Arquivos Destaques - Página 2 de 433 - Blog do Callado

prova-concurso.jpg

Ricardo Callado08/11/20186min

Por Letícia Carvalho, G1 DF – A Câmara Legislativa do Distrito Federal publicou, nesta quarta-feira (7), um decreto que extingue o “prazo de validade” para concursos públicos distritais.

Na prática, o texto altera a Lei de Concursos Públicos do DF e diz que, se os aprovados não puderem ser nomeados por impedimentos ao governo – por exemplo, dificuldades com a Lei de Responsabilidade Fiscal –, a validade do cadastro reserva é prolongada indefinidamente.

Câmara do DF aprova lei que 'pausa' validade de concursos quando não puder ter nomeação — Foto: Diário da Câmara Legislativa/Reprodução
Câmara do DF aprova lei que ‘pausa’ validade de concursos quando não puder ter nomeação — Foto: Diário da Câmara Legislativa/Reprodução

Com isso, nenhum aprovado em concurso corre risco de perder esse resultado porque o governo está impedido de ampliar ou repor os cargos. Nos dois primeiros anos do governo Rodrigo Rollemberg (PSB), por exemplo, apenas servidores de áreas fundamentais puderam ser nomeados – mesmo assim, só com autorização da Justiça.

Lei cassada e refeita

Uma lei similar havia recebido o sinal verde pelos deputados distritais no fim do ano passado, mas, em julho de 2018, foi julgada inconstitucional pelo Tribunal de Justiça do DF. O Ministério Público apresentou uma ação de inconstitucionalidade alegando “vício formal”.

A norma chegou a ficar em vigor por cinco meses. A decisão do Tribunal também determinou efeito retroativo. Isso significou que as prorrogações que, porventura, tivessem ocorrido nesse período foram canceladas.

Segundo o MP, como o tema está ligado à realização de concursos, apenas o governador do DF poderia propor esse tipo de mudança.

Dois meses após entendimento do Conselho Especial do Tribunal de Justiça, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), enviou à Câmara um novo projeto, aprovado no fim de

outubro.


sheyla-soares.jpg

Ricardo Callado08/11/20186min

Por Letícia Carvalho, G1 DF – O delegado da Polícia Federal Anderson Torres foi anunciado nesta quarta-feira (7) como futuro secretário de Segurança Pública do Distrito Federal. O nome foi confirmado pela assessoria do governador eleito do DF, Ibaneis Rocha (MDB), na noite desta quarta-feira (7).

Anderson Torres, atualmente, é chefe de gabinete do deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR), ligado ao presidente da República eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Mais cedo, Ibaneis havia afirmado que a chefia da Segurança Pública da capital teria de “priorizar os Direitos Humanos”. A declaração foi dada logo após almoço com o presidente da República, Michel Temer, no Palácio da Alvorada.

Segundo o governador eleito, o delegado da PF é alguém ”de extrema confiança do presidente eleito [Jair Bolsonaro] e do Sérgio Moro”.

Comando-Geral da PM

O político também anunciou que a coronel Sheyla Soares Sampaio será a Comandante-Geral da Polícia Militar do DF. Se a nomeação se concretizar em janeiro de 2019, ela será a primeira mulher a comandar a corporação na história da capital federal.

Durante o mandato do governador Rodrigo Rollemberg (PSB), em 2015, a coronel Sheyla era a única mulher a comandar um batalhão operacional. Na época, ela geriu o 1º Batalhão da Polícia Militar do DF – grupamento responsável pelo monitoramento de locais como a Asa Sul e o Parque da Cidade.

Governo de transição

Na manhã desta quarta (7), foi publicada no Diário Oficial a primeira lista de nomes indicados por Ibaneis para compor a equipe de transição. Os seis indicados vão receber salário de até R$ 8,9 mil por mês.

O primeiro nome é o do futuro secretário de Fazenda, André Clemente. Outro é o da advogada Denise Andrade da Fonseca, que vai coordenar os planos de gestão das empresas estatais do DF.

Dos seis indicados, três são filiados a partidos políticos que apoiaram Ibaneis no segundo turno:

  • André Clemente Lara de Oliveira (filiado ao PSDB)
  • Pedro Cardoso de Santana Filho (filiado ao PR)
  • Raimundo Hosano de Sousa Júnior (filiado ao PTB)
  • Denise Andrade de Fonseca
  • Juliana Gonçalves Navarro
  • Mara do Vale Abrahão

Com essas seis nomeações, Ibaneis tem mais sete nomes a nomear para cargos pagos na transição. O grupo ficará no cargo, pelo menos, até 1º de janeiro de 2019, quando começa oficialmente o mandato de quatro anos do novo governador.

