Arquivos Empreendedorismo - Blog do Callado

Cristina-Melo-presidente-da-BPW-Brasília.jpg

Ricardo Callado17/09/20187min

O projeto tem o objetivo de capacitar mulheres e incentivar o empreendedorismo feminino. Serão realizados workshops, talk shows, palestras e oficinas com vivências e dinâmicas

Ser empreendedora é o sonho de muitas mulheres, mas as instabilidades, o preconceito, os medos e incertezas impedem muitas de transformarem o desejo em realidade. Pensando nisso, a BPW BRASÍLIA-DF (Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais) inicia, no próximo dia 20 de setembro, o projeto Academia Mulher Empreendedora, que vai contar a expertise de grandes profissionais, referências de empreendedorismo no país. A estreia da ação vai contar com a palestra “Você: onde e como deixar sua marca”, da diretora de Operações da Brasília School of Business, Cleoní Tomazella. O evento é gratuito e será realizado na Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF), entre 19h e 22h.

Durante o painel, Cleoní vai contar a trajetória dela que começou como empregada doméstica e enfrentou diversos desafios no mundo corporativo, por ser mulher, até se tornar uma grande executiva. Hoje ela é mestre em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação, professora de pós-graduação e palestrante. “Iniciar o Academia Mulher Empreendedora com a palestra da Cleoní é, sem dúvida, um privilégio”, destaca a presidente da BPW BRASÍLIA-DF, Cristina Melo. “Criamos o projeto com o objetivo de contar a história de mulheres que acreditam que sonhos podem ser realizados. Queremos descobrir o que existe de comum nas mulheres que se desenvolvem e alcançam o sucesso e que isso possa ser disseminado para mais e mais mulheres e que estas sigam o mesmo caminho formando uma rede de protagonistas de sucesso”, revela.

Além da história de vida, a palestrante vai explorar pontos primordiais para quem pretende empreender: planejamento, foco em resultado, persistência e resiliência. “De uma forma descontraída, mas direcionada, destaco a importância de ter metas e objetivos claros. Por ser uma história real, vivida por mim e que ainda está em processo de ascensão, ficará claro para quem estiver assistindo a palestra, que somos responsáveis e protagonistas da nossa própria história”, explica Cleoní Tomazella. Após a apresentação, os participantes poderão fazer perguntas à convidada, que responderá aos questionamentos.

A proposta do Academia Mulher Empreendedora é capacitar mulheres para o mercado e proporcionar o desenvolvimento de habilidades pessoais. Para isso, o objetivo é realizar palestras, talk shows, workshops e oficinas com vivências e dinâmicas, explorando temas como:  coaching, design thinking, criatividade, gestão financeira, liderança, empreendedorismo, ética, organização, mídias sociais, comunicação e marketing.  “Nosso país é riquíssimo de histórias de mulheres empreendedoras, que conseguiram desenvolver ações inovadoras e negócios ambiciosos. Temos o compromisso de tornar conhecidos esses projetos e, desta forma, motivar cada vez mais o empreendedorismo feminino”, ressalta a vice-presidente da BPW BRASÍLIA-DF, Marília Furlan.

O evento é gratuito e os interessados em participar podem se inscrever pelo link: https://www.sympla.com.br/academia-mulher-empreendedora__356647

Sobre a palestrante – Natural de Maringá/PR, Cleoní Tomazela é Formada em Administração de Empresas pela UNIPAR (Universidade Paranaense) e pós-graduada em Administração Financeira e Contábil; Marketing e Propaganda. MBA em Liderança e Coaching e formação clássica em PNL (Programação Neuro Linguística). Mestrado em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação, pela Universidade Católica de Brasília. Foi Executiva do Grupo Gerdau por mais de 15 anos. Hoje é Diretora da BSB (Brasilia School of Business) e professora nos cursos de pós-graduação da Unieuro (Centro Universitário Euroamericano), FGV (Fundação Getúlio Vargas), além de palestrante motivacional e em ferramentas de gestão.

