Arquivos Caesb - Blog do Callado

caesb-site.png

Ricardo Callado12/06/20186min

A Caesb informa que a partir do dia 2 de julho vai alterar o horário de atendimento em seus escritórios dentro da política da Empresa de melhorar e ampliar os serviços para o público em geral. Essa mudança na estrutura comercial da Caesb começou com a implantação do autoatendimento no site da Companhia, onde estão disponibilizados vários serviços que antes eram realizados somente nos escritórios. Dessa forma, a partir de julho, os escritórios concentrarão seu atendimento no período de maior fluxo de público: das 11h às 17h.

O objetivo principal é melhor atender aos clientes, em horário concentrado e com disponibilidades de serviços pela internet, que podem ser acessados inclusive pelo celular. Na visão da Caesb, a concentração de seis horas corrida de atendimento nos escritórios vai reduzir filas, diminuir o estresse e disponibilizar maior comodidade aos clientes. Nesse novo horário de atendimento, a Empresa continua atendendo plenamente a Resolução 14/2016 da Adasa.

A Caesb iniciou esse processo de reestruturação, em abril, facilitando o acesso a novos serviços com vistas à modernização do atendimento comercial. Até o final deste mês de junho, mais três novos serviços também poderão ser realizados pelos clientes por meio do autoatendimento no site (www.caesb.df.gov.br). Com isso, a Caesb está oferecendo ao cliente comodidade e praticidade para acessar serviços, evitando que ele tenha a necessidade de ir a um escritório da Companhia. O projeto consiste na implementação de inúmeros serviços, todos eles inseridos em uma página individualizada na qual o cliente poderá fazer solicitações, acompanhar os andamentos, atualizar os dados cadastrais, entre outras coisas.

Serviços já disponibilizados ao cliente no autoatendimento:

  • Autocadastro– Essa funcionalidade permite que o cliente realize seu cadastro ou atualização cadastral sem a necessidade de comparecer ao escritório ou acionar o canal telefônico. O serviço é completamente personalizado, exigindo senhas com forte padrão de segurança além de    utilizar serviço de criptografia no envio dos dados.
  • Solicitação de ligação de água pela internet – O cliente pode solicitar o serviço de ligação de água pela internet sem a necessidade de ir ao escritório. Isto aumenta consideravelmente a comodidade do cliente.
  • Solicitação de revisão de conta– O serviço, com maior índice de solicitação nos escritórios, está agora disponível na página individualizada do cliente, bastando que selecione a inscrição e as referências questionadas.
  • Segunda via de conta – Essa funcionalidade permite a visualização e impressão de 2ª via de conta pendente.
  • Comprovante de pagamentos – Essa funcionalidade permite a visualização e impressão das contas pagas dos últimos 05 (cinco) anos.
  • Situação de débito – Declaração de situação do CPF/ CNPJ junto à Caesb.
  • Histórico de consumo – Histórico de consumo de unidade usuária dos últimos 12 (doze) meses.
  • Atendimento a órgãos públicos – Serviços direcionados aos órgãos públicos.
  • Autoleitura – Essa funcionalidade permite que o usuário informa a leitura mensal para faturamento, devendo permitir acesso ao hidrômetro em meses determinados
  • Interferência de rede –Solicitação de carta de interferência de rede.
  • Ressarcimento de danos– Solicitação de ressarcimento por sinistros de responsabilidade da Caesb.
  • *Novo* Parcelamento de débitos– Essa funcionalidade permite que o usuário parcele as dívidas pendentes.
  • *Novo* Alteração de titularidade – Essa funcionalidade permite que o usuário solicite a alteração de titularidade da conta de água.

caesb.jpg

Ricardo Callado08/06/20184min

Equipamento foi instalado próximo à Ermida Dom Bosco

A Caesb adquiriu uma plataforma flutuante, instalada no Lago Paranoá, próximo à Ermida Dom Bosco, com o objetivo de realizar estudos sistemáticos da qualidade do Lago. Este equipamento é capaz de registrar parâmetros básicos como densidade de algas, temperatura, pH, condutividade, turbidez e oxigênio em diferentes profundidades, em tempo real, para aprofundar conhecimento sobre a dinâmica do manancial. Utilizado inicialmente para recreação e fornecimento de energia elétrica, o Lago tornou-se recentemente uma fonte de abastecimento de água para consumo humano.