Além desses indicados, o governador eleito também divulgou os nomes de Ericka Filippelli (MDB) para a Secretaria da Mulher, e do empresário Izidio Santos para a Secretaria de Obras.


agricultura_familiar_2.jpg

Ricardo Callado08/11/20185min

Por Akemi Nitahara

De 2012 para 2017, a Região Nordeste perdeu cerca de 1 milhão de trabalhadores rurais. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Contínua (Pnad-C): Características Adicionais do Mercado de Trabalho 2012-2017, divulgada hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o percentual de pessoas ocupadas que trabalham em fazenda, sítio, granja ou chácara na região passou de 22,4% para 16,2% no período.
Apesar de ainda ter a maior proporção do país, o Nordeste teve também a maior queda no período. Considerando todo o Brasil, os últimos dados mostram que 11,1% da população ocupada trabalham em áreas rurais, um contingente de 8 milhões de pessoas. Segundo a economista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE Adriana Beringuy, esse movimento é observado desde 2012 e confirmado em 2017, com o Nordeste registrando a menor taxa da série para trabalhadores em estabelecimentos rurais.

“O Nordeste tem cada vez menos pessoas em atividades como agricultura e pecuária, apesar de ainda ser um montante importante. Ainda que haja essa queda ano após ano, a ocupação nesses estabelecimentos em regiões como o Norte e o Nordeste é extremamente importante. Essas atividades ocupam parte significativa dos trabalhadores do país, ainda que esteja havendo tendência de queda”.

Na Região Norte, a proporção de trabalhadores em fazenda, sítio, granja ou chácara ficou em 18,7% no ano passado. No Centro-Oeste, ficou em 12,4%, no Sul em 12,4% e o Sudeste tem 6,5% da população ocupada em estabelecimentos do campo. Segundo Adriana, o Brasil teve queda de 274 mil pessoas nesses estabelecimentos de 2016 pra 2017, sendo que no Nordeste a queda foi de 386 mil. O balanço nacional foi compensado pelo crescimento de 133 mil no Sudeste.

Adriana explica que o trabalho no campo tem incidência importante da agricultura familiar, com pequenos estabelecimentos e de situações informais, que podem ter sido afetados pela diminuição no financiamento do Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e também por fatores climáticos.

“São pequenos agricultores que, muitas vezes, dependem de financiamento, como o Pronaf, e nos últimos anos têm sido muito penalizados pela questão da seca, que se acentuou na safra 2016/2017. Então, uma série de fatores, tanto de recursos quanto climáticos, podem estar afetando a fixação do trabalhador rural nesses pequenos estabelecimentos na Região Nordeste”.

Cooperativas

O número de pessoas ocupadas, como empregadores ou trabalhadores por conta própria associados a cooperativas de trabalho ou produção, caiu para 5,8% em 2017, em comparação a 2012, quando a taxa era de 6,4%. A Região Sul tem a maior proporção, com 10,3% das pessoas ocupadas associadas a cooperativas. A menor taxa é a do Centro-Oeste, com 4,9%. Por sexo, 6,7% dos homens estão nessa categoria de ocupação, ante 4,1% das mulheres.

De acordo com a economista, a agricultura sempre teve taxas altas de cooperativados, mas agora está na menor da série histórica, reflexo também da diminuição do trabalho no campo.

“Associados à cooperativa correspondem a menos de 6% dos empregadores e trabalhadores por conta própria. Mas é uma atividade que está muito concentrada na agricultura, cerca de 46% dos cooperativados estão em atividades agrícolas. No Brasil esse percentual é 5,8%, mas na Região Sul chega a 10,3%. O predomínio é de Santa Catarina, que tem o maior percentual de cooperativados no Brasil”.


fifa-bancada.jpg

Ricardo Callado07/11/20183min

Encontro, organizado pela deputada federal eleita Paula Belmonte, inicia rodada da entidade com políticos. Seis parlamentares participaram

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) escolheu a bancada do Distrito Federal para iniciar uma série de encontros com parlamentares para apresentar os novos projetos da entidade para a gestão do esporte no Brasil. A pedido da confederação, a deputada federal eleita Paula Belmonte (PPS) convidou deputados distritais, federais e senadores para o encontro.

