro. Durante reunião ao longo desta terça-feira (24/7) que avançou noite adentro, a terceira via decidiu voltar à formação original da coalizão. Assim, Izalci Lucas (PSDB) se mantém como o cabeça de chapa, a vaga de vice deve ficar para o PRB, e os postulantes ao Senado – até o momento – são Rosso e Cristovam Buarque (PPS). A composição conserva juntos PPS, PSDB, PSD, PRB, PSC e DC.

Logo após ser cogitada a desistência de Jofran Frejat (PR) à disputa pelo Governo do Distrito Federal (GDF), no último dia 13, Rosso foi indicado por aliados para representar o grupo. No entanto, com a confirmação de que o médico estará fora do páreo, também nesta terça, a intenção não se manteve: Rosso não quis concorrer ao posto de governador.

“Vamos continuar conversando com todo mundo, ver quais outros partidos podem vir com a gente, mas a majoritária está definida”, afirmou Izalci Lucas. Mesmo após a maior parte da aliança defender a troca do deputado pelo colega de Congresso Rogério Rosso, Izalci se manteve irredutível e declarou a intenção de ser candidato, ainda que precisasse sair sozinho ou com, no máximo, mais três siglas.

Rosso já tinha propostas

Anunciado por aliados como como pré-candidato ao Senado, Rogério Rosso ressaltou a necessidade de “fazer um exercício gigantesco de desprendimento e serenidade, pois estão em primeiro lugar os interesses da população e o resgate do DF”, disse. As mudanças na composição da coalizão foram confirmadas pelo coordenador da terceira via, senador Cristovam Buarque.

Na última sexta-feira (20/7), Rosso declarou o desejo de validar propostas com os apoiadores antes de decidir se aceitava a indicação da terceira via. Entre os temas tratados, estavam a retomada da gestão pública do Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF), com a extinção do instituto criado pelo atual chefe do Executivo local, Rodrigo Rollemberg (PSB), e a reabertura de delegacias.

Da Redação com informações do Metrópoles


izalci-1.jpg

Ricardo Callado20/07/20185min

Até esta quinta-feira, coligação de seis partidos apoiava nome do presidente do PSDB como pré-candidato.

Por Mateus Rodrigues e Gabriel Luiz, G1 DF

Deputado federal Izalci (PSDB-DF) em discurso na Câmara dos Deputados (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados/Divulgação)

Mesmo não sendo mais o “pré-candidato oficial” da coligação envolvendo o partido dele, o deputado federal Izalci Lucas (PSDB) disse que não vai desistir de concorrer ao cargo de governador do Distrito Federal.

“Continuo candidato. Meu compromisso é com a cidade. Não abro mão disso. Até abriria se conhecesse um projeto melhor que o meu.”

Nesta quinta-feira (19), a coligação que une PSDB, PRB, PPS, PSC, PSD e DC anunciou o nome do também deputado federal Rogério Rosso (PSD) como pré-candidato a governador. Para vice-governador, ainda não há definição. Até então, o grupo de partidos apoiava o nome de Izalci.

Tanto Izalci quanto Rosso são presidentes das legendas deles no Distrito Federal. Segundo a nota emitida pela coligação, o nome de Rosso tem apoio de PRB, PSC, PSD e PPS. As siglas PSDB e DC manifestaram oposição à escolha.

Também na quinta, a coligação anunciou que o atual senador Cristovam Buarque (PPS) será candidato à reeleição.

Coligações em contato

Ao longo da semana, os representantes da legenda chegaram a se reunir com o ex-secretário de Saúde do DF Jofran Frejat (PR) – que era pré-candidato, mas anunciou desistência da disputa nos últimos dias.

A coligação de Frejat é composta por PR, PP, MDB e DEM. Sem o médico como cabeça de chapa, até esta quinta, os partidos ainda não haviam anunciado uma nova candidatura para o Buriti.

Prazos eleitorais

O calendário eleitoral tem prazos a serem observados por candidatos, partidos, eleitores e pela própria Justiça Eleitoral.

As convenções para a escolha dos candidatos deverão ocorrer entre os dias 20 de julho e 5 de agosto. O último dia para os partidos políticos e as coligações apresentarem o requerimento de registro de candidatos é 15 de agosto.