A plataforma flutuante poderá também, a médio prazo, realizar a simulação tridimensional da hidrodinâmica da qualidade da água do Lago. “Isso permitirá uma avaliação mais abrangente dos potenciais riscos à coleta de água bruta, como por exemplo, lançamento de esgotos clandestinos e alterações da qualidade devido a diferentes condições meteorológicas”, afirma o presidente da Caesb, Maurício Luduvice.

O monitoramento da qualidade da água com o uso da plataforma flutuante é feito em tempo real. Os dados são transmitidos via celular, a cada uma hora, para o Laboratório Central da Companhia. O software utilizado pode disponibilizar os dados no formato de texto, planilha e gráfico.

Com o uso deste equipamento, a Caesb conseguirá aumentar substancialmente a eficácia dos seus sistemas de segurança da qualidade da água, permitindo uma redução dos potenciais danos ao meio ambiente e à saúde humana, por meio das informações rápidas e seguras das possíveis alterações na qualidade da água.

O equipamento foi adquirido por meio de pregão eletrônico e com recursos do BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento, no custo de R$ 386.000,00 (trezentos e oitenta e seis mil reais).

A plataforma

A unidade flutuante é construída em corpo de fibra de vidro estrutural, associada a uma estrutura interna de aço e preenchimento com material flutuante. O equipamento possui diâmetro de 2,3 metros, altura de 1,2m incluindo a antena e peso de 270 Kg. A unidade possui compartimentos resistentes à intempéries e umidade, construídos em aço inoxidável, destinados a abrigar os sistemas eletrônicos de armazenamento e transmissão de dados. Os compartimentos são facilmente acessados pelos operadores da unidade, facilitando o manuseio dos componentes modulares durante as operações de manutenção e calibração dos equipamentos. A alimentação de energia é feita através de painéis fotovoltaicos de alimentação e acumuladores de energia, associados a um sistema de gerenciamento energético.


caesb.jpg

Ricardo Callado26/05/20181min

Companhia pede que população não faça estoque extra durante greve de caminhoneiros. Sistema funciona sem riscos de escassez

O sistema de abastecimento de água da capital funciona dentro da capacidade e necessidade de atender a população, apesar da greve nacional de caminhoneiros. Assim, não há risco de falta de água a partir de terça-feira (30), de acordo com a Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb).

Ainda segundo o órgão, o governo está tomando todas as providências para garantir o funcionamento do sistema de água e esgoto na cidade.

A Caesb alerta que as pessoas não devem fazer estoque extra de água e precisam apenas manter o consumo racional e evitar desperdícios.


cldf.jpg

Ricardo Callado16/05/20184min

Servidores e dirigentes sindicais da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) cobram a prorrogação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) por mais 30 dias. A reivindicação foi realizada em audiência pública nesta terça-feira (15), na Câmara Legislativa do Distrito Federal. A diretoria da companhia e o GDF foram apontados como principais responsáveis pelo assédio coletivo dos trabalhadores.

Na visão do vice-presidente da Casa, Wellington Luiz (MDB), autor do debate, a perseguição aos servidores é antiga e constante. “O GDF está promovendo uma isonomia de sofrimento das categorias com o não cumprimento dos compromissos assumidos com os trabalhadores”, aponta o parlamentar. O deputado distrital Raimundo Ribeiro (PPS) endossou a fala de Wellington e parabenizou a reunião. “Nós estamos vivendo um governo lerdo e preguiçoso”, acusou Ribeiro.