 

Sobre a BPW – A Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais é uma Organização Não Governamental, apartidária, sem fins lucrativos. Da sigla em inglês, Business and Professional Women, a organização internacional conta com mais de 40 mil mulheres associadas em todo o mundo. Fundada na Suíça em 1930, pela Dra. Lena Madesin Philips, está presente em mais de 100 países, onde realiza projetos que fomentam o empreendedorismo, a capacitação de lideranças e implementam projetos de responsabilidade social para melhorar a qualidade de vida de mulheres e meninas em todo o mundo. A BPW tem representatividade em agências internacionais como a ONU, ECOSOC, CSW, OEA, OIT, participa de eventos públicos e privados, que discutem, apoiam e fiscalizam o desenvolvimento das políticas públicas para mulheres e cumprimento dos acordos internacionais.

Serviço

1ª edição Academia Mulher Empreendedora

Data e Horário: 20/09, entre 19h e 22h

Local: Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF): Setor Comercial Sul, Quadra 2

EVENTO GRATUITO

Inscrições: https://www.sympla.com.br/academia-mulher-empreendedora__356647

 


Mariana_Borges_ei_comunidade_empreendedorismo_by_camila_de_magalhaes_7nov2017-.jpg

Ricardo Callado03/09/20189min

Conheça o intraempreendedorismo, movimento que cresce entre funcionários públicos para levar inovação ao setor, com soluções criativas para a manutenção e desburocratização dos órgãos governamentais. E mais: saiba como se tornar um intraempreendedor

O atual cenário econômico tem contribuído para novas ideias empreendedoras entrarem em ebulição. Métodos criativos e inovadores tomam a vez inclusive no serviço público, onde funcionários passam a contribuir com soluções criativas para a manutenção e evolução dos órgãos governamentais.

Dessa maneira, o intraempreendedorismo cresce nesse setor, fazendo com que atitudes diferentes sejam aplicadas aos desafios do trabalho. Para Mariana Borges, uma das idealizadoras da Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, da Fundação Assis Chateaubriand, esse movimento estimula a criatividade, a inovação e a colaboração, além de ser necessário para a renovação de organizações burocráticas.

“Os intraempreendedores são agentes de mudança e peças chaves na transformação da empresa ou órgão de dentro para fora. O maior desafio é mudar os paradigmas que os impedem de inovar e promover a disrupção em seus produtos e serviços”, acrescenta Mariana.

Compartilhando ideias intraempreendedoras – Sephora Lilian, servidora do Banco do Brasil há quase 20 anos, faz parte de um grupo chamado ETO. A sigla pode ser destrinchada como Estratégia Tática Operacional. Formado voluntariamente por vários funcionários com a mente voltada para pensar como conviver com o novo. O trabalho propõe inovação, integração e transformação cultural, debatendo o futuro do banco, com o objetivo de alcançar agilidade necessária tanto para os funcionários quanto para clientes.

Segundo Sephora, o grupo possui uma estrutura totalmente horizontal, sem nenhum tipo de hierarquia. A intenção é provocar reflexões e engajamento de funcionários para que mudem a realidade ao seu redor com pequenas atitudes. “Temos uma comunidade com mais de 1.600 pessoas, fazemos diversas palestras sobre inovação e futuro do trabalho, oficinas de Design Thinking e cursos online. Estimulamos o protagonismo e liderança circunstancial”, informa.

Sephora é também cofundadora do iGOV Brasília, movimento de funcionários públicos que promove o iGOVnights, encontros que contam com a troca de experiências de pessoas engajadas com o propósito de transformar o serviço público através da inovação.

7 passos para aplicar o intraempreendedorismo do setor público

Confira as dicas de Sephora Lilian para quem quer ser um intraempreendedor no serviço público.