“O DF já mostrou potencial para o esporte exportando talentos nacionais e internacionais como Kaká, Lucio e Paulo Victor. Precisamos dessa aproximação com a CBF para apoiar o nosso futebol. Acredito no esporte como uma ferramenta de inclusão social, aliada à educação e à cultura”, disse.

Em uma apresentação extensa, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, detalhou como a entidade pretende melhorar sua imagem, apostando em novas regras de governança, transparência e compliance, inclusive pelas Federações estaduais. O secretário disse que fará rodadas semelhantes com os demais estados, com o objetivo mostrar “uma nova CBF”.

A entidade também pretende expandir o projeto CBF Social, como ações regionais de incentivo à inclusão social pelo esporte. “Queremos dar ao futebol uma nova dimensão e este foi um momento histórico”, definiu Feldman. A entidade acompanha também o mercado internacional do esporte e quer melhorar a inserção do futebol brasileiro fora do país.

Participaram do encontro os distritais eleitos João Cardoso (Avante) e Iolando (PSC), os federais eleitos Julio César (PRB), Luis Miranda (DEM), Prof. Israel (PV). Como representantes do Senado, estiveram Luis Felipe Belmonte, primeiro-suplente do senador eleito Izalci, e Ricarda Lima, secretária-adjunta de Esporte do DF, pela senadora Leila Barros.

Pelo Ministério do Esporte, Célio René Vieira, que integra Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO) e também já comandou a pasta do esporte local. O esporte local contou ainda com a presença do presidente da Federação de Futebol do DF, Daniel Vasconcelos.


buriti.jpg

Ricardo Callado07/11/20184min

Publicação está no Diário Oficial do DF desta quarta (7). Governo do Distrito Federal abriu 13 cargos para compor o grupo

Por Samira Pádua

As primeiras seis indicações da próxima gestão para a Comissão de Transição foram publicadas nesta quarta-feira (7) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

A publicação traz as nomeações de:

  • André Clemente Lara de Oliveira
  • Denise Andrade de Fonseca
  • Juliana Gonçalves Navarro
  • Mara do Vale Abrahão
  • Pedro Cardozo de Santana Filho
  • Raimundo Hosano de Sousa Júnior

O governo do Distrito Federal abriu 13 cargos para compor o grupo. Para que possam ser integrados, o Executivo transformou 21 cargos menores já existentes — não acarretando, portanto, aumento nas despesas.

A equipe vai compor a estrutura da Governadoria do Distrito Federal.

decreto com a reestruturação foi publicado no DODF dessa terça-feira (6). O saldo financeiro remanescente da transformação de cargos e funções passa a compor o Banco de Cargos e Funções administrado pela Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão.

A estrutura administrativa da Comissão de Transição será extinta em 1º de janeiro de 2019, quando os ocupantes serão exonerados.

A comissão fará os procedimentos de mudança da gestão Rodrigo Rollemberg para a do governador eleito, Ibaneis Rocha, e foi instituída em 30 de outubro por meio de decreto publicado no Diário Oficial.

Além de representantes do próximo governo, participam da comissão membros da Procuradoria-Geral do DF e de mais nove pastas:

  • Casa Civil do DF
  • Secretaria de Fazenda
  • Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão
  • Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social
  • Secretaria de Saúde
  • Secretaria de Educação
  • Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos
  • Secretaria de Mobilidade
  • Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos

 


ilan.jpg

Ricardo Callado07/11/20182min
Ilan Goldfajn evitou dizer se vai continuar na presidência do Banco Central (Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Por Kelly Oliveira

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, evitou hoje (7) dizer se permanecerá no cargo no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro. O economista Paulo Guedes, indicado para o Ministério da Fazenda do novo governo, defende a permanência de Goldfajn.
Ao deixar auditório do BC onde é realizado o IV Fórum de Cidadania Financeira, em Brasília, Goldfajn foi perguntado por jornalistas se ficará no cargo, a partir do próximo ano. “Sem comentários”, respondeu.

Goldfajn ocupa a presidência do Banco Central há dois anos, e Guedes disse, no último dia 30, que seria “a coisa mais natural do mundo” que o governo aprovasse o projeto que prevê a independência do BC com o apoio do atual presidente da instituição e que ele permanecesse no cargo.