A disputa ocorrerá no dia 7 de outubro, em primeiro turno, e no dia 28 de outubro, nos casos de segundo turno.


buriti-lilas-pedro-ventura-agencia-brasilia-640x427.jpg

Ricardo Callado14/07/20184min

Por Ricardo Callado

A sexta-feira, 13, foi movimentada na política brasiliense. Duas notícias agitaram os bastidores. A primeira, publicada pelo Estado de S.Paulo, fala de um acordo em entre os presidentes nacionais do PSDB e PSD, Geraldo Alckmin e Gilberto Kassab, respectivamente.

Nesse acordo, Alckmin aceitaria rifar a candidato do deputado Izalci Lucas (PSDB) ao Palácio do Buriti, para apoiar o também deputado Rogério Rosso (PSD) ao GDF.

Em troca, Alckmin ganharia o apoio do PSD a sua candidatura ao Palácio do Planalto. A barganha política também afetaria disputas no Rio Grande do Norte e no Rio de Janeiro.

Izalci negou a informação. Afirma que sua candidatura está mantida. E tenta reverter a situação. O desgaste foi imediato. Adversários políticos de Izalci cairam em cima. O tucano é o candidato que mais vem sofrendo ataques desde do início. Para qualquer lado que siga, sempre tem alguém puxando o seu tapete. Dentro e fora do partido. Pobre Izalci.

A segunda polêmica foi a notícia de que Jofran Frejat (PR) estaria desistindo de sua candidatura. Líder disparado nas pesquisas, Frejat é um homem honrado, na política há muitas décadas e sem nódoa de irregularidades.

Como no primeiro caso, surgiram versões diversas sobre a sua decisão (ou indecisão). O ataque especulativo vai desde que ele seria honesto demais para está com algumas companhias até que seria corrupto e que uma investigação da Polícia Federal atingiria a sua imagem. No caso, não é oito nem oitenta.

Até o seu adversário e candidato à reeleição, governador Rodrigo Rollemberg (PSB), ligou para Frejat e tirou uma casquinha do caso. Claro que a ligação vazou para a imprensa e se criou o “fato solidário”.

Frejat deu um freio de arrrumação. Mostrou que o rumo da campanha deve ser a sua maneira, e que concessões podem ser feitas, até porque ninguém governa sozinho. Mas que tudo tem um limite. E Frejat precisaria tomar uma decisão firma para estancar esse processo. A repercussão está sendo muito ruim para a sua candidatura, devido as inumeras versões, algumas para lá de fantasiosas. Mas que não deve afetar suas intenções de voto.

Se o recado de Frejat não foi entendido, ele liga o botão de foda-se, e vai para casa. No auge dos seus 81 anos de idade, ele tem todo o direito de tomar a decisão que lhe for afeita. Pobre Frejat.

Pobre, também, a política brasiliense que, de tão provinciana, ainda vive e sobrevive no esgoto e na desonestidade intelectual.

Frejat e Izalci são bons candidatos. Mas esbarram na velha política.


Izalci-Lucas.jpg

Ricardo Callado13/07/20182min

Por Delmo Menezes

Em entrevista concedida ao Agenda Capital nesta sexta-feira (13), o deputado federal Izalci Lucas (PSDB), desmete categoricamente a notícia que foi veiculada em jornal de grande circulação nacional, que seria vice do deputado Rogério Rosso (PSD) ao governo ao GDF.

De acordo com Izalci, o PSD nacional de Gilberto Kassab, fechou acordo com o PSDB para apoiar Geraldo Alckmin a Presidência da República, tratado por tucanos com uma vitória política em uma etapa decisiva das articulações partidárias.

No Distrito Federal, no entanto, o candidato da legenda ao Palácio do Buriti, continua sendo o deputado federal Izalci Lucas, afirmou um importante membro da executiva nacional do PSDB ao Agenda Capital.

Segundo o deputado Izalci, desde o início quando colocou seu nome na disputa ao GDF, alguns setores do meio político querem desestabilizar sua candidatura que já foi referendado pela executiva nacional da legenda.