Comece questionando:

  1. Você: meu comportamento ajuda outras pessoas a tentarem o novo ou a sugerirem novas ideias? Estou de fato atuando para inovar ou buscando o apoio dos outros para uma inovação? Como desenvolvo novas habilidades para melhorar o que estou fazendo? Qual a conexão com o que estou fazendo com a vida de alguém que está precisando desse serviço?
  1. Sistema: questione o sistema/processo. Será que esse processo faz sentido? Por que ele tem que ser feito dessa forma? Existe alguma forma mais rápida e eficiente de fazê-lo? Quem está sendo afetado/beneficiado por esse serviço?
  1. Experimentação: teste a mudança, comece com um processo simples, faça um protótipo e experimente, torne a ideia real e execute. Quando você materializa, é possível surgirem outros insights, e conhecer minimamente as consequências dessa nova ideia ou transformação, bem como as falhas que não foram identificadas. Lembre-se que as coisas darão errado. Haverá falhas durante o aprendizado em direção a uma inovação. Algumas ideias darão em nada. As pessoas tentarão coisas que não vão funcionar, então crie um ambiente para experimentar de forma segura, onde os erros serão discutidos e aprendidos, e não escondidos ou vistos como vergonhosos.
  1. Agregando valor: tente identificar por que isso tornará as coisas melhores. O que isso nos permitirá fazer? Como essa ideia irá contribuir para prioridades ou para o alcance de melhores resultados?
  1. Seja persistente: fazer mudanças não é fácil. Mudar o comportamento vai exigir que você saia da sua zona de conforto e possivelmente encontre resistência nos que estão ao seu redor, busque apoio de quem também está passando por isso.
  1. Ecossistema inovador: procure estar em ambientes de conexão, frequente eventos, palestras, conheça pessoas que estão inovando e amplie a sua rede. Aprenda com a expertise e com os erros dos outros. Seja curioso, pergunte, e compartilhe o que você descobriu e aprendeu.
  1. Seja proativo: diga sim ao invés de não. Dê o primeiro passo sem medo de errar e prefira pedir desculpas por ser proativo do que ficar aguardando alguém mandar você fazer alguma coisa. Tente colocar uma ideia em prática e se não der certo: tente de novo de uma nova maneira. Fazer > Dizer!

 

Sobre a Ei! – A Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, da Fundação Assis Chateaubriand, é um ambiente de conexão, conhecimento e experiências inovadoras, que surgiu em agosto de 2017 para transformar empreendedores de dentro para fora. Nesta comunidade, acredita-se na força das conexões, no aprender fazendo, na criação coletiva, entre outros. Desde o ano passado, são realizados diversos eventos que reúnem pessoas que pensam diferente e acreditam no potencial inovador da cidade. A Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores está no Facebook, Instagram e Twitter, com o perfil @ComunidadeEi

 

Preparação completa para empreender – Além de compartilhar seu espaço com o ecossistema empreendedor de Brasília, a Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores oferece um curso de cinco meses que prepara o empreendedor para encarar o mercado de forma mais disruptiva e humana, por meio de técnicas, ferramentas e experiências para quem quer desenvolver uma ideia, abrir um negócio, transformar sua empresa, desenvolver uma startup ou inovar no mercado. Para mais informações, acesse www.ei.org.br ou mande um e-mail para comunidade@ei.org.br


Lauri-Martins-Kátia-Cubel-Fernando-Brites-e-Evaldo-Bazeggio-Crédito-Divulgação.jpg

Ricardo Callado24/08/20181min

O presidente da Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF), Fernando Brites, formalizou com a Bazegio Consultoria parceria para criar oportunidades de capacitação para empresários e empreendedores do Distrito Federal.

O acordo ocorreu na sede da entidade, quando Brites recebeu os dirigentes da BAzeggio Consultoria, Evaldo Bazeggio e Lauri Martins, e a diretora da Engenho Comunicação, Kátia Cubel, que alinhavou a parceria.

A primeira ação conjunta ocorre ainda este mês. Nos dias 31 de agosto 1 de setembro, a Bazeggio irá realizar o treinamento Técnicas Aceleradas de Gestão – TAG, no auditório da ACDF, direcionado a empresários, empreendedores e profissionais liberais.

