Prêmio SomosCoop – Melhores do Ano: finalistas serão anunciados na próxima terça-feira

Ricardo Callado26/10/201822min

Falta pouco para a maior celebração do cooperativismo brasileiro. A entrega do Prêmio SomosCoop – Melhores do Ano, promovido pelo Sistema OCB, ocorre na próxima terça-feira, 30 de outubro, em Brasília. Ao todo, 21 cooperativas foram selecionadas como finalistas. A classificação será conhecida durante a cerimônia, que também reunirá lideranças cooperativistas, autoridades políticas e outros parceiros do movimento.

A 11ª edição do Prêmio SomosCoop – Melhores do Ano tem o objetivo de reconhecer as boas práticas das cooperativas voltadas aos seus cooperados e com amplos resultados socias nas comunidades onde estão inseridas. A seleção é dividida em sete categorias: Comunicação e Difusão do Cooperativismo, Cooperativa Cidadã, Cooperjovem, Desenvolvimento Sustentável, Fidelização, Inovação e Tecnologia e Intercooperação.

“O cooperativismo é movido pela união das pessoas que se juntam em torno de um mesmo objetivo. Esse é o diferencial do nosso modelo de negócio, que atua de forma consciente e sustentável para o desenvolvimento social. Todos os projetos que concorrem ao Prêmio SomosCoop trazem impactos positivos para a sociedade como um todo”, afirma o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas.

Os jurados analisaram 437 projetos de 267 cooperativas de 20 estados brasileiros, o que representa um aumento de 25% do número de inscrições em relação à última edição. Dos 13 ramos que englobam o movimento cooperativista do país, destacam-se projetos ligados ao agropecuário, crédito, saúde e trabalho. Minas Gerais e Santa Catarina lideram a participação por estados.

Prêmio SomosCoop – Melhores do ano
Data: terça-feira, 30 de outubro de 2018

Horário: 19h
Local: AMBR – Associação Médica de Brasília.
Endereço: Setor de Clubes Esportivos, Trecho 3, Brasília/DF

CONFIRA AS FINALISTAS:

As cooperativas estão descritas por ordem alfabética em cada categoria:

 

COMUNICAÇÃO E DIFUSÃO DO COOPERATIVISMO

Ailos (SC): Mudança na estratégia de marca do Sistema Ailos.

Para ter uma marca forte, a cooperativa de crédito investiu em comunicação para facilitar o entendimento da atuação do Sistema Cecred. A mudança para Ailos atendeu ao propósito de transformar a vida das pessoas por meio da economia colaborativa. O nome original Ayllus se refere a um povoado Inca que tinha o hábito de compartilhar tudo entre si, desde ferramentas de trabalho até alimentos produzidos na agricultura.

 

Colégio CEM (SC): Vivenciando a cultura cooperativista na minicidade cooperativista.

O projeto nasceu da necessidade de promover o engajamento entre os associados com base nos valores e princípios do cooperativismo. Muitos sócios do colégio se demitiram e o negócio estava em declínio. Diante dessa crise, foi criado o Programa de Ensino Cooperativo, referência para vários educandários da região de Concórdia (SC) devido à metodologia pedagógica diferenciada e inovadora que incorporou os valores e os princípios do cooperativismo na prática de aprendizagem. Assim, a escola criou a Minicidade Cooperativista e agregou valor à cooperativa de trabalho Magna, responsável pelo Colégio CEM.

 

Coopeafa (PE): Promoção do cooperativismo na agricultura familiar.

A cooperativa optou por um projeto que valoriza a produção de orgânicos por meio da agricultura familiar, melhorando a qualificação dos profissionais e das técnicas sustentáveis. Os agricultores aperfeiçoaram a plantação e aprenderam a definir preços mais compatíveis de acordo com o processo de produção diferenciada.  Com isso, os cooperados passaram a comercializar seus produtos de forma mais justa e rentável. Todos os cooperados estão envolvidos no PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) e o PAA (Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar).

 

COOPERATIVA CIDADÃ

Sicoob Carlos Chagas (MG): Projeto Sicoob de olho no futuro.