“Em hipótese nenhuma serei vice ou disputarei outro cargo, a não ser de governador do DF. Ninguém bate em cachorro morto”, disse Izalci.

O PSDB nacional já sacramentou a candidatura do tucano ao Buriti e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), prorrogou os mandatos de todas as executivas provisórias de todo o Brasil por mais 180 dias.

A pergunta que não quer calar: “O que será que está por trás de todas estas movimentações para tirar Izalci do tabuleiro político?

Da Redação do Agenda Capital


rogerio_rosso.jpg

Ricardo Callado13/07/20186min

O presidenciável e presidente do PSDB Geraldo Alckmin (PSDB) fechou uma aliança com o PSD para as eleições 2018, que mexe diretamente bna disputa pelo Palácio do Buriti. O partido tiraria o deputado Izalci Lucas (PSDB) do páreo e apoiaria o ex-governador e deputado federal Rogério Rosso (PSD) para o governo do Distrito Federal. A informação foi publicada pelo jornal Estado de S.Paulo. Izalci negou e disse que sua candidatura está mantida.

Segundo o jornal, o anúncio oficial deverá ocorrer na convenção da sigla, prevista para o dia 28 deste mês ou 4 de agosto. O acordo injetou ânimo na pré-campanha tucana no momento em que partidos do Centrão, bloco partidário liderado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vivem um impasse sobre a corrida pelo Palácio do Planalto.

Nas eleições de 2014, o PSD elegeu 36 deputados – a quinta maior bancada da Câmara. Isso garantiria à legenda fundada pelo ministro Gilberto Kassab cerca de 1 minuto e 40 segundos de tempo de rádio e TV por dia nos dois blocos do horário eleitoral. O PSD tem 7,02% da fatia total do palanque eletrônico. Para efeito de distribuição de tempo de exposição no horário eleitoral, o critério é o tamanho da bancada eleita há quatro anos.

O acordo com o PSD é tratado por tucanos com uma vitória política em uma etapa decisiva das articulações partidárias. As convenções começam em menos de 15 dias e a campanha do ex-governador de São Paulo é vista com desconfiança por potenciais aliados por causa do seu desempenho nas pesquisas de intenção de voto – considerado aquém das expectativas.

Na negociação com Kassab, o PSDB abriu mão de lançar candidatos ao governo para apoiar nomes do PSD. É o caso do deputado Izalci Lucas, que abdicou da disputa no Distrito Federal em favor do deputado Rogério Rosso. No Rio Grande do Norte, o PSDB tirou da disputa o ex-governador Geraldo Melo para apoiar a reeleição do governador Robinson Faria. O PSD espera ainda suporte dos tucanos para a candidatura de Índio da Costa no Rio.

Com esse acordo, Alckmin caminha para cumprir a meta traçada por seus aliados no começo do ano: formar até julho um arco de alianças com pelo menos quatro partidos médios e grandes. O tucano já tem promessas de apoio do PPS, PTB e PV. Isso garantiria cerca de 20% do tempo reservado aos presidenciáveis no horário eleitoral.

“Esse bloco assegura um tempo de TV competitivo. Não dá para saber qual será o peso das redes sociais, mas a TV ainda tem a centralidade”, disse o deputado Marcus Pestana (MG), secretário-geral do PSDB.

“Não vai ter outra candidatura com um bloco maior que esse”, afirmou Roberto Freire, presidente nacional do PPS. O partido se ofereceu para abrigar a candidatura do apresentador Luciano Huck, que acabou desistindo de entrar na disputa presidencial. Depois disso, foi procurado por interlocutores de Marina Silva (Rede), mas optou por ficar com Alckmin.

A cúpula do PSDB também comemorou o que considera um refluxo na negociação entre o DEM e o ex-ministro e presidenciável do PDT, Ciro Gomes. Os tucanos já davam como certo que o partido de Maia subiria no palanque pedetista. A avaliação é de que, se isso ocorrer, outras legendas do Centrão seguirão o mesmo caminho.

Para atrair o DEM, o PSDB também oferece apoio à sigla em disputas estaduais, como na Bahia, Pará e Amapá, ampliando o sacrifício de pré-candidaturas tucanas a governador.