O curso é aberto ao público, mediante inscrição prévia e disponibilidade na turma. Nas matriculas, condições especiais de participação para os associados à ACDF.


cultura-maker.png

Ricardo Callado19/07/20185min

O empreendedorismo tem se adaptado aos novos tempos. A mudança do perfil empreendedor carrega um ideal de “faça você mesmo”, utilizando a criatividade para alcançar o sucesso do negócio próprio

O empreendedorismo tem se adaptado aos novos tempos, com suas novas regras e objetivos. A mudança do perfil empreendedor, de pessoa de negócios para um tipo mais flexível, que é capaz de se adaptar em momentos de crise, buscar parcerias e novas ideias, carrega muito, também, um ideal de “fazer você mesmo”, usar a criatividade, não terceirizar os serviços relacionados ao próprio empreendimento.

O “faça você mesmo”, ou DIY (do it yourself), se transformou em cultura maker com a chegada da internet e das tecnologias. Na cultura maker, pode-se utilizar não somente das próprias mãos ou criatividade, mas também de aparelhos como impressoras 3D, smartphones e cortadoras a laser para impulsionar uma ideia.

Segundo André Leal, sócio fundador da Brasília Fab Lab, uma rede mundial de laboratórios de fabricação digital, e facilitador da Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, muitos aplicativos têm fortalecido esse movimento. “Os aplicativos para smartphones e plataformas online voltados para o movimento maker, por exemplo, têm auxiliado e acelerado o surgimento de negócios renovados para os dias atuais”, afirma o empresário da Fab Lab, criada pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), com o objetivo de facilitar a prototipagem de ideias, visando inovação e invenção.

Espaço maker

Nesse sentido, a Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, da Fundação Assis Chateaubriand, acredita e estimula a cultura maker. A comunidade conta com um espaço maker, aberto aos empreendedores da Ei! e visitantes. O público poderá usufruir de vários equipamentos, como impressora 3D, cortadora laser, fresadora CNC e termoformadora e conhecer várias possibilidades de negócio com o mundo maker. O ambiente foca na criatividade e no uso de novas tecnologias, e visa disseminar o conhecimento por meio de bate-papos, palestras, workshops.

 Sobre a Ei! – A Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores é um ambiente de conexão, conhecimento e experiências inovadoras, que surgiu em agosto de 2017 para transformar empreendedores de dentro para fora. Nesta comunidade, acredita-se na força das conexões, no aprender fazendo, na criação coletiva, entre outros. Desde o ano passado, também são realizados diversos eventos que reúnem pessoas que pensam diferente e acreditam no potencial inovador da cidade. A Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores está no Facebook, Instagram e Twitter, com o perfil @ComunidadeEi

Preparação completa para empreender – Além de compartilhar seu espaço com o ecossistema empreendedor de Brasília, a Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores oferece um curso de cinco meses que prepara o empreendedor para encarar o mercado de forma mais disruptiva e humana, por meio de técnicas, ferramentas e experiências para quem quer desenvolver uma ideia, abrir um negócio, transformar sua empresa, desenvolver uma startup ou inovar no mercado.


MaratonaCriativa_GilbertoCardoso-136.jpg

Ricardo Callado19/07/20183min

O Shopping CasaPark é, mais uma vez, o anfitrião do Archathon Brasília 2018, a maior competição de Arch&Design das Américas, cuja finalidade é revelar novos talentos nas áreas da arquitetura e do design de interiores. Idealizado pela Muuving, o workshop, realizado nos dias 19 e 20 de julho, fomenta a conexão entre jovens profissionais e grandes marcas.

Dessa vez, o evento contará com a participação da ONG Estruturando, que define o briefing do desafio. Os autores do melhor projeto serão premiados com uma viagem para Miami durante a “Miami Art Basel”, uma das maiores feiras de arte do mundo, em dezembro de 2018.