O projeto atendeu 6.429 alunos, com até 10 anos, de 54 escolas da rede pública de ensino, em seis municípios, da zona rural e urbana, de Minas Gerais (Carlos Chagas, Pavão, Águas Formosas, Machacalis, Santa Helena de Minas e Bertópolis). O objetivo foi melhorar a saúde visual e, consequentemente, a condição de aprendizado escolar. Do total de crianças, 1.495 foram encaminhadas a especialistas que diagnosticaram em 302 delas a necessidade do uso dos óculos, adquiridos pela cooperativa. As secretarias municipais de saúde e de educação foram parceiras do projeto.

 

Sicredi Vale do São Francisco (PE): Camerata Sicredi Vale do São Francisco.

Promover a reintegração social de menores infratores da Funase Casa Petrolina (PE) por meio da música. Esse foi o objetivo do projeto que proporcionou uma visão mais integradora para os jovens em si a partir dos princípios do cooperativismo. A cooperativa comprou os instrumentos usados pelos jovens, tanto nas aulas quanto nas apresentações. Além do apelo emocional da música, a iniciativa aumentou a autoestima, a disciplina e as chances de um futuro mais promissor para os jovens.

 

Unimed Brusque (SC): Programa viver bem na escola.

O aumento de casos de gravidez entre adolescentes na escola Francisco de Araújo Brusque e os registros crescentes de HIV/Aids entre o público feminino no município foram decisivos para o lançamento do projeto de educação sexual. A iniciativa incluiu palestras, elaboração de apostilas, consultas médicas ginecológicas e eventos específicos sobre o tema. Com o resultado, houve interesse de aplicar a mesma metodologia com público masculino. Em dois anos, o número de adolescentes grávidas foi reduzido em 80%.

 

COOPERJOVEM

Sicoob Creditapiranga SC/RS (SC): Cooperjovem

O projeto envolve 1.480 alunos do Ensino Fundamental de nove escolas parceiras, em três municípios de Santa Catarina, na área de atuação da cooperativa, Itapiranga, São João do Oeste e Tunápolis. Havia um cenário de dificuldade de convivência, falta de tolerância e de respeito mútuo. Foi possível capacitar e motivar os professores para adoção de novas práticas pedagógicas que permitiram o aprimoramento de temas como a leitura e a escrita. Uma das medidas foi a criação de novos ambientes físicos, pois muitas escolas não tinham áreas onde as atividades pudessem ser desenvolvidas.

 

Sicoob Fluminense (RJ): Cooperjovem

Depois da implementação do programa, há dois anos, a comunidade escolar atendida passou a ter uma visão mais integrada de direitos voltados para ações coletivas que envolvem escola, família e comunidade. Os educadores têm vivência do trabalho coletivo e educacionais pautados pela cultura do cooperativismo, influenciando positivamente os jovens envolvidos. O projeto atendeu mais de 16 mil alunos e 167 professores.

 

Sicredi União MS/TO (MS): Cooperjovem

Drogas, violência e desemprego eram problemas frequentes no cotidiano da comunidade da escola municipal Prof. Fauze Scaff Gattass Filho. Por meio de práticas pedagógicas, baseadas nos princípios e valores do cooperativismo, foi possível desenvolver ações para melhorar as habilidades e atitudes dos jovens, fortalecendo vínculos com a comunidade. A escola tornou-se referência no município de Campo Grande a partir da transformação ocorrida por meio do programa Cooperjovem.

 

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Cocamar (PR): Fios sustentáveis e moda consciente

O projeto incentiva a produção de fios fabricados com material reciclável como PET, algodão com certificação BCI (Better Cotton Initiative*) e cortes de tecidos desfibrados. A cooperativa estabeleceu como meta a redução do impacto das embalagens PET colocadas no mercado com a venda do óleo de soja. Ao mesmo tempo em que impulsiona o consumo consciente a partir de uma prática sustentável, a proposta reduz os impactos sociais e econômicos, fortalecendo a economia circular. A iniciativa também estimula a participação feminina na atividade têxtil.

(*) A BCI é uma organização sem fins lucrativos, criada em 2005, com sede em Genebra, Suíça. O objetivo é melhorar a produção mundial do algodão tanto para aqueles que o produzem quanto para o meio em que é cultivado, baseado em uma cadeia produtiva sustentável. 