Pré-campanha reforça ofensiva para convencer Alvaro Dias a ser vice de Alckmin

Em outra frente considerada essencial, o núcleo político da pré-campanha de Alckmin reforçou uma ofensiva para convencer o senador Alvaro Dias (Podemos) a desistir de sua pré-candidatura e aceitar ser vice na chapa encabeçada pelo tucano. As conversas, segundo um aliado próximo ao ex-governador, estão acontecendo em “tons objetivos”.

Dias ainda resiste à ideia, mas aceitou conversar com seu antigo partido. O interlocutor é o ex-senador Jorge Bornhausen (DEM). A avaliação no entorno de Alckmin é de que o presidenciável do Podemos agrega pouco tempo de TV, mas fortalece a campanha na Região Sul.

A vaga de vice também pode ficar com um nome indicado pelo Centrão. Coordenador político da campanha tucana, o ex-governador Marconi Perillo citou três opções a empresários recentemente: Aldo Rebelo (Solidariedade), Flávio Rocha (PRB) e Mendonça Filho (DEM). A definição ficará para agosto.


izalci.jpg

Ricardo Callado02/07/20189min

Expressão Brasiliense 

O pré-candidato ao governo do DF pelo PSDB, deputado Izalci Lucas, participou, neste fim de semana, da entrega dos títulos definitivos (TD) promovida pela Superintendência Regional do Incra no DF e Entorno, aos produtores rurais da região do Incra 7 e 9.

O parlamentar é o responsável por incluir emendas à Lei Federal nº 13.465/17 que atendesse a realidade do DF. A lei regulariza imóveis em áreas urbanas e rurais.

Izalci ficou emocionado, no sábado (30), ao entregar o TD à dona Estelita, de 91 anos. O deputado não se conteve ao ver o sorriso da senhorinha e não hesitou em abraçá-la.

Já no domingo (1º), Izalci destacou aos produtores do Incra 7 a importância da participação e do envolvimento deles na política. “Se você não participa da política, vai ser governado por quem está inserido no meio”, disse o pré-candidato ao do DF. Ele ainda ressaltou que tudo passa pela política.

Imóveis rurais do Distrito Federal começam a ser regularizados

Neste último sábado domingo, a Superintendência Regional (SR 28) do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) do DF e Entorno, entregou os primeiros 41 títulos definitivos (TD) aos produtores da região do Incra 7, em Brazlândia, e do Incra 9, em Ceilândia. A ação é a primeira a nível nacional após a Lei Federal nº 13.465/17, que regulariza imóveis urbanos e rurais em todo o Brasil.

Durante a solenidade de entrega de 10 TDs, na manhã deste domingo, na região do Incra 07, o superintendente Igor Lélis pediu o apoio da Associação do Incra 07 para iniciar o processo de vistoria nos imóveis que ainda não receberam seus documentos. Lélis pediu ainda aos produtores que já solicitem a Certidão Negativa de Crimes Ambientais junto ao Ibram e o Cadastro Ambiental Rural – CAR, já que há prazos para que eles sejam entregues e são um dos requisitos exigidos para dar início na documentação do imóvel junto ao Incra.

Regularidade fundiária para os produtores rurais

Com o documento em mãos, o produtor obtém a regularidade fundiária de sua propriedade e passa a ter acesso a recursos financeiros. Muitas famílias aguardam essa regularização há muitos anos. A região dos Incra’s em Ceilândia e em Brazlândia são conhecidas por produzir grande parte do que é consumido no DF.

De acordo com a SR 28, o objetivo maior é regularizar os imóveis rurais de todo o DF. O superintendente regional, Igor Lélis afirmou que o órgão trabalha para transferir o domínio de propriedade aos produtores rurais o mais rápido possível. “Nós temos que beneficiar essas famílias que estão aguardando há muito tempo por esse documento”, disse Igor.

Para a Associação dos Moradores da Reserva G do Incra 07, presidida pelo produtor Antônio Carlos Coelho Alves, o Kaká, a reivindicação é antiga e com o início da entrega dos títulos às famílias se sentem mais seguras. “Hoje tem gente recebendo o documento de pessoas que já se foram esperando receber esse documento. É uma conquista extraordinária para nós”, salienta Kaká.