Nesta quinta-feira (19), os grupos terão cerca de 12 horas para concluir a missão que envolve elaborar um projeto de interiores com produtos dos parceiros do evento. Durante o workshop, os participantes também recebem a ajuda de mentores e profissionais renomados do mercado. A equipe de mentores dessa edição será composta pelos profissionais Walléria Teixeira, Roberto Carril, Fabrício Cardoso, Ângela Castilho, Karla Amaral e Rodrigo Biavatti.

Já na sexta-feira (20), os participantes farão uma apresentação de cinco minutos para a banca de jurados, formada por representantes de marcas, jornalistas e outros profissionais da área. Em seguida, os jurados se reunirão no auditório da Livraria Cultura para analisar os trabalhos e escolher os 12 finalistas.

SERVIÇO:

O que: CASACOR Archathon Brasília 2017

Quando: De 19 a 20 de julho de 2018

Onde: CasaPark (SGCV Sul lote 22)

Informações: contato@archathon.com.br / (11) 97282-5454

PROGRAMAÇÃO:

 19.7 | 8h às 20h | Workshop  

20.7 | 10h às 14h | Apresentações e Julgamento


ei_explore_maes_empreendedoras_24mai2018-1.jpg

Ricardo Callado23/05/20187min

Inscrições abertas para evento promovido pela Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores da Fundação Assis Chateaubriand. Entre as convidadas para compartilhar experiências estão Cristina Roberto, Juliana Guimarães e Paula Andrade

Promover a troca de experiências e conexões entre pessoas do ecossistema de empreendedorismo de Brasília. Esta é a proposta do Ei! Explore, bate-papo promovido pela Fundação Assis Chateaubriand, que chega a sua 9ª edição. O encontro será nesta quinta-feira (24/5), das 19h30 às 21h30, no espaço da Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, que fica no SIG Quadra 2 Lote 340. O tema desta vez é Mães empreendedoras, que será trazido pelas convidadas Cristina Roberto (Bom Demais Bistrô), Juliana Guimarães (55lab.co) e Paula Andrade (Startup Escola de Infância). Elas vão compartilhar os desafios de conciliar maternidade com os negócios. Para participar, é preciso se inscrever pelo link https://goo.gl/j9E2d9 . Os ingressos são colaborativos: os participantes definem o valor.

Com um chamado ao empreendedorismo e à inovação, a Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, programa de educação empreendedora da Fundação Assis Chateaubriand, chega para preencher uma lacuna importante no mercado em Brasília. A proposta é ser um ponto de encontro do ecossistema brasiliense e transformar empreendedores de dentro para fora, com uma jornada de seis meses, que proporciona uma aceleração de pessoas e uma pré-aceleração de ideias e negócios, preparando-as para encarar o mercado de forma mais humana e disruptiva, com conexões e experiências necessárias para quem quer desenvolver uma ideia, uma startup, um negócio ou mesmo inovar no trabalho. As inscrições para os primeiros grupos, com início em 4 de junho e 3 de julho, devem ser feitas pelo site www.ei.org.br . Informações no site ou pelo e-mail ei@facbrasil.org.br

As convidadas do 9º Ei! Explore – Dona de um consagrado buffet na cidade, Cristina Roberto transformou o Jardim Botânico em um point dos brasilienses com seu Bistrô Bom Demais, que também faz sucesso no CCBB. Mãe de quatro filhos e avó de cinco netos, ela é empresária, produtora cultural e apaixonada por Brasília. Acompanha o crescimento da cidade, participou da evolução gastronômica local e virou referência.

Ju Guimarães é mãe do Pipo, do João e da Maria Beatriz, esposa do Fernando, empreendedora, consultora de negócios e dona de casa nas horas vagas. Especialista em Produtos, Marcas e Serviços e em Gestão de Negócios com foco em Sustentabilidade, é bacharel em Comunicação Social e, como co-founder, movimenta o cenário brasiliense de coworkings, com três espaços: 55Lab.Co, Nework e Kickoffee.