Segundo Cristiane Alves, servidora da Caesb, as alegações contra as chefias da Companhia são inúmeras: castigos, suspensão dos atestados de acompanhamento, estagnação dos aumentos salarias e privação de participação em assembleias sindicais. “Nós estamos adoecendo. Temos servidores diariamente diagnosticados com depressão, estresse, abalos físicos e psíquicos”, declarou a servidora.

O diretor do SindÁgua-DF, Pedro Cerqueira Medeiros, reiterou as declarações de assédio moral coletiva, condições de trabalho insalubres, perseguições dentro da empresa e privações. O sindicalista afirmou que o governo está promovendo ataques organizados contra os trabalhadores e pediu a união de todas as categorias. Já Fernanda Fernandes, também dirigente sindical do SindÁgua lembrou que o GDF está cobrando a devolução dos dias de greve realizados em 2016. “Existe desigualdade das forças. É preocupante não ter nem sinalização para o reajuste do ACT que está vencido”, lembrou Fernanda.

O Procurador do Trabalho do Ministério Público do DF, Raimundo Paulo Neto observou que as denúncias de assédio moral em equipe tem sido uma “crescente” nos ambientes de trabalho do DF. “É preocupante o aumento do assédio, mas pedimos que denunciem. O trabalhador precisa ficar atento à cobrança de metas abusivas e outros aspectos”, pontua o procurador.

Acordo Coletivo de Trabalho – O Acordo foi assinado em audiência no Ministério Público do Trabalho no DF (MPT-DF, e) na redação ficou estabelecido que cada funcionário receberia aumento de 1% por cada ano completo de trabalho, até o limite de 41%. No momento da assinatura, ano passado, a Caesb se comprometeu com os funcionários afastados por auxílio-doença do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de que teriam os salários pagos integralmente. “As cláusulas do ACT assinado não estão sendo cumpridas”, completou Pedro Medeiros, presidente do Sindágua.

Desdobramentos – O parlamentar Wellington Luiz (MDB) se comprometeu com os servidores de produzir um documento de cobrança com os pontos elencados no debate e encaminhar os órgãos competentes.


adasa.jpg

Ricardo Callado12/05/20182min

Correção de valores de água e de esgoto em 2,06% ficará retida até que diretoria da agência tome decisão sobre mérito de recurso

Para atender ao pedido suspensivo da Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF), a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa) suspendeu a Revisão Tarifária Extraordinária (RTE), que corrigiria os valores nas contas de água e de esgoto em 2,06%.

Segundo a Adasa, os efeitos da resolução estão suspensos até a diretoria colegiada da agência tomar uma decisão sobre o mérito do recurso.

A revisão faz parte de um reajuste de tarifas determinado em resolução da Adasa com reajuste de 0,93% no Índice de Reajuste Tarifário (IRT) e em 2,06% na Revisão Tarifária Extraordinária. Com a suspensão, apenas a correção no IRT é mantida.

Os reajustes foram pedidos pela Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) à Adasa para corrigir possível desequilíbrio econômico-financeiro decorrente da crise hídrica e consequente redução de mercado.

Contudo, a PGDF afirma, no pedido de reconsideração, que o requerimento da Caesb não tem informações sobre aumento de custos e que os gastos adicionais decorrentes da crise hídrica já são suportados pelos consumidores mediante pagamento da tarifa de contingência.

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, já havia determinado que o pedido da PGDF deveria ser acatado e que o reajuste não fosse feito.


falta-de-agua-torneira-e1474291799446.jpg

Ricardo Callado10/05/20182min

Recurso foi enviado à Adasa-DF nesta quarta-feira (9). Objetivo é evitar aumento de 2,06% nas contas dos consumidores

A Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF) apresentou, nesta quarta-feira (9), pedido de reconsideração à Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa-DF), em que solicita a suspensão da Revisão Tarifária Extraordinária (RTE) no porcentual de 2,06% sobre os valores das tarifas dos serviços públicos de abastecimento.