A Associação de Kaká é composta por 122 imóveis, dos quais 46 já detém a titularidade de suas propriedades.  “Essa é a primeira vez que estamos sendo beneficiados pela Lei (13.645/17). Tem gente que não acreditava mais que iríamos conseguir, mas graças ao empenho de todos nós estamos vencendo”, destaca o produtor.

Produtores contemplados

Um dos contemplados com o TD, o produtor de insumos para animais, Cristiano Santos disse que no passado o Incra havia emitido um contrato de compra e venda, porém ele não conseguiu regularizar seu imóvel. “Com esse documento será possível fazer o registro no cartório em definitivo para obter a escritura e ter acesso à créditos concedidos para o custeio da produção e financiar equipamentos agrícolas”, disse. Cristiano habita na região há mais de 13 anos.

A produtora de graviola, limão e maracujá, Luzinete Martins, moradora da região há 10 anos, deu entrada no primeiro pedido de regularização em 2008. “Essa foi a quarta vez que eu tentei e agora consegui. Essa é uma graça conquistada”, enalteceu Luzinete. Ela agora pretende melhorar a qualidade dos seus equipamentos para ter uma melhor produção.

Para o presidente da Associação do Incra 09 Gleba 4, Augusto Justino o início da entrega dos TDs tem um grande significado para os pequenos produtores não do DF como do Brasil. “Essa Lei beneficiou e beneficiará muita gente no Brasil todo. Nós somos gratos ao deputado Izalci por lutar para incluir o DF nessa Lei que retirou todos os empecilhos que nos impedia de ter o domínio legal das nossas terras”, enfatizou Augusto.

Ao final do ato de entrega, o superintendente Igor Lélis lembrou que o órgão iniciará as vistorias na região a partir do dia 09 de julho. O presidente do Instituto Terra Legal, Junior Almeida, que é uma entidade que atua em prol da legalização de áreas rurais, informou que a entidade irá ajudar voluntariamente com a cessão de dois computadores ao Incra a fim de agilizar o processo de entrega dos demais títulos definitivos. “O Terra Legal trabalha para unir todos os produtores rurais para que juntos, eles sejam fortes”, disse Almeida.

 


cristovam-izalci.jpg

Ricardo Callado28/06/20182min

O grupo político liderado pelo senador Cristovam Buarque (PPS) reafirmou, na noite desta quinta-feira (28), que Izalci Lucas (PSDB) será o pré-candidato ao Governo do Distrito Federal. Em contato com o blog, Izalci disse todas as questões foram pacificadas. “Meu nome foi escolhido pelo grupo para disputar o governo do DF e Cristovam será nosso pré-candidato ao Senado. Ainda temos duas vagas abertas na majoritária”, disse o Izalci.

O pré-candidato ao Palácio do Buriti disse ainda que estão superadas as dúvidas jurídicas. Izalci também afirmou que outros partidos estão buscando entrar na coalização conhecida como Terceira Via ou Via Alternativa. “Temos uma vaga de vice-governador e outra ao Senado, além das suplência de senador”.

A frente é integrada por PRB, PSDB, PPS, Patriota, PSC, DC e PSD.

Em nota, os partidos declararam que esperam “a rápida aprovação destas pré-candidaturas pelas direções regionais e nacionais, levando em conta os interesses das pré-candidaturas proporcionais, com o que serão definidas as pré-candidaturas aos demais cargos majoritários”.

As convenções partidárias acontecem entre 20 de julho e 5 de agosto. “Como todas as dúvidas foram sanadas, logo decidiremos a composição. Inclusive, como os nomes dos suplentes”, afirmou Izalci.

Izalci disse que o presidente do PRB, Wanderley Tavares, pode ser o candidato a a vice. Rogério Rosso (PSD) é lembrado para concorrer na outra vaga ao Senado.


izalci.jpg

Ricardo Callado27/06/20183min

A Comissão de Educação realizou nessa terça-feira (26) audiência pública, de autoria do deputado Izalci Lucas (PSDB/DF), para debater a contribuição das instituições de ensino superior no desenvolvimento regional, com foco na infraestrutura urbana.