Guedes defende a proposta de independência do Banco Central, com mandato de presidente não coincidente com o do presidente da República.


bolso-1.jpg

Ricardo Callado07/11/20182min

Por Luiza Damé

A diplomação do presidente eleito Jair Bolsonaro deve ocorrer no próximo dia 11 de dezembro, segundo informação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nesta manhã, a presidência do TSE entrou em contato com o ministro extraordinário Onyx Lorenzoni para agendar a solenidade.
O TSE sugeriu a Onyx, coordenador do governo de transição e anunciado como futuro ministro da Casa Civil, que Bolsonaro e o PSL antecipem em cinco dias suas prestações de contas, cujo limite é o dia 17 de novembro.Segundo o TSE, dessa forma será possível cumprir os prazos do calendário eleitoral e realizar a solenidade de diplomação do presidente eleito em 11 de dezembro – um dia antes da data prevista para que Bolsonaro se submeta a um procedimento cirúrgico.

A data limite para a diplomação é 19 de dezembro. Conforme o TSE, Onyx disse que irá consultar Bolsonaro e retomar o contato com o TSE até o meio-dia de hoje.


Max-Telesca.jpg

Ricardo Callado07/11/20187min

Por Max Telesca

Nos últimos 20 anos houve uma mudança radical no perfil da advocacia brasileira com a abertura indiscriminada de cursos jurídicos. Há no Brasil mais de 1.200 faculdades, contra 1.100 do resto do mundo. Estes números assustadores são o resultado de uma política pública de ensino equivocada formadora de um exército de 1.100.000 advogados no país, a grande parte deles com muitas deficiências de formação.

Ao longo da última década, a proliferação desenfreada dos cursos jurídicos, em conjunto com a crise econômica, com a diminuição expressiva da oferta de concursos públicos e com o ingresso de novas tecnologias de massificação do trabalho advocatício,produziu o fenômeno que temos chamado de “proletarização da advocacia”, que tem como base, sobretudo, um mercado absolutamente inchado, com excesso de oferta e, por conseguinte, honorários aviltados.

Há sete meses percorremos o Distrito Federal ouvindo a classe, suas dores e angústias, e constatamos uma mudança radical no perfil da advocacia, hoje constituída de advogados jovens, pertencentes à classe média baixa com uma grande parte deles, sem sequer ter onde atender clientes. Por outro lado, a instituição do processo eletrônico, o acesso maior aos recursos tecnológicos e à internet rápida, baratearam os custos, amenizando os impactos da crise.

E o papel da tradicional Ordem dos Advogados do Brasil neste novo cenário, onde se coloca? Tradicionalmente a OAB, no tocante às questões de mercado de trabalho, comporta-se como uma entidade meramente cartorária, de fiscalização disciplinar por meio do Tribunal de Ética e Disciplina – TED e com raro apoio de formação e aperfeiçoamento na parte acadêmica, por meio da Escola Superior de Advocacia – ESA.

No entanto, o discurso e a prática clássica de não interferência nas questões mercadológicas, com o implemento desta nova realidade precisa mudar. Há uma necessidade de mudança e renovação no foco e nas diretrizes da entidade, que deve abandonar a inércia comissiva clássica e partir para o enfrentamento de um cenário que ajudou, com sua omissão, a construir. Há imensa responsabilidade da OAB na inserção, no coração e nas mentes dos advogados, da esperança de que a advocacia os faria mudar de vida, no ingresso numa carreira clássica, nobre.

Há responsabilidade também em virtude de algo bastante simples: o pagamento das anuidades. Para o perfil antigo da advocacia, mais rico e elitizado, a anuidade da OAB era apenas uma taxa que se pagava para ter “licença para advogar”. Para o perfil novo, mais empobrecido e popular, a anuidade deve ter uma significação prática de retorno do investimento. Afinal, o que muda na vida do advogado se a OAB deixasse de existir hoje?