A RTE foi pedida pela Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) à Adasa para corrigir possível desequilíbrio econômico-financeiro decorrente da crise hídrica e consequente redução de mercado. O reajuste foi autorizado em 30 de abril.

Contudo, no pedido de reconsideração, a Procuradoria-Geral do DF afirma que “a Caesb não muniu seu requerimento com informações sobre o aumento de custos relacionados à exploração de serviço, cingindo-se a fazer comparação entre as receitas projetadas e as receitas atuais”.

A PGDF destaca ainda que os custos adicionais decorrentes da crise hídrica já são suportados pelos consumidores mediante pagamento da tarifa de contingência.

No documento, a Procuradoria-Geral do DF demonstra que, se aplicado o reajuste, a tarifa da Caesb terá crescimento de 125% entre 2007 e 2017, enquanto a inflação nesse período foi de 90%.


caesb.jpg

Ricardo Callado08/05/20186min

A Caesb implementou, em abril, novos serviços com vistas à modernização do atendimento comercial. O objetivo é oferecer ao cliente a comodidade e a praticidade de acessar serviços utilizando a internet, evitando que ele tenha a necessidade de ir a um escritório da Companhia. O projeto consiste na implementação de inúmeros serviços, todos eles inseridos em uma página individualizada na qual o cliente poderá fazer solicitações, acompanhar os andamentos, atualizar os dados cadastrais, entre outras coisas.

A primeira medida possibilitará aos usuários o acesso a vários serviços via internet, por meio do site da Companhia (www.caesb.df.gov.br/autoatendimento). Dentre as principais novidades, está a possibilidade de realizar parcelamentos, pedidos de ligação e solicitar alteração de titularidade no site. Para tanto, o usuário deverá se cadastrar no site, criando um login e uma senha com os quais poderá ter acesso ao site, inclusive pelo celular. A Companhia espera com isso possibilitar aos usuários maior comodidade no atendimento. Gradativamente a Empresa irá ampliar os serviços que poderão ser solicitados via internet, tornando assim mais ágil a relação com os consumidores. Até o fim de maio novos serviços serão disponibilizados.

Serviços já disponibilizados ao cliente no autoatendimento:

  • Autocadastro– Essa funcionalidade permite que o cliente realize seu cadastro ou atualização cadastral sem a necessidade de comparecer ao escritório ou acionar o canal telefônico. O serviço é completamente personalizado, exigindo senhas com forte padrão de segurança além de utilizar serviço de criptografia no envio dos dados.

  • Solicitação de ligação de água pela internet –O cliente pode solicitar o serviço de ligação de água pela internet sem a necessidade de ir ao escritório. Isto aumenta consideravelmente a comodidade do cliente.

  • Solicitação de revisão de conta– O serviço, com maior índice de solicitação nos escritórios, está agora disponível na página individualizada do cliente, bastando que selecione a inscrição e as referências questionadas.

  • Segunda via de conta – Essa funcionalidade permite a visualização e impressão de 2ª via de conta pendente.

  • Comprovante de pagamentos – Essa funcionalidade permite a visualização e impressão das contas pagas dos últimos 05 (cinco) anos.

  • Situação de débito – Declaração de situação do CPF/ CNPJ junto à Caesb.

  • Histórico de consumo – Histórico de consumo de unidade usuária dos últimos 12 (doze) meses.

  • Atendimento a órgãos públicos – Serviços direcionados aos órgãos públicos.

  • Autoleitura – Essa funcionalidade permite que o usuário informa a leitura mensal para faturamento, devendo permitir acesso ao hidrômetro em meses determinados

  • Interferência de rede –Solicitação de carta de interferência de rede.

  • Ressarcimento de danos– Solicitação de ressarcimento por sinistros de responsabilidade da Caesb.

  • *Novo* Parcelamento de débitos– Essa funcionalidade permite que o usuário parcele as dívidas pendentes.