Faz pouco mais de 3 anos que a jornalista econômica Paula Andrade teve seu primeiro filho, Otávio. De lá pra cá, publicou 4 livros, usados em mais de 60 escolas do país, e está lançando este ano a primeira startup de curadoria de conteúdo técnico materno-infantil, a Escola da Infância. A ideia é ajudar famílias a estreitarem laços resolvendo problemas do cotidiano com apoio de profissionais especializados que acreditam na criação com afeto.

SERVIÇO:

O que: Ei Explore – Mães Empreendedoras, com a empresária e produtora cultural Cristina Roberto, a empreendedora e consultora de negócios Juliana Guimarães, e a jornalista, escritora e dona de startup Paula Andrade

Onde: No espaço da Comunidade Ei, que fica no SIG Quadra 2 Lote 340

Quando: Nesta quinta-feira (24/5), das 19h30 às 21h30

Como participar: É preciso se inscrever pelo link: https://goo.gl/j9E2d9 A proposta de ingressos é colaborativa: os participantes definem o valor e contribuem para a realização de mais eventos. Vagas limitadas.

Informações: ei@facbrasil.org.br


imagem_release_1158987.jpg

Ricardo Callado03/05/20187min

Quando tudo pode dar errado, mas dá certo: cuidar do negócio, licença maternidade e a difícil tarefa para quem leva carreira a solo
*Por Talita Scotto

Empreender é um caminho muito solitário. É solitário para você se “auto motivar” diariamente, para a superação dessa jornada e principalmente para as decisões que terão de ser tomadas. Eu acreditava, mas pensava que em algum momento poderia dar errado. Não deu, mas sempre acho que pode dar. Achei que poderia dar errado quando chegasse o primeiro filho. Não deu. Empreendedores têm uma essência mais inquieta e esse ponto forte é, sem dúvida, um motor capaz de fazer a engrenagem funcionar – mesmo com um bebê no colo.

Vi meu projeto de TCC virar meu projeto de vida aos 22 anos de idade. E a maternidade acompanhou todo o processo sem precisar ser adiada. Essa história eu gosto de contar para você que, assim como eu, empreende solitária. Não tenha medo, pois é realmente possível unir as duas coisas. Casei aos 25 anos e engravidei a primeira vez aos 27. Perdi dois bebês e descobri a trombofilia, que me trouxe uma outra jornada: engravidar e continuar mantendo o foco. Depois de 333 injeções dei à luz uma menina – que chegou para completar a família e, claro, ensinar ainda mais a colocar as prioridades no lugar.

Fiz home-office desde que cheguei em casa com ela. Embora tivesse me estruturado internamente, há assuntos que só o dono é capaz de responder pelo seu negócio. E quem empreende sabe que se desconectar do negócio é difícil. Às vezes, aquele projeto que você tanto queria chega na hora mais conturbada da sua vida. E comigo não foi diferente. Vi novos clientes e projetos irrecusáveis chegarem quando ela tinha 45 dias de vida e aquela pessoa que você apostou para te cobrir sair da empresa. Me vi ali, aceitando o crescimento da empresa no momento em que deveria estar assistindo Discovery Kids e acertando a pega da amamentação.

Tive vontade de jogar tudo para o alto, mas já tinha percorrido 8 anos de trabalho e isso me dava um orgulho imenso – sei que ela vai se orgulhar no futuro também. Nunca esqueço que montei um berço do lado da minha mesa, com trocador e mamadeiras, e fiz um processo seletivo amamentando. Por escolha minha, tomei decisões com a realidade que tinha naquele momento. Mais uma vez, tinha a certeza que não daria certo. Deu e não só deu, como foram as melhores profissionais que poderiam estar do meu lado naquela fase. Por isso, cerque-se de bons profissionais para lhe auxiliar nessa etapa. Por mais que você se estruture, imprevistos sempre podem acontecer.

Depois de três meses em home-office com contatos diários por telefone e por vídeo com a equipe, voltei ao escritório alguns dias da semana e fui aumentando gradativamente minhas idas. Mudei a empresa de bairro para estar ao lado do meu maior suporte familiar: os avós. Trabalhava, amamentava, voltava para trabalhar, e vez ou outra levava trabalho para casa quando o prazo apertava.