 

Coonap (PB): Dessalinizador solar de baixo custo

Centro e cinquenta pessoas de 37 famílias de agricultores, da região do semiárido da Paraíba, foram atendidas com o projeto para abastecimento de água potável por meio de dessalinização de água salobra. Além de melhorar a segurança hídrica, a iniciativa proporcionou vários benefícios socioeconômicos e ambientais. Do total de 300 litros de água produzidos por dia, cada dessalinizador alcançou a média diária de 10,7 litros de água potável, o suficiente para atender os requisitos da ONU, que estabelece a ingestão mínima e individual de dois litros de água potável diariamente. Com baixo custo de implantação e manutenção, a tecnologia é de fácil aprendizagem.

 

Coopatos (MG): Revitalização do córrego do limoeiro – estação ecológica coopatos e projeto recriar

O plantio de mudas nativas ao longo do córrego do Limoeiro e o reuso do efluente, tratado na estação de esgotamento sanitário, na irrigação promoveram a revitalização da mata ciliar tanto nas proximidades da nascente quanto ao longo do corpo hídrico da microbacia. Assim, o projeto atende a comunidade urbana e rural do município de Patos de Minas, situada na microbacia que pertence à bacia do Rio Paranaíba. Há quase uma década, a cooperativa promove o enriquecimento e manejo da flora com mudas nativas, totalizando mais de 2,3 mil mudas plantadas. As APP’s (áreas de preservação permanente) apresentam excelente adensamento e recuperação, com espécies em estágio médio a avançado de desenvolvimento.

 

FIDELIZAÇÃO

Coagru (PR): APP – Coagru “fidelização pela satisfação”

Um aplicativo para conectar os cooperados e criar um canal direto em tempo real com o objetivo de facilitar a interação entre os envolvidos no processo negocial. Com o projeto, os produtores começaram a utilizar o app como ferramenta para controlar as lavouras, granjas e também para o acompanhamento das colheitas e abastecimento de insumos. Também houve maior engajamento e participação dos cooperados em todos os eventos promovidos pela cooperativa, dentre eles, assembleias gerais e reuniões técnicas.

 

Languiru (RS): Inclusão social e produtiva no campo

O projeto tem o objetivo de oferecer suporte aos cooperados com pequena produção de leite, visando a sustentabilidade da propriedade e a fixação de jovens no campo, por meio do incremento de alternativas à pecuária leiteira. Assim, houve um redirecionamento para o desenvolvimento de novas frentes, como a produção de frutas, legumes, frangos e suínos em sistema integrado.

 

Unimed Federação Minas (MG): Programa de relacionamento com o cooperado

O projeto criou ações de relacionamento para aumentar a confiança, a admiração, a credibilidade e a proximidade com os cooperados. Houve uma percepção de que havia uma dedicação à operação do negócio que provocava distanciamento e falta de envolvimento. Esse cenário foi observado somente em unidades de grande porte, como Belo Horizonte e Juiz de Fora. O programa instituiu um calendário anual de atividades, incluindo campanhas publicitárias e outras ações de comunicação.

 

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA

Coopeavi (ES): Condomínio avícola

Um novo modelo de negócio baseado na inovação e na tecnologia ofereceu aos cooperados a oportunidade de ampliar a produção de ovos de forma sustentável e de diversificar a atividade rural daqueles que atuam em outros segmentos como cafeicultura, hortaliças e bovinocultura de corte e de leite. Entre os resultados destacam-se o aumento do número de fornecedores no entreposto de ovos, redução de custos de classificação, aumento da comercialização e melhor relacionamento com o cliente final. Um código impresso diretamente no ovo possibilita ao consumidor checar a procedência do produto pelo site da cooperativa.

 

Sicoob Credigerais (MG): IFISI: incluindo vidas pela educação criativa.