  • *Novo* Alteração de titularidade – Essa funcionalidade permite que o usuário solicite a alteração de titularidade da conta de água.

governador_coletiva_fim_racionamento_foto_Gabriel_Jabur.jpg

Ricardo Callado03/05/20188min

Medida foi tomada após o nível do reservatório do Descoberto, responsável por abastecer 65% de Brasília, ultrapassar 90% da sua capacidade

O governador Rodrigo Rollemberg anunciou nesta quinta-feira (3) o fim do rodízio no fornecimento de água no Distrito Federal em 15 de junho. A medida, tomada em virtude da crise hídrica que atingiu a capital do País, será encerrada após o reservatório do Descoberto ultrapassar 90% da sua capacidade.

O fim do racionamento de água no DF foi anunciado em coletiva de imprensa pelo governador Rollemberg, nesta quinta-feira (3)
O fim do racionamento de água no DF foi anunciado em coletiva de imprensa pelo governador Rollemberg, nesta quinta-feira (3). Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

O chefe do Executivo local atribuiu o resultado ao “esforço da população nesse 1 ano e 3 meses [de racionamento], e dos agricultores, que mudaram a forma de irrigação, e das obras de captação de água inauguradas pelo governo de Brasília.”

Rollemberg destacou que a população reduziu em cerca de 12 a 13% o consumo de água, o que ele considera o “grande legado” no rodízio de fornecimento. Ele enfatizou, ainda, que as captações no Ribeirão Bananal e no Lago Paranoá incrementaram o sistema em 1,4 mil litros por segundo.

“O menor nível de afluência do Descoberto fica para o fim de novembro, algo em torno de 21,9% da capacidade do reservatório, quando já teremos novamente o período de chuvas e, em dezembro, o sistema Corumbá em operação, com 2,8 mil litros por segundo a mais de água para o DF”, disse.

Soma-se a isso o fato de que, hoje, 550 litros de água que são captados a cada segundo no Ribeirão Bananal, no Lago Paranoá e no Sistema Santa Maria-Torto são usados para abastecer cidades antes que antes recebiam água da Barragem do Descoberto.

Obras para reverter a crise hídrica no DF

Após 17 anos sem intervenções para ampliar o abastecimento de água na capital do País, o governo de Brasília entregou a Estação de Tratamento de Água do Lago Norte e o Subsistema Produtor de Água do Bananal, interligou os dois principais sistemas produtores de água permitindo a transferência do Santa Maria-Torto para o Descoberto e avança nas obras do Sistema Corumbá.

Mais de 70% das obras da adutora de água tratada do Sistema Produtor Corumbá, em Santa Maria (DF), estão prontos.

Em outubro de 2017, o governador Rodrigo Rollemberg inaugurou a Estação de Tratamento de Água do Lago Norte. Nela, foram investidos R$ 42 milhões, com recursos provenientes do governo federal. A obra teve duração de cinco meses.

A unidade capta água por meio de balsas flutuantes e faz o tratamento do recurso no próprio local. A estrutura fica na ML 4, no Setor de Mansões do Lago Norte, e trata-se de uma estação compacta, com membranas de ultrafiltração, uma das mais modernas tecnologias na área.

No mesmo mês, o Distrito Federal também ganhou reforço de até 726 litros por segundo com a captação de água por meio do Subsistema Produtor de Água Bananal. A estrutura fica em uma saída da Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia), entrada da Granja do Torto.

O investimento foi de R$ 20 milhões, do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste, do Banco do Brasil.

Além disso, a elevatória da Estação de Tratamento de Água Brasília (ETA Brasília), que foi entregue em abril deste ano, é fundamental para levar água captada no Ribeirão Bananal e no Lago Paranoá para regiões tradicionalmente abastecidas pelo Sistema Produtor Descoberto.

O início do racionamento no DF

Em 2016, a escassez de chuvas em Brasília levou a Barragem do Rio Descoberto a atingir o nível mais baixo de sua história. O reservatório, responsável à época por abastecer 65% do Distrito Federal, estava com apenas 40% da capacidade no dia 16 de setembro.