A rotina é puxada? Sim. Conciliar é difícil? Sim. Dá vontade de surtar? Sim. É perfeitamente compreensível que a tarefa de cuidar de um bebê e de uma empresa é desgastante mas, a decisão do que será melhor só você pode tomar. Eu escolhi dançar conforme a música. Não perdi o prazo dos clientes e nem o prazo da amamentação, dos horários com o pediatra, dos remédios, trocas de fraldas, das brincadeiras, os primeiros passos. Empreender ainda te dá a liberdade de, com o passar dos meses, estabelecer uma nova rotina de horários e de trabalho

Aquele ser que parece tão frágil vai ser o que vai te fazer mais forte no final. Aquele que lhe dará mais força para lutar diariamente pelo seu negócio. Nessa rotina de equilibrar pratos, consegui manter ela comigo até 1 ano e 3 meses, depois a escola entrou para deixar tudo mais regrado, e ela deixou saudades no escritório.

Hoje, ao olhar para trás, me pergunto como consegui e vejo que, a jornada está ainda melhor. Aprendi que as horas extras são na minha casa, com minha filha. Que o horário comercial é comercial mesmo. Que casos especiais são casos especiais – mesmo. Que é perfeitamente possível resolver as coisas das 9h as 18h e que tem o dia seguinte para continuar. As prioridades me ajudaram a ser mais produtiva e não ter distrações, porque produtividade virou sinônimo de resultados e mais tempo com ela. Afinal, eu tenho um compromisso muito importante me esperando em casa: minha família.

Hoje ela está com quase 2 anos. Sua chegada me ajudou a reestruturar a empresa, a equipe, a marca, o nosso posicionamento e os nossos resultados. Mudei de endereço novamente e escolhi outra cidade, que me permite ter qualidade de vida no trabalho e na vida pessoal. E quando, no auge das emoções, alguém te disser “Calma, essa fase vai passar”, acredite. Ela passa.

Talita Scotto é jornalista e diretora da Agência Contatto, especializada em assessoria de imprensa e conteúdo, empreendedora desde os 22 anos e mãe da pequena Theodora.

 


franquia.jpeg

Ricardo Callado17/04/20184min

A feira Brasília Expo Franquias 2018 será realizada na capital federal de 17 a 19 de maio, no Estádio Nacional de Brasília. O evento trará marcas de franquias de todo o país, que buscam uma ferramenta para atingir novos franqueados na região e aproveitar o forte mercado.

Neste ano, reunirá 40 expositores, representando mais de 100 marcas, e aguarda um público de 7.000 visitantes de estados do Centro-Oeste e vizinhos. Em 2017, a Brasília Expo Franquias gerou a abertura de mais de 150 novas franquias no Distrito Federal e impulsionou a geração de empregos com mais de 500 novos postos de trabalho.

Com sinais de retomada do crescimento da economia, as franquias se mostram como boas oportunidades de investimentos visando os próximos anos. O setor cresceu 8% no ano passado, e prevê novo crescimento forte para 2018. Algumas características como marcas já estabelecidas, e apoio ao empreendedor contribuem para a atratividade do franchising e para o bom desempenho do segmento.

O realizador do evento, Adriano Campos, destaca que Brasília é hoje uma das cidades mais dinâmicas do país, com índices elevados de crescimento de população, renda, consumo e investimentos. “Tudo isso cria excelentes oportunidades no mercado de franquias e setores relacionados”, acrescenta.

A feira de franquias apresenta oportunidades em diversos ramos, incluindo alimentação, estética, saúde, educação e muitas outras. O valor de investimento também varia, desde R$ 10.000,00 para uma escola de formação profissional, até um restaurante completo de mais de R$ 1 milhão.

Já estão confirmadas diversas marcas, entre elas Giraffas, Fisk, Yes Idiomas, Croassonho, Montana Grill, entre outros. Além disso, o design Hans Donner lançará sua marca voltada para o mercado da moda.