O objetivo do projeto foi promover inclusão social no ensino de soluções de inovação e tecnologia para beneficiar crianças de baixa renda e em risco social, em fase de alfabetização, por meio da informática, impressão 3D e robótica de forma lúdica e de acordo com os princípios cooperativistas. Professores e outros profissionais voluntários atuam para a melhoria educacional com uma metodologia voltada para lógica de programação de maneira lúdica. Assim, os alunos aumentaram o rendimento escolar e passaram a compreender os valores do cooperativismo e conseguiram melhorar o relacionamento familiar.

 

Unimed Vitória (ES): Inovação nas condutas da atenção integral à saúde prestadas às gestantes

Os investimentos em tecnologia da informação e comunicação em saúde possibilitaram a implementação de um modelo de atenção à saúde de gestantes, por meio de uma central de teleatendimento. Com a iniciativa, 2.527 mulheres que participaram do Programa Viver Gestante em 2017 tiveram mais de 70% do cumprimento do cuidado perfeito preconizado pelo Ministério da Saúde, que inclui um conjunto de orientações médicas para a promoção da saúde da gestante, como exames laboratoriais e ultrassonografias.

 

INTERCOOPERAÇÃO

Coopatos (MG): Consórcio cooperativo

A ideia do projeto foi unir forças de sete consorciadas que atuam nos segmentos de café, leite e serviços. O empreendimento visa criar e manter vantagens competitivas por meio da otimização de custos, especialização profissional e sinergia com parceiros que possuem algum diferencial no mercado. Assim, nos últimos quatro anos, a Central de Compras do CCGC registrou um aumento de movimento de R$ 600 milhões para R$ 870 milhões. As compras para as associadas incluem diversos segmentos como transporte e logística, medicamentos, nutrição animal e ferragens.

 

Fecoagro (SC): Central de compras Fecoagro

Onze cooperativas se juntaram para comprar seus insumos de forma cooperada e, assim, otimizaram recursos, formando escalas e encadeamento. A iniciativa possibilitou negócios mais vantajosos, gerando economia para os cooperados. A evolução do projeto se deu com a implantação de um centro de distribuição, onde é possível adquirir produtos diretamente as indústrias, receber e distribuir para as cooperativas. Também foi iniciado o projeto Horta Santa, no qual os cooperados cultivam hortaliças e atendem parte das demandas das cooperativas.

 

Rede Alternativa (DF): Escritório de gestão e comercialização em rede: desenvolvimento das cooperativas de catadores do distrito federal e entorno

O projeto se constituiu pelo objetivo de estruturar e desenvolver o empreendimento de catadores filiados à cooperativa, oferecendo auxílio na gestão, logística e comercialização em rede de resíduos sólidos recicláveis para indústrias compradoras do país. A iniciativa aumentou a autoestima dos catadores e ampliou as oportunidades de negócio ao possibilitar a venda conjunta e direta para indústrias diante do volume acumulado entre os participantes. Além disso, a nova gestão permitiu o acompanhamento dos contratos e de ações das cooperativas, organizando-as junto ao poder público e inserindo-as em outros projetos com mais transparência.

 

Sobre o Sistema OCB

Somos um Sistema composto por três instituições: OCB, Sescoop e CNCoop. Temos uma unidade em cada estado do Brasil e, também, no Distrito Federal. Nosso papel? Trabalhar pelo fortalecimento do cooperativismo brasileiro. A OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) cuida da representação institucional junto aos Três Poderes. O Sescoop (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo) é responsável pelas ações de desenvolvimento das cooperativas, cooperados e empregados, com foco em formação profissional, promoção social e monitoramento. E a CNCoop (Confederação Nacional das Cooperativas) completa o tripé, com a representação sindical patronal do movimento. Focos distintos e complementares, que fazem a soma dessas forças resultarem na potencialização de um setor essencial para a economia e a sociedade brasileiras.

www.somoscooperativismo.coop.br

Ricardo Callado

Jornalista, blogueiro, escritor e consultor político. Exerceu a função de secretário de Comunicação Social do Governo do Distrito Federal. Foi Diretor de Redação do Grupo Comunidade de Comunicação – responsável pelos jornais da Comunidade e O Coletivo. É autor do livro PANDORA – e outros fatos que abalaram a política de Brasília.


Comente esta publicação

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com (*) são obrigatórios.

 


Sobre o Blog

Aos 14 anos, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar



Parcerias