Alguns serviços são oferecidos há muitos anos, como o transporte pelas vans, ou convênios insuficientemente divulgados pela Caixa de Assistência. É uma atuação muito tímida pela dimensão atual da nossa entidade, que conta com 60.000 inscritos, 45.000 deles ativos. São parcos os serviços oferecidos considerando o tamanho da responsabilidade dos dirigentes para com o novo perfil da advocacia

Medidas de estímulo ao novo profissional da advocacia são urgentes. A entidade que, teoricamente, tem como papel a defesa dos interesses dos advogados e do Estado Democrático de Direito deve vencer suas contradições internas e, de fato, ingressar com políticas de desoneração de custos dos jovens, tais como a criação de coworkings nas Subseções, a reversão da anuidade em serviços efetivos e a fiscalização dos tetos e filtros da Defensoria Pública e dos Núcleos de Prática Jurídica. Acerca deste último ponto, é preciso esclarecer que a prestação gratuita da advocacia é extremamente necessária, porém para quem realmente precisa, sem deturpações ou abusos.

A reversão da anuidade em serviços e a criação dos coworkings diminuiriam os custos enquanto que a fiscalização efetiva acima demonstrada aumentaria o mercado de trabalho dos jovens advogados. É preciso compreender, dentro desta mudança radical do perfil da advocacia, que a OAB/DF deve voltar seus olhos para quem realmente mais precisa dela, que são os advogados menos favorecidos economicamente e empurrados para fora do mercado de trabalho.

Obviamente, a atuação da OAB em defesa das prerrogativas sempre será, no nosso entendimento, a principal razão de existir da nossa entidade de classe, ao lado da defesa das instituições democráticas. Entretanto, o desafio está lançado: o de promover a inclusão no mercado de trabalho de milhares de advogados que hoje estão praticamente andando às cegas e sem qualquer amparo.

* Max Telesca é advogado e escritor. Foi Diretor, Conselheiro e Presidente do Tribunal de Ética da OAB/DF. É Presidente do Instituto de Popularização do Direito – IPOD e candidato à Presidência da OAB/DF.


Raphael-Costa.jpeg

Ricardo Callado07/11/20187min

O evento é uma experiência de autoconhecimento, que se propõe a quebrar bloqueios emocionais e possibilitar o crescimento pessoal e profissional do participante

A sociedade está em constante transformação, seja ela cultural, social, política, profissional ou pessoal. O ser humano é mutável, é capaz de se desenvolver e aperfeiçoar suas qualidades e talentos, mas muitos não aproveitam todo o potencial que possuem. Para combater esta realidade, alguns estudos já têm comprovado que uma das principais fontes de crescimento está diretamente ligada à capacidade humana de exercitar mente e emoção. Foi pensando neste desenvolvimento psicoemocional que o programa Imersão, com o treinador de crescimento pessoal e profissional, Raphael Costa, foi criado em 2014 e já contou com a participação de mais de 03 mil pessoas. A edição deste ano, que já é 25ª, acontecerá entre os dias 09 e 11 de novembro, no Brasília Hotel Carlton.

Promovido pelo Instituto Brasileiro Master Coaching, o Imersão com Raphael Costa tem o objetivo de traçar estratégias internas que eliminam o que impede o ser humano de crescer. Talvez existam pessoas que estão estagnadas no emprego, sem conseguir evoluir e acreditam que a promoção nunca ocorra por fatores externos, como política da empresa ou perseguição da chefia. Em alguns casos pode até ser que este cenário seja real, mas em muitas outras situações o principal obstáculo está dentro da pessoa, que não consegue acreditar no próprio potencial. São situações concretas como estas que serão trabalhadas no Imersão, que é uma experiência profunda de autoconhecimento. “O trabalho que fazemos ao longo de três dias de imersão proporciona anos de crescimento ao participante, porque o nosso foco é ir à raiz do problema e identificar bloqueios emocionais que, por vezes, nem a própria pessoa sabia da existência”, explica o idealizador e mentor do projeto, Raphael Costa. “O nosso compromisso é conduzir as pessoas ao autocontrole, de forma que elas possam conquistar os maiores ideais em menos tempo”, destaca.

O Imersão com Raphael Costa é um avançado programa de crescimento pessoal baseado em mais de 50 anos de pesquisa científica sobre Psicologia comportamental para o participante avançar anos em 03 dias, alcançar o verdadeiro potencial, atingir objetivos e redefinir o que é possível em todas as áreas da vida. Ele está estruturado e baseado a partir das seguintes ciências e conhecimentos: Neurociência, Psicologia comportamental e positiva, habilidades emocionais e Behaviorismo. Para unir todos esses conhecimentos, Raphael utiliza ferramentas do método máster coaching e o método de aprendizado acelerado experimental learning, de Haverd, além de princípios da Bíblia sagrada. “O Imersão é uma experiência para pessoas que desejam ultrapassar os seus próprios limites e atingir níveis mais elevados de propósito, resultados e equilíbrio”, comenta Raphel Costa. O programa permite ao participante obter domínio emocional; identificar e eliminar padrões comportamentais inconscientes impeditivos; viver com propósito; definir foco de ação; melhorar relacionamentos; aumentar resultados profissionais maximizando conhecimentos e capacidades já existentes; implementar ideias e projetos parados; e aumentar a  autoconfiança.