Durante o evento, o SEBRAE-DF promoverá uma agenda de palestras, levando ao visitante informação e capacitação sobre operação, financiamento, aspectos jurídicos, como se tornar uma franquia, e outros temas do segmento. A ABF – Associação Brasileira de Franchising – também apoia o evento.

Nesta quinta edição, a Expo Franquias traz uma novidade: a feira irá dividir o espaço com a Food Service Brasília Expo, voltada para o setor de serviços e abastecimento de bares e restaurantes, com exposição de fornecedores de insumos, tecnologia e equipamentos.

A entrada é gratuita, basta realizar o cadastro antecipado pelo site www.brasiliaexpofranquias.com.br ou na secretaria do evento. O site também apresenta programação de palestras, lista de expositores e telefones de contato da organização.

Serviço:

Brasília Expo Franquias 2017

Local: Estádio Nacional de Brasília

Horário: Dias 17 e 18/05 de 13h às 21h; e dia 19/05, das 10h às 19h.


micro.jpg

Ricardo Callado26/01/20182min

Os microempreendedores individuais (MEI) em atraso com o governo têm até hoje (26) para regularizar a situação. O prazo para quitar ou parcelar as dívidas estava previsto originalmente para acabar na terça-feira (23), mas foi adiado para esta sexta.

Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), os profissionais autônomos terão até as 23h59min59s de hoje para pagar os tributos devidos à Receita Federal ou aderir ao parcelamento dos débitos em até 60 meses (cinco anos) e pagar a primeira parcela. Após esse período, os microempreendedores terão o Cadastro Nacional Pessoa Jurídica (CNPJ) excluído do programa.

A relação dos CNPJ suspensos está no Portal do Empreendedor. De acordo com o MDIC, cerca de 1,4 milhão de microempreendedores estão ameaçados de serem excluídos do programa. Eles não pagaram os impostos nos últimos três anos e estão com as declarações anuais do Simples Nacional em atraso, o que equivale a 18,9% dos 7,574 milhões de CNPJ inscritos.

Regime especial de tributação instituído em 2011, o MEI permite o pagamento simplificado de tributos por profissionais autônomos que faturem até R$ 81 mil por ano e contratem no máximo um empregado. Nesse programa, o profissional recolhe mensalmente 5% de contribuição ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mais R$ 5 de Imposto sobre Serviços (ISS), no caso de prestadores de serviço, ou R$ 1 de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços, no caso de atividades ligadas ao comércio e à indústria. O carnê é emitido por meio do Portal do Empreendedor.


governador_almoco_empresarios_foto_Gabriel_Jabur-640x427.jpg

Ricardo Callado01/12/20172min

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, participou nesta sexta-feira (1º) de debate com representantes do setor atacadista. No Encontro Empresarial 2017, organizado pelo Sindicato do Comércio Atacadista do DF (Sindiatacadista) em um restaurante no Setor de Clubes Sul, eles discutiram oportunidades e desafios para a área.

Os temas foram divididos em quatro áreas: desenvolvimento, situação tributária, política e economia. Os empresários apresentaram demandas, como a criação de um polo atacadista no DF.

“Brasília tem vocação para ser um grande polo atacadista. Para isso, precisamos ter áreas e outros instrumentos”, disse o governador. Ele acrescentou que determinou à Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) e à Secretaria de Economia, Desenvolvimento, Inovação, Ciência e Tecnologia que identifiquem possíveis espaços que possam ser colocados à disposição do setor produtivo.

Rollemberg ainda destacou medidas que o governo tem tomado para garantir o desenvolvimento econômico do Distrito Federal, como a lei que permite ao DF conceder a organizações incentivos fiscais similares aos oferecidos por outras unidades da Federação.

“Sinto que estamos iniciando um novo momento na economia da cidade, que vai garantir a criação de empregos e de renda.”



Sobre o Blog

Aos 14 anos, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar



Parcerias