Por isso, na época, a Adasa declarou estado de alerta por situação crítica de escassez hídrica para a capital do País. O diretor-presidente da agência, Paulo Salles, assinou a Resolução nº 15, de 2016, que recomendava medidas para assegurar a manutenção dos recursos, pois o ideal é que o reservatório se mantenha acima de 60% de seu volume útil.

As primeiras medidas anunciadas foram intensificar as campanhas educativas e aumentar a fiscalização para coibir captação ilegal de água.

Ainda em setembro, a Caesb começou a fechar, como medida temporária, o abastecimento de algumas regiões para preservar os níveis de reservação e evitar falta de água em maior proporção.

Em outubro, quando o volume de água do Rio Descoberto atingiu 24,97%, a Caesb começou a aplicar 20% de tarifa de contingência na conta de água do consumidor. O recurso foi utilizado, entre outras ações, para promover campanhas publicitárias de conscientização, intensificar a fiscalização para evitar fraudes e substituir redes com vazamento.

Por fim, para assegurar a capacidade hídrica da cidade, em janeiro de 2017 foi anunciado pelo governo rodízio no fornecimento de água das regiões administrativas abastecidas pela Barragem do Descoberto. E as regiões abastecidas pelo Reservatório de Santa Maria, responsável pelo fornecimento de água de 24% da população de Brasília, entraram no rodízio em fevereiro do mesmo ano.


falta-de-agua-torneira-e1474291799446.jpg

Ricardo Callado30/04/20186min

Segundo a agência reguladora do DF, preços serão corrigidos em 2,99% e valerão até 31 de maio de 2019

A partir de 1º de junho, o valor do serviço de água e de esgoto em Brasília deverá ser corrigido em 2,99%. O ajuste foi homologado nesta segunda-feira (30), por meio de resolução da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa-DF), publicada no Diário Oficial do Distrito Federal.

As tarifas ficam reajustadas em 2,99% — 0,93% referentes ao Índice de Reajuste Tarifário (IRT) e 2,06% referentes à Revisão Tarifária Extraordinária (RTE).

Hoje de manhã, em visita às obras da adutora de água tratada de Santa Maria (DF), o governador Rodrigo Rollemberg disse que vai “avaliar efetivamente a necessidade do reajuste”. Ele ressaltou que o valor é determinado pela Adasa, e não pelo Executivo local.

“O que estamos fazendo são os investimentos necessários para garantir o abastecimento para a população de Brasília”. Como exemplo, Rollemberg citou a inauguração de outras duas intervenções para captação de água: a do Bananal e a do Lago Paranoá.

O que são os dois índices tarifários da Caesb

IRT: concedido anualmente, o índice de reajuste tarifário faz parte do contrato de concessão com a Caesb. O reajuste é definido após estudos baseados, principalmente, nos índices inflacionários.

RTE: a revisão tarifária extraordinária é solicitada pela Caesb para corrigir possível desequilíbrio econômico-financeiro decorrente da crise hídrica no DF e consequente redução de mercado.

De acordo com a legislação vigente e com o contrato de concessão, a Adasa é a responsável por fixar as tarifas praticadas pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). Os valores são determinados após a agência analisar os números apresentados pela companhia.

O reajuste anual dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário foi debatido em audiência pública em 23 de abril deste ano e recebeu sugestões pela internet até a mesma data.

Após o reposicionamento tarifário, os consumidores pagarão os seguintes valores, com base no volume gasto em metros cúbicos (m³):

Para atividades residenciais
Faixa de consumo (m³) Tarifa popular (R$) Tarifa normal (R$)
De 0 a 10 2,28 3,04
De 11 a 15 4,25 5,63
De 16 a 25 5,57 7,20
De 26 a 35 10,64 11,64
De 36 a 50 12,83 12,83
Acima de 50 14,07 14,07

 

Para atividades comerciais, públicas e industriais
Faixa de consumo (m³) Tarifa comercial e pública (R$) Tarifa industrial (R$)
De 0 a 10 7,70 7,70
Acima de 10 12,74 11,62