Preocupado com a juventude, Izalci apontou a ansiedade dos jovens que acabam de se formar e não têm nenhuma experiência profissional. Para o tucano, as empresas devem ser incentivadas a dar oportunidade a esses profissionais.

“Precisamos colocar os jovens para exercitar o aprendizado e cobrar isso das empresas. Precisamos mudar a lei, incentivando as empresas a investirem em programas de estágio e aprendiz”, disse Izalci. O tucano sugere a instituição de parcerias entre governo e universidade para abrigar essa mão de obra.

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
Outro ponto abordado foi a quantidade de jovens que utilizam o Fies e não conseguem pagar o financiamento após a conclusão do curso. Izalci aponta que o governo deve pensar em soluções, como a possibilidade de trabalhar para quitar o financiamento.

Izalci é autor da Proposta de Emenda à Constituição 200/12, que torna obrigatória, aos estudantes de cursos superiores em instituições públicas, a prestação de serviço de relevância social como contrapartida pela gratuidade dos cursos. A proposta aguarda a criação de comissão especial para avançar. “A nossa juventude não pode perder a esperança, e tem que ter certeza de que, terminando o curso superior ou técnico, vai encontrar oportunidades”, apontou o tucano.

A audiência contou com a participação do Secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Paulo Barone; o Reitor do Instituto Federal de Brasília, Wilson Conciani; o Conselheiro Federal do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil João Carlos Corrêa; o Representante do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia, Osmar Barros Júnior; e o representante das Entidades Privadas de Educação Superior do Distrito Federal Luiz Soares Correia.


Movimento-junino-II.jpg

Ricardo Callado22/06/20183min

As festas juninas caíram no gosto popular também nas grandes cidades e é neste clima que centenas de jovens dançarinos de quadrilha de Distrito Federal, Entorno e vários estados brasileiros devem ocupar nesta sexta-feira (22), a partir das 15h, o Plenário Ulysses Guimarães da Câmara Federal.

A festa junina é considerada a segunda maior manifestação cultural do Brasil, perdendo apenas para o carnaval. As celebrações são realizadas ao longo dos meses de maio, junho, julho e agosto nas diversas regiões do Brasil. Além disso, as festas, com suas músicas, danças, fogueira e comidas típicas, movimentam a economia das cidades, gerando emprego e renda.

Segundo o deputado federal Izalci Lucas (PSDB-DF), autor da sessão pelo terceiro ano consecutivo, a homenagem é para os milhares de brasileiros que preservam essa cultura tão rica e trabalham o ano inteiro para o sucesso da festa. “O Movimento Junino é uma das mais importantes manifestações culturais do Brasil e é com muita honra e respeito que sempre apoiarei os quadrilheiros juninos”.

Em 2015, após a apresentação de emendas de Izalci Lucas, o Governo do Distrito Federal decidiu considerar as festas juninas como Política de Estado para tornar o incentivo permanente. “É importante defender a consolidação do arranjo produtivo das festas e dos grupos de quadrilha para desenvolver a economia local. Além disso, precisamos continuar fomentando a cultura entre os jovens para integrá-los e distanciá-los de problemas sociais e da violência”, disse Izalci.

Histórico

As festas juninas chegaram ao Brasil com a vinda da Corte Portuguesa. Inicialmente era uma festa restrita aos palácios, mas pouco tempo depois se tornou popular, com a união dos rituais indígenas. Alguns estudiosos afirmam que as festas juninas trazem grande influência da cultura dos portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Segundo eles, a quadrilha veio da França, a cultura dos fogos de artifícios da China e as danças com as fitas teriam vindo de Portugal e da Espanha.

“Queremos que as festas juninas tenham seu valor reconhecido tanto no Brasil como no exterior. É uma manifestação cultural que os brasileiros deixaram mais rica e temos condições de transformar a festa em um produto turístico tão importante quanto o carnaval”, finalizou Izalci Lucas.



Sobre o Blog

Aos 14 anos, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar



Parcerias