No dia 09 de novembro, o evento está previsto para iniciar às 8h e terminar às 23h; no dia 10, a programação acontecerá entre 9h e 23h; e no dia 11, será das 9h às 00h. Quem tiver interesse em participar do Imersão com Raphael Costa, pode se inscrever pelo site: www.ibmastercoaching.com.br/metodoimersao.

Sobre Raphael Costa – Utilizando os princípios que ensina, Raphael Costa passou de um simples vendedor de frutas em frente a uma parada de ônibus para o fundador da sua própria empresa de desenvolvimento pessoal, a qual treina milhares de pessoas anualmente, ajudando-as a superar dezenas de bloqueios emocionais, inseguranças e dificuldades de relacionamento interpessoal. Já falou para mais de 50 mil pessoas sobre seus ensinamentos de avanços pessoais e profissionais, tornou-se o especialista em desenvolvimento pessoal número 1 em Brasília, concedendo mais de 100 entrevistas para jornais, rádio e TV’s. Autor do livro Possibilidades, que apresenta de forma clara e objetiva como qualquer pessoa é capaz de criar as suas próprias condições para atingir o próximo nível, ultrapassando as probabilidades atuais.

Serviço

PROGRAMA IMERSÃO COM RAPHAEL COSTA ACONTECE EM NOVEMBRO

Data: 09, 10 e 11/11/2018

Horários:

Dia 09: 8h 23h

Dia 10: 9h às 23h

Dia 11: 9h às 00h

Local: Hotel Carlton – Setor Hoteleiro Sul Q. 5 Bloco G – Asa Sul

Inscrição: www.ibmastercoaching.com.br/metodoimersao

Contatos: (61)4101-1287 ou (61)9.9620-0208


Roda-de-Samba-Beneficente_LBV.jpg

Ricardo Callado07/11/20182min

Dhi Ribeiro promove roda de samba para ajudar centenas de famílias carentes neste Natal

A sambista Dhi Ribeiro movimentará a capital federal com sua Roda Dhi Samba Beneficente, para ajudar centenas de famílias carentes do DF.

O evento solidário, que já está na sua 5ª edição, será dia 15 de novembro na sede da Associação Recreativa Cultural Unidos do Cruzeiro (ARUC), conhecido reduto do samba brasiliense.

Além da própria Dhi Ribeiro e Banda estão confirmadas as presenças marcantes de Marcelo Sena, Milsinho, Kika Ribeiro, Nenel Vida, Bebeto Cerqueira, Myrian Tassi, Carla Meireles, Real Samba e Batuque de Rua.

A iniciativa beneficiará centenas de famílias carentes da cidade e contará com o apoio de instituições parceiras da sambista, entre elas a Legião da Boa Vontade (LBV).

Para participar dessa festa solidária o público pagará R$ 10,00 reais mais 1 quilo de alimento não perecível.

Participe! Venha curtir a Roda Dhi Samba e ainda ajudar quem mais precisa!

Serviço:

Roda Dhi Samba Beneficente

Quando: 15 de novembro

Horário: das 15 às 21h

Onde: Aruc

Endereço: SRES Área Especial 08, Cruzeiro Velho, Brasília/DF.

Entrada: R$ 10 reais e 1 Kilo de alimento não perecível

Classificação: Livre

Informações: (61) 99103-8323 / 3361-1649 / 3114-1070



Sobre o Blog

Aos 14 anos, o Blog do Callado é um veículo consolidado, admirado por seus leitores e em sintonia com o público alvo: a população brasiliense. O blog é um site de opiniões e notícias com atualização diária, sem cunho ideológico. Dedica-se a oferecer aprimoramento da informação, com uma audiência qualificada.


NOS BASTIDORES DA CAIXA DE PANDORA

Pandora




Mídias Sociais

Twitter do Blog


FANPAGE Facebook

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar



Parcerias