De acordo com a atividade exercida pela unidade consumidora, os tipos de tarifas de água são divididos em:

  • residencial (inclui templos religiosos ou entidades declaradas de utilidade pública pelo governo de Brasília e construções de casa própria sob encargo do proprietário)
  • comercial (engloba atividades não previstas nas outras categorias e água para irrigação)
  • industrial
  • pública (órgãos e entidades da administração direta e indireta do Distrito Federal, dos municípios e dos estados, da União, organizações internacionais e representações diplomáticas)

No serviço de esgoto, o cálculo das faturas, com base no abastecimento de água, tem duas categorias:

  • para sistema convencional de esgotamento sanitário (que varia de 50% a 100% da cobrança da água)
  • para sistema condominial (100% na rede própria externa e 60% na interna)

A tarifa popular é aplicada para famílias de baixa renda cadastradas em programas sociais do governo.


cristovam.jpg

Ricardo Callado12/04/20185min

Por Cristiano Carlos

A Lei que estabelece as diretrizes para o saneamento básico no país foi publicada em 2007. A norma prevê que os gestores dos recursos hídricos adotem medidas que assegurem o abastecimento de água à toda população e para determinar os deveres dos consumidores como forma de proteger o recurso.

No Distrito Federal, o consumo de água nas regiões de maior poder aquisitivo é até seis vezes maior do que os gastos nas localidades consideradas mais pobres. No Lago Sul, o consumo médio de água por pessoa é de 366 litros, por dia.

O gasto é quase sete vezes maior se comparado com o consumo dos moradores do Itapoã, com média de 54 litros de água por pessoa ao dia, por exemplo. Os dados são da Companhia de Água e Esgoto de Brasília, a CAESB.

O senador Cristovam Buarque, do PPS brasiliense, é a favor do pagamento proporcional ao consumo de água, ou seja, quem consome mais deveria pagar mais pela água. Para ele, o método poderia ajudar a garantir o abastecimento de todos.“Nós temos que garantir o direito de cada casa ter água. Mas nós temos que exigir a responsabilidade de cada pessoa usar a água com parcimônia, com austeridade. E quem gasta muito tem que pagar muito. Para ter responsabilidade é preciso ter consciência. Para ter consciência é preciso ter clareza do custo”, ponderou.

Organização Mundial da Saúde

O consumo médio de água por pessoa recomendado pela Organização Mundial de Saúde é de 110 litros por dia. No DF, o uso médio do recurso caiu de 153 litros por pessoa ao dia, em 2015, para 129 litros, em 2017. Mesmo assim, o consumo médio de água no Distrito Federal por pessoa ainda está 19 litros/dia acima do recomendado pela OMS.

O especialista em Hidrosedimentologia da UnB, Henrique Leite Chaves, lembra que a responsabilidade de cuidar dos recursos hídricos não pode ser apenas dos governos. Para ele, a população precisa saber dos riscos que o desperdício de água pode gerar para também buscar zelar e não sofrer com a falta do recurso.“O manejo dos recursos hídricos no Brasil, a despeito da nossa legislação hídrica ser bastante avançada, ainda merece muita atenção de todos, dos gestores e da população em geral. Porque não adianta, apenas, governos ou setores técnicos estarem buscando avançar com essa agenda, mas toda a sociedade deve estar participando também porque ela, em última análise, é que pode sofrer as consequências de uma má gestão da água”, defende o especialista.

Regiões que mais consomem água

Além do Lago Sul, as asas Norte e Sul, Lago Norte e Águas Claras estão entre as regiões que mais consomem água no DF. Fercal, Varjão e Recanto das Emas são as localidades com menor consumo por pessoa. Riacho Fundo dois e Paranoá foram as únicas cidades do Distrito Federal que registram aumento de consumo de água entre os anos de 2016 e 2017, de acordo com a CAESB.



Sobre o Blog

Aos 14 anos, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar



Parcerias